Comércio eletrônico cresce 26% e fatura R$ 16 bilhões no primeiro semestre de 2014, segundo E-Bit

Leia em 4min 50s

30ª edição do relatório WebShoppers prevê faturamento de R$ 35 bilhões até o final do ano, com um total de 104 milhões de pedidos. Copa do Mundo impulsionou venda de TVs e artigos relacionados ao evento. Compras por dispositivos móveis se mantêm em ritmo acelerado de elevação, com 7% de participação em vendas



 

No primeiro semestre de 2014 o comércio eletrônico brasileiro registrou faturamento de R$ 16 bilhões, um crescimento nominal de 26% em relação ao mesmo período do ano passado. Até o final do ano, a previsão é atingir uma receita de R$ 35 bilhões, um resultado que será 21% superior ao registrado em 2013, alcançando 104 milhões de pedidos. Estes são alguns dos principais dados do 30º relatório WebShoppers, divulgado hoje pela E-bit, empresa especializada em informações do comércio eletrônico.


"O e-commerce está conseguindo atrair cada vez mais o consumidor brasileiro, que se mostra mais e mais interessado em aproveitar as facilidades e os atrativos oferecidos por este canal", afirma o diretor executivo da E-bit, Pedro Guasti. "Promoções, variedade de produtos, entrega em casa e com frete grátis, além do poder de decisão da compra pela pesquisa em diversas lojas virtuais e a mobilidade são alguns dos fatores que vêm contribuindo para que o consumidor feche a compra pela Internet", acrescenta.


Neste primeiro semestre, o número de pedidos chegou a 48,17 milhões contra 35,54 milhões nos seis primeiros meses de 2013. Já o tíquete médio ficou em R$ 333,40. Um dos fatores responsáveis por este crescimento nas vendas é, segundo o relatório, a entrada de novos consumidores no varejo online, que, até junho, foi de 5,06 milhões. No total, 25,05 milhões de consumidores fizeram compras pela Web no primeiro semestre. Até o final de 2014, a E-bit prevê que as lojas online brasileiras alcancem 63 milhões de consumidores únicos, que já realizaram pelo menos uma compra pela Internet.


Copa do Mundo impulsiona vendas de TVs

A Copa do Mundo ajudou a elevar o volume de vendas do comércio eletrônico, como aconteceu nas últimas edições do evento. No entanto, apenas 11% dos entrevistados disseram ter sido motivados a comprar algum produto por causa do Mundial. No período que antecedeu a competição, foi verificado um considerável aumento de vendas de aparelhos de TV e produtos correlatos ao evento, como camisas de time e bolas de futebol.


Os produtos com "apelo" Copa do Mundo que tiveram vendas mais concentradas no canal online foram smartphones, GPS com TV, câmera digital, celulares, tablets e jogos/games de futebol. A participação (quantidade de pedidos e volume financeiro) dos aparelhos de TV na categoria Eletrônicos cresceu no comércio eletrônico nos meses que antecederam a Copa. Se em janeiro de 2014 a compra de TVs representava 39% na categoria Eletrônicos, em junho este índice subiu para 48%.


Moda continua líder entre as categorias mais vendidas

A categoria de Moda e Acessórios manteve a liderança conquistada há um ano nas vendas do comércio eletrônico brasileiro. Com participação de 18% no volume total de pedidos, é seguida por Cosméticos e Perfumaria/Saúde (16%), Eletrodomésticos (11%), Livros/Assinaturas e Revistas (8%) e Telefonia/Celulares (7%) e Informática (7%).


Mobile commerce cresce 84% em um ano

Uma tendência já apontada pelos especialistas e pelo próprio WebShoppers na edição anterior, as vendas efetuadas por dispositivos móveis vêm aumentando ano após ano, uma decorrência do uso cada vez maior de celulares pela população, bem como a aquisição de tablets.


Nos primeiros seis meses deste ano, a participação dos dispositivos móveis nas vendas subiu de 3,8% (junho de 2013) para 7% (junho de 2014), um crescimento de 84% no período de um ano. Em 2014 foram realizados 2,89 milhões de pedidos, resultando em um faturamento de R$ 1,13 bilhão.


"A mobilidade vem ganhando atenção por parte das empresas, que percebem esta mudança no comportamento dos consumidores. Por conta disso, elas começam a desenvolver seus sites e aplicativos para atender a este canal, além de cuidar da segurança para que seu público possa usufruir das facilidades do mobile sem receio", afirma Guasti.


No perfil deste consumidor, 57% são mulheres e, entre elas, a faixa etária que compõe a maioria é de 35 a 49 anos. As classes A e B respondem por 64% dos participantes do m-commerce, segundo o relatório.


Net Promoter Score ultrapassa 60%

Com apoio da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (Camara-e.net), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) e da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), o WebShoppers divulga também a análise dos preços do setor através do Índice FIPE / Buscapé e o indicador Net Promoter Score (NPS), que mede diretamente a satisfação e experiência do consumidor em sua compra online.


Neste primeiro semestre, houve melhora no indicador Net Promoter Score (NPS), de 58,96% (junho de 2013) para 60,46% (junho de 2014), o que denota uma sensível melhora na satisfação e fidelização dos e-consumidores. Já a participação do frete grátis nas compras caiu de 62% (junho de 2013) para 50% (junho de 2014), o que demonstra uma oferta mais consciente deste incentivo pelas lojas virtuais aos consumidores.


Já o Índice FIPE/Buscapé apontou queda média mensal de -0,34% nos preços, de março a junho de 2014. Dos nove meses em que houve aumento de preço, quatro estão concentrados no segundo semestre de 2013 em função do impacto da desvalorização de cerca de 16% do real no curto prazo sobre os preços de produtos importados que têm grande peso no e-commerce, como eletrônicos, informática, telefonia e fotografia.


Dos dez grupos de produtos analisados pelo indicador durante o primeiro semestre de 2014, seis apresentaram redução nos preços e quatro registraram alta. O grupo com a maior queda foi Moda & Acessórios (-8,61%). Clique aqui e veja o relatório completo.


 

 

Fonte: Assessoria de Comunicação da  E-bit


 


Veja também

m-commerce, a bola da vez

Quanto mais exigente e imediatista é o consumidor, mais necessário é o uso da tecnologia para atend...

Veja mais
Cresce a demanda de cliente sênior em sites

A internet tem sido cada vez mais usada entre os brasileiros acima de 60 anos, seja em redes sociais como Facebook e Ins...

Veja mais
Brasileiros disputam venda de produto para gelar cerveja

Uma invenção que promete gelar a cerveja mais rápido virou motivo de acusações de pl&...

Veja mais
Empresa de sucos lança pulseira inteligente

Pulseira desenvolvida para empresa monitora exercícios e calorias queimadasA carioca Do Bem ficou conhecida por s...

Veja mais
Henkel Adhesive Technologies continua na liderança em inovação

Empresa investirá em startup de tecnologia de visores Vitriflex Como parte de sua estratégia, a Henke...

Veja mais
Pequenas expandem com produção de itens sem glúten

O interesse em uma alimentação mais saudável está aquecendo as vendas de alimentos sem gl&ua...

Veja mais
B2W garante R$ 2,35 bi em 1ª fase de aporte

A B2W informou ontem que garantiu R$ 2,35 bilhões na primeira fase de sua capitalização, quase o va...

Veja mais
Com R$ 4 bi, B2W vira o jogo

Há cerca de três anos, a B2W vivia a pior fase de sua história. A dona dos sites Americanas.com e Su...

Veja mais
ADM eleva aposta em ingredientes naturais

A multinacional americana ADM, uma das maiores empresas de agronegócios do mundo, deu mais um passo em sua estrat...

Veja mais