ESG leva Nestlé a apoiar produtores de café e cacau

Leia em 3min 30s

De olho na sustentabilidade, empresa também promoverá benefícios aos parceiros agricultores no Brasil

 

Em uma nova fase em sua relação com agricultores brasileiros, especialmente produtores de café e cacau, a gigante Nestlé pretende pagar prêmios de preço não somente pela qualidade do produto, mas também pela sustentabilidade da produção.

 

Em entrevista à Reuters, o CEO da Nestlé para as Américas, Laurent Freixe, disse ainda que a maior compradora global de café está disposta a ajudar cafeicultores atingidos pela seca e geadas no Brasil, com financiamentos e apoio no replantio de lavouras com variedades que tenham maior tolerância à falta de chuva e pragas, além de serem mais produtivas.

 

“Hoje já pagamos prêmios, mas eles estão essencialmente relacionados à qualidade. No futuro, pagaremos prêmios pela qualidade e também pela aplicação de técnicas para a agricultura regenerativa”, disse o executivo, em uma teleconferência nesta quarta-feira.

 

“É uma nova dimensão, e o Brasil é muito importante para a Nestlé nesta transformação”, destacou ele, sem especificar o valor dos prêmios.

 

A Nestlé, que compra mais de 10% da produção global de café, anunciou recentemente que investirá 1,2 bilhão de francos suíços nos próximos cinco anos para estimular a agricultura regenerativa em toda a cadeia de fornecimento da empresa –ele não detalhou o total para o Brasil.

A ambição integra os planos da companhia para reduzir suas emissões pela metade até 2030 e atingir emissões líquidas zero em 2050.

 

Dessa forma, a companhia quer recompensar agricultores também pelos benefícios que eles proporcionam ao meio ambiente mediante proteção do solo, manejo da água e sequestro de carbono.

A companhia, que tem parceria com a estatal Embrapa, quer apoiar a assistência técnica para melhores práticas no campo e também facilitar o financiamento para a adoção de tais diretrizes.

 

A agropecuária responde por quase dois terços das emissões totais de gases de efeito estufa da Nestlé, com laticínios e pecuária respondendo por cerca de 50%.

Freixe disse que, diante dos efeitos da seca e geada para a cafeicultura do Brasil, a Nestlé está pronta a “ajustar” o programa de apoio aos agricultores.

 

“Estamos comprometidos a apoiar o setor nestes tempos difíceis”, disse ele, admitindo que a companhia já sentiu as consequências das intempéries nos preços mais altos da commodity.

Além dos impactos climáticos, a companhia ainda lida atualmente com questões logísticas, como atrasos no transporte por gargalos no setor de contêineres, e impactos inflacionários em várias partes do mundo.

Mas o executivo disse que os preços mais altos são importantes para motivar produtores a cultivar mais, para garantir a oferta no futuro.

 

Contra emissões

No Brasil, onde a Nestlé detém 22 fábricas, já são mais de 13,5 mil produtores que têm alguma forma de relacionamento com os programas de qualidade da Nestlé nas cadeias fornecedoras, segundo a companhia.

 

Na cadeia do leite, Nestlé e Embrapa firmaram este ano uma parceria para pesquisa e desenvolvimento das primeiras fazendas de produção de leite Net Zero e baixo carbono no país. Serão 20 propriedades produtoras de leite que receberão suporte técnico e recomendações para a conversão e redução de carbono.

 

Essa iniciativa será desenvolvida de forma paralela à primeira parceria fechada com a Embrapa, em fevereiro, para a criação do primeiro protocolo nacional para pecuária de leite de baixo carbono.

Em café, com seu Nescafé Plan, a empresa tem o objetivo de ter a primeira marca de café torrado e moído carbono neutro do país, até 2022 –Nescafé já é o maior de grãos certificados.

 

Na cadeia de cacau, por meio do programa de certificação Nestlé Cocoa Plan, a empresa foca questões como produção em áreas livres de desmatamento e uso de sistemas agroflorestais, sem utilização de defensivos agrícolas, ênfase na produtividade e rentabilidade das lavouras.

 

No Brasil, a empresa aumentou o número de propriedades rurais no programa de 270, em 2019, para 1.093 em 2020, utilizando o geomonitoramento, no Espírito Santo, São Paulo, Bahia, Pará e Rondônia. A meta é ter 100% da cadeia de fornecimento de cacau brasileira certificada até 2025.

 

KitKat, segundo a Nestlé, é a primeira marca de chocolates a utilizar cacau 100% rastreável, e quer se tornar neutra em carbono até 2025.

 

Fonte: Isto é – Reuters


Veja também

Nissin Foods amplia estratégias de ESG no Brasil

Indústria líder de macarrão instantâneo estende a gestão ambiental para o trade market...

Veja mais
JBS aplica R$ 13 mi em projeto de economia circular

JBS Ambiental quer entregar sete novas unidades de reciclagem até o fim do ano A JBS Ambiental, empresa que ...

Veja mais
Instituto BRF estende ações do projeto contra a fome e desperdício de comida

“Alimento que Transforma” reforça o poder que tem como ferramenta social para ajudar as pessoas ...

Veja mais
Economia circular une Extra e Unilever

Nas estações de reciclagem, cliente entrega suas embalagens e na hora já leva pontos que podem ser ...

Veja mais
Nescau: bebidas virão sem tampa a partir deste mês

Nestlé abandona mais um item em ofensiva contra o plástico em todos os produtos vendidos em garrafinhas pe...

Veja mais
JBS vai investir U$ 1 bi em sustentabilidade

CEO da companhia afirma que é possível produzir mais e reduzir o impacto ambiental ao mesmo tempo O p...

Veja mais
Unilever vai premiar cliente que reciclar embalagem

O projeto de economia circular funciona por um sistema de acúmulo de pontos com trocas nos locais coleta Par...

Veja mais
PepsiCo lança plataforma de sustentabilidade para toda cadeia

A transformação estratégica de ponta a ponta Pep+ prevê três pilares para sua ado&ccedi...

Veja mais
Reckitt e WWF se unem com ações para sustentabilidade do planeta

Multinacional vai doar R$ 74 mi para preservar habitats de água doce na Amazônia e na Índia O G...

Veja mais