Pelo 2º ano, B3 integra o GPA na carteira ISE de sustentabilidade

Leia em 3min 30s

Companhia do setor de supermercados é a única a compor o índice; frigoríficos importantes foram excluídos

 

 

Lançado em 2005, o ISE B3 é uma ferramenta para análise comparativa da performance das empresas listadas na B3 sob o aspecto da sustentabilidade corporativa, baseada em eficiência econômica, equilíbrio ambiental, justiça social e governança corporativa.

 

O GPA foi a primeira e se mantém como única empresa do setor de supermercados a compor o índice. “Esse reconhecimento é motivo de muito orgulho e reforça o propósito da Companhia, de sermos um agente transformador, aperfeiçoando e inovando do nosso jeito de fazer negócio para a construção de uma sociedade mais sustentável e inclusiva”, ressalta Mirella Gomiero, Diretora Executiva de RH, Sustentabilidade e Tecnologia do GPA.

 

Ficaram de fora

 

Empresas com problemas socioambientais no histórico e que fazem parte da versão atual do índice, como a Petrobras, o supermercado Assaí e os frigoríficos Marfrig e Minerva Foods, ficaram de fora da nova seleção.

 

Segundo a B3, as empresas podem ter deixado a carteira por dois motivos: porque não se inscreveram para a seleção ou por não atingir os critérios estabelecidos. No entanto, os detalhes sobre cada circunstância não foram disponibilizados.

 

Em julho deste ano, a Bolsa anunciou mudanças na metodologia do ISE, que passou a incorporar critérios internacionais de ESG (sigla em inglês para os princípios ambientais, sociais e de governança).

 

Um deles é o CDP (Carbon Disclosure Project), iniciativa que avalia políticas relacionadas a mudanças climáticas. Para integrar o índice, as empresas precisam ter nota superior a C.

 

Outra novidade é a utilização do RepRisk, que indica o risco reputacional de uma companhia. Nesse caso a pontuação precisa ser igual ou menor a 50 pontos.

 

O desempenho de cada organização ainda não foi publicado, mas essas informações estarão disponíveis a partir do ano que vem —inclusive a nota daquelas que não foram selecionadas para a carteira.

 

Ainda que a B3 não confirme o motivo de cada exclusão, algumas empresas disseram ter desistido de participar da nova seleção. É o caso da Petrobras.

 

Outra companhia que faz parte do índice atualmente, mas não participou da nova seleção é o Assaí.

 

A rede atacadista disse que está na carteira do ISE de 2021 porque era uma subsidiária do GPA (Companhia Brasileira de Distribuição), mas com a cisão das empresas, em março deste ano, as ações foram desvinculadas.

 

“O Assaí não se submeteu ao ISE este ano [para carteira de 2022] porque o questionário era referente ao exercício de 2020. Assim, suas evidências e seus históricos ainda não eram como uma empresa independente, mas como subsidiária”, afirmou em nota.

 

Em agosto deste ano, o Assaí teve sua agenda ESG questionada, quando um homem negro foi obrigado a tirar a roupa dentro de uma unidade do supermercado em Limeira (SP) para provar que não estava furtando nenhum produto.

 

Na época, analistas disseram que o caso indicava como o ESG estava longe de ser colocado em prática no mundo corporativo.

 

Considerado um dos principais referenciais de sustentabilidade do mercado financeiro, o ISE também não está imune a críticas sobre desmatamento. Dois dos três maiores exportadores de carne do Brasil, a Minerva Foods e a Marfrig, integram a versão atual do índice.

 

Em dezembro de 2020, a ONG britânica Global Witness disse que os dois frigoríficos haviam comprado gado de fazendas com desmatamento ilegal. Na época, as empresas negaram as irregularidades.

 

A Minerva Foods não comentou a saída do índice, mas disse que segue empenhando esforços na cadeia de valor do agronegócio, em especial no combate ao desmatamento ilegal e às mudanças climáticas.

 

“Um tema prioritário para a companhia é garantir o fim do desmatamento ilegal em toda a cadeia de abastecimento na América do Sul até 2030”, afirmou em nota.

 

A Marfrig disse ter recebido com surpresa a decisão da B3 de excluir a companhia do ISE.

 

“No último ano, a empresa registrou inúmeros avanços, auditáveis, em suas práticas ESG. Ainda assim, devido a mudanças de critério adotadas para a formação da atual carteira, ficou fora do índice”, afirmou em nota.

 

Sobre as iniciativas contra o desmatamento, a Marfrig destaca que firmou um compromisso público em 2019 e vem implementando uma série de ações.

 

“Uma delas é o monitoramento de 30 milhões de hectares na região amazônica, via satélite e em tempo real.”

 

Fonte: Folha SP


Veja também

PepsiCo traça nova meta para segurança alimentar mundial até 2030

Na América Latina, a Fundação PepsiCo investe mais de US$ 7,5 milhões em programas de acesso...

Veja mais
Unilever batalha contra a perda de alimentos

Projeto da companhia salvou cerca de 70 toneladas de alimentos em 5 meses de campanha O Brasil está entre os...

Veja mais
Brasileiro valoriza mais a sustentabilidade

Estudo da Kantar mostra que a pandemia fez a população latino-americana pensar e agir mais nesse sentido&n...

Veja mais
Pandemia torna a sustentabilidade mais importante para 62% dos latino-americanos

Levantamento da Kantar mostra que mais da metade da população alterou seu comportamento de compras No...

Veja mais
Minuto Pão de Açúcar amplia pontos de coleta de vidro em São Paulo

O Grupo Pão de Açúcar (GPA) anuncia a expansão do projeto “Tem vidro usado p...

Veja mais
Líderes brasileiros mudam o pensamento sobre o ESG

Pesquisa da KPMG revela como estão as boas práticas diante os negócios Um estudo da KPMG apont...

Veja mais
Campanha do Grupo Pereira incentiva reciclagem de lixo eletrônico

Conheça a ação marcada para o próximo sábado e os incentivos desse importante projeto...

Veja mais
CNI: indústrias de pequeno porte vão investir mais em sustentabilidade

A maioria das indústrias de pequeno porte (55%) tem intenção de investir mais nos próximos d...

Veja mais
Bimbo Brasil adota aterro zero em duas fábricas

As plantas somam mais de mil toneladas de resíduos por mês e até o final de 2022, todas as unidades ...

Veja mais