Confiança do brasileiro atinge pior nível desde o início da pandemia

Leia em 2min 40s

Agravamento da crise sanitária e fim do auxílio emergencial estão entre os fatores deste cenário

 

 

O Índice Nacional de Confiança (INC) de março, pesquisa da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) junto à Behup, caiu cinco pontos em março, se comparado com fevereiro, atingindo 76 pontos. O dado é o pior registrado desde o início da pandemia. Duas regiões brasileiras chamam a atenção pelo pessimismo: Nordeste, com 69 pontos; e o Sul, com queda de 8 pontos, chegando aos 70 pontos. A pesquisa ainda revela que no Centro-oeste a queda na confiança foi ainda mais brusca, de 13 pontos, saindo do campo otimista – acima de 100 – para o pessimista – abaixo de 100. A variação do indicador é de 0 e 200 pontos. Os pesquisadores ouviram neste mês 1.500 pessoas de todas as regiões do país.

 

O agravamento das crises econômica e sanitária provocadas pela propagação das novas variantes do novo coronavírus somadas ao fim do auxílio emergencial e às implementações das medidas restritivas para o comércio, bares, restaurantes e de mobilidade urbana são os fatores que influenciaram nesta queda de confiança. “Só a vacinação em massa e o retorno gradativo ao trabalho da população poderá reverter este quadro”, afirma Marcel Solimeo, economista da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). “Hoje, a tendência é de piora da confiança do consumidor para os próximos meses”, complementou.

 

Em janeiro do ano passado, quando não se tinha ainda a notícia de que havia grande número de contágios provocado pelo novo coronavírus no Brasil, a confiança estava em 100 pontos. Logo em seguida, este índice mais otimista foi caindo até maio e junho de 2020, meses que já registravam 77 pontos. Depois, começou a subir um pouco mais até outubro, época em que chegou a 87 pontos, até começar a cair lentamente. “Naquele instante havia menos medidas restritivas à economia e a sensação de que o contágio da doença estava um pouco mais controlado no país; à medida que as restrições chegavam, a confiança diminuía, mas nada que causasse um grande pessimismo no consumidor”, analisou.

 

O INC mede a confiança e a segurança do brasileiro em relação à sua situação financeira ao longo do tempo e indica a percepção do estado da economia para a população em geral. Além disso, também visa a prever o comportamento do consumidor no mercado. Os dados foram coletados em todas as classes sociais.

De acordo com a pesquisa, 54% dos consumidores entrevistados enxergam que sua situação financeira está ruim ou péssima, 6% a mais que em fevereiro. Do número total, apenas 25% dos brasileiros se veem bem financeiramente, 4% a menos que no mês passado. Do total, 61% acham que o Brasil está caminhando para a direção errada.

 

Do universo de entrevistados, 65% perdeu o emprego ou conhece alguém que ficou desempregado nos últimos seis meses e 49% acha que tem grandes chances de isso acontecer daqui para frente, por causa da economia. Opiniões mais globais feitas em cima deste assunto são ainda mais alarmantes. É que 72% acreditam que o desemprego vai aumentar no Brasil a partir de agora. Este número subiu 11% em relação a fevereiro.


Veja também

Juros dos empréstimos recuam em fevereiro, diz Banco Central

Taxa média caiu 6 pontos percentuais em 12 meses e chegou a 28,1% A taxa média de juros cobrados de f...

Veja mais
Carrefour entra no segmento de lojas autônomas

Com a bandeira Express, as novas unidades apostam em pagamento via Scan & Go   Alinhado às sua...

Veja mais
Avança a transformação digital no varejo brasileiro

Solução em meios de pagamento e de análise de dados são as principais apostas das varejistas...

Veja mais
JBS tem melhor resultado trimestral da história

No ano passado, companhia obteve crescimento em todos os principais indicadores de desempenho  A JBS ...

Veja mais
Assaí faz migração integral para o mercado livre de energia

 A medida, que potencializa as iniciativas em eficiência energética, tem previsão de ser conclu...

Veja mais
O novo e grandioso plano ambiental da JBS

 Companhia anuncia compromisso de zerar o balanço de emissões de gases causadores do efeito estufa&nb...

Veja mais
Sadia lança pratos premium e mira mercado de R$ 16 bilhões

Novidades são preparadas com método que mantém os nutrientes sem a necessidade de conservantes arti...

Veja mais
RB passa a se chamar Reckitt

Nova identidade corporativa será implementada ao longo dos próximos três anos O Grupo RB, que d...

Veja mais
Carrefour compra Grupo Big Brasil por R$ 7,5 bilhões

 Negócio também prevê que o Carrefour passará a administrar a bandeira Sam's Club &...

Veja mais