Volume de cervejas da Ambev tem salto, e lucro cresce 57% no 3º trimestre

Leia em 1min 50s

A cervejaria Ambev registrou lucro líquido de R$ 3,71 bilhões no terceiro trimestre de 2021, em alta de 57,4% sobre o lucro líquido de R$ 2,35 bilhões apurado no terceiro trimestre de 2020, segundo dados divulgados pela empresa nesta quinta-feira (28).

 

A receita líquida da companhia ficou em R$ 18,4 bilhões no terceiro trimestre de 2021, um avanço de 18,5% em relação aos R$ 15,6 bilhões no mesmo período de 2020.

 

O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado do terceiro trimestre, que representa a capacidade de geração de caixa da empresa, ficou em R$ 5,46 bilhões, alta de 7,8% em comparação com o Ebitda de R$ 5,07 bilhões do mesmo período do ano anterior.

 

O volume de bebidas produzido no terceiro trimestre foi o mais alto já registrado pela companhia para um terceiro trimestre, de 45,6 milhões de hectolitros, em alta de 7,7% sobre os 42,3 milhões de hectolitros do mesmo período de 2020.

“Isso reflete o sucesso da nossa estratégia, da atratividade do nosso portfólio de marcas e dos nossos investimentos no crescimento de longo prazo do nosso negócio”, diz a empresa.

 

No Brasil, esse volume cresceu 7,5% na base anual e 34,8% ante mesmo período de 2019. A expectativa de analistas do BTG Pactual, por exemplo, era de recuo de 2% no volume consolidado e 5,7% no Brasil. A equipe do Credit Suisse estimava um recuo de 1% na base anual de volume de cerveja no Brasil e 24% maior do que em 2019.

 

O bom desempenho no Brasil ajudou a compensar a retração no mercado americano, onde a empresa enfrentou problemas na cadeia de suprimentos, além da tendência de troca de cerveja por destilados pelos consumidores.

 

A empresa atribuiu os avanços aos lançamentos, que representaram mais de 20% da receita. “As nossas marcas premium seguiram um contínuo momentum e cresceram high-teens [algo entre 16% e 19%]”, disse citando a Spaten, cerveja alemã lançada para integrar a categoria intermediária, ou core pluse, como a Brahma Duplo Malte.

 

“As marcas tradicionais mostraram mais uma vez sua resiliência, uma vez que as famílias Skol, Brahma e Antarctica tiveram crescimento acima do terceiro trimestre de 2020 e do terceiro trimestre de 2019.”

 

Fonte: G1


Veja também

Consumidor elege novos sabores exóticos para o Guaraná Antarctica

Ação da companhia com um edição limitada está atrelada ao centenário da marca ...

Veja mais
Coca-Cola anuncia ao mercado seu novo posicionamento

Na pandemia, a marca se reformulou e agora, quer unir e inspirar pessoas com a plataforma global  “A magia ac...

Veja mais
Mercado de cervejas premium deve girar R$ 80 bi até 2025

Dados da Euromonitor mostram que o faturamento desse produto com alto valor agregado, praticamente dobrou no Brasil nos ...

Veja mais
Coopetição une empresas que formam a Associação Brasileira de Bebidas Destiladas

Combate ao comércio ilegal é uma das principais bandeiras do segmento formado por multinacionais Cinc...

Veja mais
Indústria melhora qualidade do café solúvel e vendas crescem

Novos investimentos nas fábricas se traduzem em números estimulantes no consumo interno O consumo de ...

Veja mais
Como o marketing ajudou a Skol a se tornar tão relevante no Brasil?

Diretora de marketing da Ambev detalha as iniciativas para criar tendências na sociedade com a influência da...

Veja mais
Vinhos leves são tendência de mercado

Consumo da bebida disparou no Brasil, principalmente nestes dois anos de pandemia A maior oferta de vinhos mais rob...

Veja mais
Ambev muda perfil e foca na diversidade de bebidas

Profissionais de inovação trabalham a fim de atender todos os clientes, dos mais jovens aos idosos que apr...

Veja mais
Aposte nas bolhas para acelerar seus negócios

União Brasileira de Vitivinicultura contabiliza movimento substancial da bebida que combina tanto com o nosso cli...

Veja mais