Preço da maçã, banana e melancia sobe forte em dezembro, aponta Conab

Leia em 2min 30s

Os preços da maçã, banana e melancia subiram fortemente na maioria dos mercados em dezembro, mostra o primeiro Boletim Prohort de 2021, divulgado hoje (27) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O boletim destaca que os preços no último mês do ano, "como de costume", refletem o impacto do verão e das festas de fim de ano sobre o comportamento do consumidor.

 

No caso da melancia, o preço do quilo chegou a subir 50% em Goiânia; 49% em Brasília; 31,9% em Recife, e 30,3% em Belo Horizonte. A alta ficou na casa de dois dígitos ainda em Curitiba (23,4%), Vitória (21,9%) e São Paulo (19,8%). A única queda foi registrada no Rio de Janeiro (3,49%). A causa para a alta foi a retração da oferta diante de uma explosão da demanda, segundo a Conab.

 

Em relação à banana, uma das principais frutas consumidas pelo brasileiro, foi registrada alta em todos os nove mercados pesquisados. O preço subiu mais forte em Belo Horizonte (37,9%), Rio de Janeiro (25%), Curitiba (23,5%), São Paulo (19,4%) e Brasília (17%). De acordo com a Conab, a demanda permaneceu normal para a época do ano, mas a produção, em especial da banana prata, segue caindo. Houve também aumento das exportações, sobretudo para a Argentina.

 

A alta da maçã, por sua vez, chegou a 30,3% em Brasília; 18,2% em Goiânia; 16,1% em Belo Horizonte, e 15,4% em Vitória. O preço também subiu em todos os demais mercados, com destaque para Curitiba (10%), Recife (9,4%) e Fortaleza (7,2%). Segundo a Conab, apesar de uma demanda reduzida no fim de ano, "observa-se a continuidade do movimento de redução da oferta".

 

As exportações de frutas, no geral, subiram no mês passado, informou a Conab. O volume exportado chegou em dezembro com mais de 1 milhão de toneladas, cerca de 6% acima do ano anterior.

 

Tomate, batata e cenoura


Segundo o Boletim Prohort, o preço do tomate caiu na maioria dos mercados em dezembro, enquanto o preço da batata e da cenoura subiu.

 

No caso do tomate, apesar da alta da demanda, o preço caiu diante da maior oferta do produto. Em Goiânia, o preço chegou a cair 20,7%. Em Fortaleza, a queda foi de 18,3%. A redução chegou ainda a 15,7% em Belo Horizonte e 13,68% no Rio de Janeiro. Foi registrada alta em Recife (2,5%) e São Paulo (1,7%).

 

No caso da batata, o preço chegou a subir 14,22% em Belo Horizonte, 13,29% no Rio de Janeiro e 13,03% em Goiânia. Houve alta também em Brasília (9%), Vitória (7,8%) e Curitiba (7,3%). As únicas quedas foram registradas em Fortaleza (11,5%) e Recife (4,1%).

 

Em relação à cenoura, a alta chegou a 12,8% em São Paulo, 7,9% no Rio de Janeiro, 6,3% em Curitiba e 4,1% em Vitória. Por outro lado, o preço caiu em Goiânia (12,9%), Fortaleza (8,7%) e Recife (3,5%).

O Boletim Prohort acompanha mês a mês os preços de hortaliças e frutas nos centros de distribuição de nove capitais: São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Vitória, Curitiba, Goiânia, Brasília, Recife e Fortaleza.


Fonte: Agência Brasil 

 


Veja também

Mercado de beleza cresce no Brasil durante a pandemia

De acordo com o provedor de pesquisa de mercado Euromonitor International, o Brasil é o quarto maior mercado de b...

Veja mais
76% dos brasileiros começaram a consumir em comércios locais durante a quarentena

Uma pesquisa realizada pela Mastercard, no fim de 2020 para compreender melhor os hábitos de compras dos consumid...

Veja mais
Nova lei de rotulagem aprovada pela Anvisa impactará o mercado de alimentos e bebidas

 As marcas brasileiras precisam se preparar para a implantação da nova norma de rotulagem nutricional...

Veja mais
Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de 2020 alcançou R$ 871,3 bilhões, torna...

Veja mais
Nestlé lança mercado online em parceria com a Packk

Com o foco em ajudar os pequenos comerciantes de todo o país a montarem um e-commerce sem custo de entrada e mens...

Veja mais
IBGE: safra de 2021 deve superar recorde de 2020

A safra nacional de grãos deve atingir mais um recorde, o terceiro consecutivo, neste ano, com 260,5 milhõ...

Veja mais
Cresce a venda de produtos de oral care no Brasil

Diante de um consumo indulgente no 2º trimestre de 2020 devido à pandemia e também da queda na ida ao...

Veja mais
Mercado de ovos continua em trajetória de baixa no decorrer da semana

As disponibilidades de mercadoria acima das necessidades do mercado na base de produção continuam impondo ...

Veja mais
Mais de 90% dos brasileiros compraram chocolate em 2020

Entre janeiro e setembro de 2020, a taxa de penetração da categoria de chocolates nos lares brasileiros fo...

Veja mais