Pesquisa Sazonal

Redes de Negócios

Logo Economia e Pesquisa

Associativismo ganha força no setor

No ano passado, a força das redes e associações de negócios ficou maior. A receita agregada das empresas supermercadistas que se reúnem neste modelo registrou novo crescimento, de acordo com a 20a Pesquisa Ranking de Redes e Associações de Negócios, elaborada pela Associação Brasileira de Supermercados. Em 2019, o faturamento bruto deste segmento teve um aumento nominal de 14,7%, passando de R$ 46,1 bilhões para R$ 52,9 bilhões.

Em termos reais, descontando os efeitos da inflação, o salto também foi de dois dígitos: 10,6%. O valor, em questão, provém de uma projeção realizada pelo Departamento de Economia e Pesquisa da Abras, com base no faturamento total do setor supermercadista e no desempenho das empresas declarantes do Ranking de Redes e Associações de Negócios (veja a seguir).

A pesquisa da Abras, tradicionalmente, avalia outros indicadores deste mercado que, em linha com a receita, seguem evoluindo. A quantidade de estabelecimentos operados pelas empresas associadas às redes de negócios subiu para 4.169 unidades, o que corresponde a um salto de 3,9% no total de lojas. Consequentemente, o número de check-outs também cresceu, passando de 22.618 unidades para 23.592 — aumento de 4,3%. Outro indicador que demonstra a evolução deste mercado é o total da área de vendas, que saltou 7,5%, passando de 2,81 milhões de m² para 3,02 milhões de m².

Diante do saldo bastante positivo no ano passado, os empresários ligados a este modelo associativista apresentam-se, majoritariamente, otimistas com o fechamento de 2020, mesmo com todos os desafios impostos pela pandemia da covid-19, crentes que as redes e centrais de negócio celebrarão mais um crescimento de dois dígitos para este ano. Segundo a pesquisa, mais da metade dos entrevistados (53,4%) acredita que o faturamento conjunto das redes será acima de 10%.

“O desempenho positivo e as perspectivas otimistas das redes de negócios são reflexo do contínuo processo de desenvolvimento, amadurecimento e profissionalização deste modelo”, destaca o superintendente da Abras, Marcio Milan. “A Abras monitora este mercado há duas décadas e sente-se honrada em presenciar a trajetória do associativismo no setor supermercadista, cujos progressos ajudam a fortalecer o autosserviço nacional e a prestar um serviço com mais qualidade para os consumidores. Isso traz ganhos para toda a cadeia de abastecimento.”

Clique aqui e leia a matéria na íntegra