Proteína embalada à vácuo vende mais e evita o desperdício

Leia em 3min 20s

Rede paulistana investe aposta neste sistema para abastecer seus 86 estabelecimentos

 

A rede Hirota Food Supermercados tem investido em embalagens que vão do frigorífico à prateleira para reduzir perdas e favorecer a sustentabilidade da operação. A solução encontrada pela empresa, que tem 86 lojas na cidade de São Paulo, sendo metade instaladas em condomínios, são as embalagens Cryovac case-ready, que lançam mão de sistemas a vácuo.

 

Essas embalagens aumentam o tempo de vida útil da carne embalada para até 90 dias, sem comprometer a qualidade do produto. Isso porque os sistemas a vácuo limitam o crescimento de agentes microbiológicos e permitem a maturação natural da carne.

 

“Hoje em dia, com a expansão das lojas menores, principalmente aquelas que estão dentro dos condomínios, as embalagens case ready são fundamentais para possibilitar a oferta de proteínas de qualidade. Sem elas não seria possível comercializar carnes nestas lojas, o desperdício seria altíssimo. São lojas que contam com número reduzido de profissionais para reabastecimento. Por esta razão, buscamos produtos que otimizam mão de obra e espaço, e ainda reduzem os índices de perdas, fator que faz parte da nossa estratégia em busca de operações mais sustentáveis”, explica o diretor de Operações da rede Hirota Food, Hélio Freddi.

 

O executivo destaca, também, que o varejo de conveniência tem encontrado um novo perfil de consumidores cada vez mais exigentes. “Percebemos que as novas gerações estão muito bem preparadas para o consumo. A decisão de compra vai além da análise do preço; eles estão atentos à aparência, querem saber procedência, como o produto foi preparado e seu impacto no meio ambiente. Por esta razão, entendemos a necessidade de embalagens eficientes, que tragam transparência e garantam atratividade para atender este novo perfil de consumo e gerar uma ótima experiência, principalmente quando se trata de produtos mais nobres, que exigem uma apresentação diferenciada”, explica.

 

Outra categoria que também depende de embalagens seguras e convenientes é o e-commerce. Na rede Hirota, cerca de 15% das vendas hoje são referentes ao varejo eletrônico e há expectativa de crescimento. “Para avançar nesta operação, estruturas favoráveis de proteção para produtos frescos, como carnes, são extremamente necessárias”, afirma o diretor da Hirota Food.

 

Desperdício de alimentos

Cerca de 95% dos executivos e gerentes de supermercados afirmam que o desperdício de alimentos é fator de grande atenção em suas operações, segundo pesquisa da Planet Retail em parceria com a Sealed Air.

 

Um grande fator que leva a essas perdas nos supermercados ainda é a questão operacional. Uma pesquisa recente da Associação Brasileira de Prevenção de Perdas (ABRAPPE) mostrou que as principais razões das quebras estão relacionadas a danificações feitas pelos próprios clientes (23%), ao vencimento dos produtos (22%), a deterioração e perecibilidade (7%), a embalagens violadas (5%), dentre outros itens. Na categoria de produtos perecíveis, o vencimento é responsável por 41% do desperdício.

 

Leonardo Hirschmann, Coordenador de Soluções para o Varejo da Sealed Air para América Latina, empresa dona da marca Cryovac, explica que produto já vem porcionado e padronizado, com validade estendida, garantia de origem e otimiza a operação do varejo. “A carne que já chega embalada e pronta para a exposição não necessita de manipulação adicional nas lojas, o que reforça ainda mais a nossa preocupação pela segurança alimentar, redução de perdas e otimização de custos com mão de obra e material de embalagem, isopor e filme, aumentando a competitividade, principalmente no caso das lojas menores, como as de conveniência”, afirma.

 

O executivo da Sealed Air explica que os benefícios das embalagens “case ready” favorecem a operação de delivery para supermercados, principalmente se estiver em conjunto com soluções eficientes de embalagens secundárias. “O e-commerce de alimentos depende totalmente de correta proteção para garantir uma boa experiência ao consumidor – tanto das embalagens primárias, que auxiliam na redução de desperdício de alimentos, quanto nos sistemas de proteção secundários para controlar temperatura e proteger os itens contra avarias durante o trajeto”, finaliza.

 

Fonte: Mercado & Consumo


Veja também

Furto de carne cresce nos supermercados

Solução de monitoramento de prevenção e proteção eletrônica detecta alta...

Veja mais
Após lucro recorde, JBS mira em novas proteínas

Empresa quer acelerar aquisições iniciada com o acordo para adquirir a companhia australiana produtora de ...

Veja mais
JBS coloca no cardápio salmão australiano

Compra da maior produtora do pescado por U$ 315 milhões diversifica mercado da companhia tradicional em carne pro...

Veja mais
BRF prioriza o bem-estar animal na cadeia produtiva

Companhia firmou compromissos globais para adotar ações robustas em melhores práticas de maneira in...

Veja mais
Expansão da Korin vai ocorrer antes do planejado

Produtos sem agrotóxicos invadiram a mesa de uma camada de famílias brasileiras que pagam mais caro por es...

Veja mais
Nestlé pode firmar parceria com startup para investir em carne cultivada em laboratório

A Nestlé, uma das gigantes do setor alimentício, estaria negociando uma parceria até então i...

Veja mais
Está confirmada a 18ª Semana do Pescado em setembro

Considerada a “segunda quaresma” pelo varejo, ação apoiada pela ABRAS busca ampliar o consumo ...

Veja mais
Confirmada para setembro a 18ª Semana do Pescado

Estimular o consumo de produtos da pesca, atividade que envolve milhares de pessoas em todo o Brasil, é o foco pr...

Veja mais
Nestlé se prepara para entrar no mercado de carne cultivada em laboratório

A gigante suíça trabalha com produtos alternativos de carne cultivada combinados com ingredientes vegetais...

Veja mais