Brasileiro vive a febre das bebidas funcionais

Leia em 3min 30s

Procura disparou na pandemia e indústria moderniza os lançamentos que reforçam o sistema imunológico

 

Nos quase dois anos convivendo com a covid-19, o brasileiro mudou sua forma de trabalhar, e o home office ganhou muitos adeptos. Também mudou sua forma de comprar e cada vez mais itens da lista passaram a ser comprados pela internet, até mesmo mercado. Mas os impactos se estenderam, também, à mesa.

 

Mais da metade (58%) dos brasileiros aumentou o consumo de produtos que reforçam o sistema imunológico, outros 39% desejam fazer isso. Além disso, quase 60% manterão o volume de compra de produtos funcionais. Os dados são da nova edição da pesquisa anual de tendências feita empresa de embalagens para alimentos e bebidas Tetra Pak, em que 2300 brasileiros foram ouvidos.

 

“Essa tendência por produtos mais funcionais vinha acontecendo, mas foi intensificada pelo cenário da covid, principalmente a busca por alimentos de imunidade”, diz Vivian Leite, diretora de marketing da Tetra Pak.

 

Segundo Vivian, quando se trata de bebidas funcionais, o grande destaque é o suco, com 50% das respostas. Em seguida, aparecem os produtos lácteos fermentados com 37% das preferências e as bebidas lácteas com alto valor de proteína, vitaminas e/ou cálcio, com 31%.

 

Para os respondentes da pesquisa, o produto ideal para aumentar a imunidade deve ser: enriquecido com vitaminas, frutas cítricas, mel, zinco, fibras; livre de ingredientes artificiais; e causar sensação de energia.

“O consumidor já tem uma noção boa do que pode trazer mais imunidade”, diz Vivian.

 

Ela destaca, no entanto, que o maior desafio é conseguir transmitir essas informações no rótulo do produto, cuja clareza foi um dos pontos citados como essenciais em um produto ideal.

A Tetra Pak não divulga resultados no Brasil. Em 2020, a operação global faturou 10,8 bilhões de euros. Os números de 2021 ainda não foram publicados pela companhia.

 

De acordo com Vivian, em 2021 a operação brasileira (segunda maior do grupo, atrás apenas da China) registrou recuperação de algumas categorias, vendendo mais embalagens para sucos e água de coco, que foram produtos muito afetados durante 2020. Leites, que tinham crescido fortemente durante o primeiro ano da pandemia, agora têm leve retração.

 

“Começamos a ver alguma queda, muito ligada à questão de preços, que subiram.”

Dados internos e de consultorias apontam, porém, que os destaques são mesmo as bebidas das categorias não tradicionais. A projeção, de acordo com a executiva, é de que as vendas de bebidas vegetais e bebidas protéicas tenham crescido 9,8% e 15,7%, respectivamente, em 2021.

 

Também de olho nessa demanda, a marca de cafés em cápsula Nescafé Dolce Gusto, da Nestlé, está ampliando seu portfólio de bebidas funcionais, naturais e veganas. Hoje, ao menos 25% do catálogo (que tem 36 itens) têm essas características.

 

“Dos nossos projetos de inovação, 50% estão nessa linha. São grandes volumes? Não, mas crescem muito mais. Hoje é muito mais interessante trazer um chá funcional ou café com dupla cafeína”, diz Tiago Buischi, gerente executivo de marketing de Nescafé Dolce Gusto.

 

A empresa incluiu recentemente  no catálogo as cápsulas Double Shot, com duas vezes mais cafeína, e chás funcionais da Nature Heart´s, como o ‘Zen Style’, que combina chá de camomila, maracujá e chá branco ou o ‘Power Tea’, de chá verde, abacaxi e gengibre.

 

De acordo com Buischi, chás funcionais eram a segunda opção mais pedida pelos clientes em pesquisas da empresa. Bebidas energéticas também estavam entre as cinco mais votadas. “Ainda representa pouco das vendas, mas crescem três vezes mais do que os cafés comuns do portfólio.”

 

A marca já tem dois novos sabores na linha de funcionais e naturais a serem lançadas no primeiro semestre de 2022 e estuda, para o futuro, opções de bebidas protéicas em cápsula para serem feitas nas máquinas da Dolce Gusto.

 

A Nestlé também não divulga dados específicos da operação nacional, tampouco exclusivos da Dolce Gusto, mas em seu relatório de resultados de janeiro a setembro aponta que as vendas da marca registraram crescimento de dois dígitos na América Latina. No período, o bloco de países das Américas teve 24,6 bilhões de francos suíços.

 

Fonte: Valor


Veja também

Scala se moderniza e amplia produção própria de leite

Plano de expansão sustentável da empresa envolve ainda área de treinamento do manejo bovino para pr...

Veja mais
Camil faz nova aquisição para ganhar força no mercado de cafés

Negócio saiu por R$ 62 milhões. A empresa ainda vai investir R$ 15 milhões para ampliar o parque pr...

Veja mais
Retomada dos eventos faz venda de vinhos disparar

Consumo da bebida supera inclusive dos espumantes que vinha em curva ascendente Apesar da proximidade das festas de...

Veja mais
Coca-Cola compra concorrente da Gatorade por US$ 5,6 bilhões

Conheça o negócio entre a Coca e a rival que é a segunda marca de bebidas esportivas mais consumida...

Veja mais
Ambev incrementa produção e vendas sobem no trimestre

Empresa relaciona três pilares para o volume recorde e o giro no chão de loja Estamos ganhando muito m...

Veja mais
Heineken foca em cervejas premium e portfólio econômico retrai

Movimentação é reflexo da estratégia da companhia para turbinar o consumo das marcas de maio...

Veja mais
Volume de cervejas da Ambev tem salto, e lucro cresce 57% no 3º trimestre

A cervejaria Ambev registrou lucro líquido de R$ 3,71 bilhões no terceiro trimestre de 2021, em alta de 57...

Veja mais
Consumidor elege novos sabores exóticos para o Guaraná Antarctica

Ação da companhia com um edição limitada está atrelada ao centenário da marca ...

Veja mais
Coca-Cola anuncia ao mercado seu novo posicionamento

Na pandemia, a marca se reformulou e agora, quer unir e inspirar pessoas com a plataforma global  “A magia ac...

Veja mais