As plataformas digitais e o futuro do varejo

Leia em 3min 10s

 

Modelo de negócios, que funciona a partir de ecossistema interativo e promete entregar valor de forma mútua, ganhou ainda mais relevância na era pós-pandemia

 

Você sabe o que significa o conceito de plataforma digital? A definição pode não estar na ponta da língua, mas muitas vezes é mais familiar do que imagina.

 

Entre os estudiosos deste conceito, que preconiza que todas as organizações estão, de alguma forma, conectadas uma com as outras e gerando valor de forma mútua, está Geoffrey Parker, professor de Engenharia do Dartmouth College e autor do livro “Plataforma, a revolução da estratégia”.

 

Parker foi o palestrante principal do painel Plataformas durante a 55ª Convenção ABRAS 2021. Além de fundamentar o conceito, Parker falou sobre como o modelo ganhou relevância nos últimos anos devido ao avanço da tecnologia, das redes sociais, do compartilhamento de dados e, mais recentemente, diante do boom do e-commerce por conta da pandemia. Para ele, esses ecossistemas – sejam próprios ou compartilhados – prometem agregar cada vez mais valor para as pessoas e representam um novo marco nas relações B2B e B2C.

 

Alfredo Pinto, sócio-diretor da Bain & Company na América do Sul, promoveu reflexões sobre o modelo entre os participantes a respeito dos riscos e oportunidades que ele traz para o varejo e para a indústria e, também, se é mais interessante construir uma plataforma própria ou participar de um modelo compartilhado.

 

Para Germán Quiroga, sócio da OMNI55, a adoção do modelo implica riscos, mas também oportunidades. Entre os riscos, destaca-se o que ele chamou de “tsunami digital”, que pressiona os varejistas a fazerem essa transição. No entanto, quem se reinventar e conseguir se adaptar pode transformar o tsunami em onda e surfar nela, colhendo resultados positivos. “A oportunidade é gigante para quem entender quais são seus ativos, aprender a conviver com gigantes, com superapps e com marketplaces”.

 

Everton Muffato, diretor do Grupo Muffato, compartilhou como foi a experiência da empresa na adoção do modelo de plataformas. No caso da companhia, a opção foi por um modelo híbrido: ela criou um ecossistema próprio e, também, passou a participar de ecossistemas compartilhados.

 

Para Parker, as duas opções podem trazer ganhos. No entanto, é necessário pensar na escala, ou seja, quanto deve ser investido. Muitas vezes, no caso de pequenas ou médias empresas, participar de plataformas já estabelecidas, mas com poder de voz e definição de regras, promete ser mais atrativo.

 

Caio Lira, vice-presidente da Ambev, ressaltou que o posicionamento da empresa é oferecer apoio e suporte para a digitalização do varejo. Para ele, o conceito de plataforma promete beneficiar tanto as relações B2B quanto B2C e que a empresa já tem investido nisso por meio de ações como o Zé Delivery, direcionado para bares e varejos de pequeno porte, e do “pedido inteligente”, que prevê uma execução no PDV mais assertiva por meio do compartilhamento de dados entre indústria e autosserviço.

 

Ao fim do painel, Bruno Balduccini, Sr. Digital e E-Commerce Manager da Unilever, compartilhou dados sobre a evolução da digitalização do mercado brasileiro puxada pelos efeitos da pandemia. “A última barreira no digital foi vencida com a adesão dos supermercados e com a transição de bens duráveis para não duráveis como os perecíveis”. E acrescentou. “Independentemente do canal, o consumidor é o mesmo. Portanto, é necessário fazer o arroz com feijão bem feito, tanto na loja física quanto on-line. Isso prevê o que chamamos de conceito de loja perfeita: investir em palavras-chaves, escolher termos que o consumidor usa na hora da busca pelo produto, conteúdo de qualidade, imagem capaz de identificar a mercadoria qualquer que seja o dispositivo móvel, avaliações de outros consumidores sobre o item, informações legais e recomendações sobre aquele artigo.”

 

Para saber mais detalhes desse e dos outros painéis da 55ª Convenção ABRAS, confira a cobertura completa na próxima edição da Revista SuperHiper.

 

Redação SuperHiper 


Veja também

ABRAS apresenta sua proposta de marketplace para os supermercados brasileiros

  Plataforma nasce com a missão de ser um ativo do setor e permitirá que todas as empresas que i...

Veja mais
Expansão de marcas próprias demanda equilíbrio na competição com a indústria

 No lugar de alimentar rivalidade com líderes de mercado e focar preço baixo, esses itens devem atuar...

Veja mais
Coopetição é somar habilidades com ganhos mútuos

  Tempos atrás, vivenciar o termo era impensável, garantem os especialistas, fato que mudou radi...

Veja mais
João Doria defende pacificação política e foco em educação para transformar o Brasil

 Governador do Estado de São Paulo revelou as prioridades que serão trabalhadas caso concorra à...

Veja mais
As múltiplas possibilidades de praticar o ESG no varejo

 Especialistas em varejo e em gestão corporativa mostram como tratar de temas ambientais, sociais e de gover...

Veja mais
Garantir bem-estar emocional é papel do líder do novo milênio

  Pandemia evidencia necessidade de humanização das relações e de empoderamento de...

Veja mais
Empatia é fundamental para a coopetição

  Líderes têm o importante papel de preservar empatia e propósito que se fortaleceram na p...

Veja mais
O que ditará o futuro do varejo alimentar?

  Gigantes, nacional e internacional, do varejo supermercadistas revelam suas apostas para o futuro e de que f...

Veja mais
Presidente do Congresso Nacional e ministros marcam presença na abertura da Convenção ABRAS

  Maior encontro de lideranças supermercadistas do Brasil começou nesta segunda-feira, em Campin...

Veja mais