Furto de carne cresce nos supermercados

Leia em 2min 40s

Solução de monitoramento de prevenção e proteção eletrônica detecta alta significativa de perdas da proteína no primeiro semestre

 

No momento em que o consumo de carne no Brasil cai ao menor nível em 25 anos, devido a alta anual de 35% no preço e a crise gerada pela pandemia, disparam os furtos na seção de açougue dos supermercados.

 

Por reunir produtos de alto risco, o açougue tornou-se também muito visado por pessoas mal-intencionadas, fazendo a área ser responsável por 2,62% das perdas no faturamento em 2020, como revela a 21ª Avaliação de Perdas da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS). As carnes mais visadas são sempre as mais nobres, como picanha, contrafilé e filé mignon.

 

No geral, o segmento supermercadista registrou 1,79% de perdas sobre o faturamento bruto em 2020, ou, R$ 7,6 bilhões, segundo a Abras. Se levarmos em conta apenas o índice de perdas no setor de açougue, o rombo no faturamento das lojas chega a R$ 200 milhões (2,62%). De acordo com a Abras, o índice de perdas no setor de açougue das lojas, em 2019, antes da pandemia, era de 2,51%.

 

Um levantamento feito pela Gunnebo (www.gunnebo.com.br), empresa de proteção eletrônica para o varejo, por meio do Gatecash, seu sistema de monitoramento para a frente de caixa, aponta aumento de aproximadamente 1000% em valor nominal de perdas em carnes de janeiro a junho últimos se comparado ao semestre anterior (julho a dezembro de 2020). “Hoje, a cada 200 vídeos analisados diariamente pelo Gatecash, identificamos dez eventos (5%) do setor de açougue sobre o total registrado, oriundos de erros operacionais, indícios de furtos e desvios dos funcionários”, informa Vanessa Urbieta, gerente de Produtos da Gunnebo.

 

“As carnes sempre foram apontadas como produtos de alto risco (PAR) devido ao mercado paralelo muito ativo e as particularidades do setor, como a qualidade dos produtos e a sua manipulação. Com o agravamento da crise causada pela pandemia, elas se tornam um alvo predileto para desvios e furtos”, afirma Vanessa Urbieta.

 

O levantamento da Gunnebo foi executado a partir de mais de uma centena de PDVs monitorados em supermercados tradicionais de médio porte principalmente das regiões Sul e Sudeste do país. O açougue é considerado uma seção vital no varejo de alimentos, responsável por 20% das vendas de uma loja.

 

De acordo com Vanessa, para o varejo supermercadista reduzir as perdas no açougue é necessária a adoção de um sistema/solução de tecnologia para identificar as fraudes e desvios e a proteger os produtos no setor com etiquetas antifurtos em um ambiente seguro com antenas nas portas e câmeras de CFTV estrategicamente colocadas nas áreas dos balcões refrigerados.

 

“Além disso, acordos comerciais com os fornecedores para a etiquetagem na origem e a introdução de processos, como contagens diárias de produtos, devem ser implantadas. Por fim, é essencial também haver uma política de punição caso o desvio seja de um colaborador da empresa”, diz Vanessa.

 

A gerente da Gunnebo lembra ao varejista de que “o que não se mede, não se controla”. “Sendo assim, é preciso muita atenção com o setor de açougue, pois ele é um dos setores mais importantes na operação de um supermercado. E bem administrado, o açougue, com um bom percentual de lucratividade, é um dos principais setores para a ampliação dos resultados da loja”, diz Vanessa.

 

Redação SuperHiper


Veja também

Após lucro recorde, JBS mira em novas proteínas

Empresa quer acelerar aquisições iniciada com o acordo para adquirir a companhia australiana produtora de ...

Veja mais
JBS coloca no cardápio salmão australiano

Compra da maior produtora do pescado por U$ 315 milhões diversifica mercado da companhia tradicional em carne pro...

Veja mais
BRF prioriza o bem-estar animal na cadeia produtiva

Companhia firmou compromissos globais para adotar ações robustas em melhores práticas de maneira in...

Veja mais
Expansão da Korin vai ocorrer antes do planejado

Produtos sem agrotóxicos invadiram a mesa de uma camada de famílias brasileiras que pagam mais caro por es...

Veja mais
Nestlé pode firmar parceria com startup para investir em carne cultivada em laboratório

A Nestlé, uma das gigantes do setor alimentício, estaria negociando uma parceria até então i...

Veja mais
Está confirmada a 18ª Semana do Pescado em setembro

Considerada a “segunda quaresma” pelo varejo, ação apoiada pela ABRAS busca ampliar o consumo ...

Veja mais
Confirmada para setembro a 18ª Semana do Pescado

Estimular o consumo de produtos da pesca, atividade que envolve milhares de pessoas em todo o Brasil, é o foco pr...

Veja mais
Nestlé se prepara para entrar no mercado de carne cultivada em laboratório

A gigante suíça trabalha com produtos alternativos de carne cultivada combinados com ingredientes vegetais...

Veja mais
BRF adquire tecnologia para produzir carne cultivada

Companhia investe na startup Aleph Farms para atender aos novos hábitos dos consumidores. A carne cultivada&...

Veja mais