Consumo nos lares brasileiros recua 2,33% em agosto, aponta ABRAS

Leia em 1min 50s

O acumulado do ano se mantém positivo em 3,15% em relação ao mesmo período de 2020; setor supermercadista mantém otimismo

 

A Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS) anunciou nesta quinta-feira (14) um recuo de 2,33% no Consumo nos Lares Brasileiros na comparação entre agosto e julho deste ano. Esta foi a quinta queda mensal registrada no ano. Na comparação com o mesmo mês de 2020, o consumo também fechou com variação negativa de 1,78%. O acumulado de 2021, porém, segue positivo em 3,15%.

 

De acordo com a associação, o número reflete fatores externos e internos como a alta da inflação, que até agosto acumulou 5,67%,  e o desemprego. "Câmbio, geadas e a população, com bolso mais restrito, tiveram influência no resultado de agosto", afirmou Marcio Milan, vice-presidente da ABRAS. 

 

O setor, porém, mantém o otimismo e aponta as ocasiões de grande consumo, como o Black Friday e o Natal, para essa expectativa positiva. “Apesar dessa desaceleração, estamos confiantes e manteremos nossa projeção inicial de crescimento de 4,5% para 2021”, concluiu Milan.

 

Cesta Abrasmercado

Em agosto, o gasto com produtos da cesta Abrasmercado, que abrange 35 produtos de largo consumo nos supermercados, manteve a tendência de alta, fechando o mês em R$ 675,73, com aumento de 1,07% em relação a julho/2021. No comparativo com o mesmo mês do ano passado, o crescimento foi de 22,23%.

 

A batata, café torrado e moído e frango congelado registraram as maiores altas, subindo 20,9%, 10,7%, 7,1%, respectivamente. O sabonete e o ovo também configuram na lista com avanço de 4,3% e 3,7%.

As maiores quedas são da cebola (-4,9%), refrigerante pet (-2,8%), tomate (-2,3%), farinha de mandioca (-1,7%) e feijão (-1,5%). 

 

João Pessoa foi a cidade com maior variação entre agosto de 2020 e agosto deste ano com alta de 32,47%. Com isso, o valor da cesta na capital paraibana ficou em R$ 624,45 contra R$ 471,37 de 2020. Com avanço de 18,12%, Cuiabá, no Mato Grosso, aparece com o menor índice entre as capitais brasileiras com um custo de R$ 535,93 ante R$ 453,70 em agosto passado.

 

“Estamos acompanhando com atenção a questão dos preços e a variedade de marcas no mercado que cabem em todos os bolsos. É necessário o consumidor pesquisar neste momento”, disse Milan.


Acesse aqui a apresentação da coletiva na íntegra


Redação Portal 


Veja também

LGPD é tema de live promovida pela SuperHiper

A Lei Geral de Proteção de Dados foi tema de uma live promovida pela SuperHiper nesta sexta-feira (24), co...

Veja mais
UNECS, FCS e Ministério do Trabalho discutem soluções para o afastamento de gestantes trabalhadoras

  Reunião contou com a participação do presidente da Associação Brasileira ...

Veja mais
As plataformas digitais e o futuro do varejo

 Modelo de negócios, que funciona a partir de ecossistema interativo e promete entregar valor de forma m&uac...

Veja mais
ABRAS apresenta sua proposta de marketplace para os supermercados brasileiros

  Plataforma nasce com a missão de ser um ativo do setor e permitirá que todas as empresas que i...

Veja mais
Expansão de marcas próprias demanda equilíbrio na competição com a indústria

 No lugar de alimentar rivalidade com líderes de mercado e focar preço baixo, esses itens devem atuar...

Veja mais
Coopetição é somar habilidades com ganhos mútuos

  Tempos atrás, vivenciar o termo era impensável, garantem os especialistas, fato que mudou radi...

Veja mais
João Doria defende pacificação política e foco em educação para transformar o Brasil

 Governador do Estado de São Paulo revelou as prioridades que serão trabalhadas caso concorra à...

Veja mais
As múltiplas possibilidades de praticar o ESG no varejo

 Especialistas em varejo e em gestão corporativa mostram como tratar de temas ambientais, sociais e de gover...

Veja mais
Garantir bem-estar emocional é papel do líder do novo milênio

  Pandemia evidencia necessidade de humanização das relações e de empoderamento de...

Veja mais