Famílias da Região Centro-Oeste passam melhor pela pandemia

Leia em 3min

Kantar aponta que o agronegócio favorece a menos dívidas e recursos extras quando cruzados dados de receita e despesa, mas sete a cada dez brasileiros estão endividados no restante do país

 

A região Centro-Oeste é a única do Brasil a apresentar uma relação positiva entre a renda e os gastos dos domicílios, o que significa que as pessoas podem guardar dinheiro ou gastar com extras, mostra Estudo da Kantar. O Domestic View analisou sete áreas no que se refere a despesas que impactaram o bolso durante a pandemia em 2020, incluindo alimentação, moradia, serviços públicos, higiene pessoal e limpeza.

 

Nos três estados – Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul – e no Distrito Federal, a renda média mensal foi R$ 2.150, enquanto os gastos ficaram em R$ 1.885. Isso provavelmente se deve à produção agrícola, que quase dobrou em 10 anos e que no ano passado apresentou recordes nas colheitas de soja e milho e o mais numeroso rebanho bovino nacional.

 

Fomentados pela cadeia do agronegócio, os lares locais são na maioria de classe média, independentes e mais equipados, em comparação aos demais do país. 54% deles não receberam auxílio governamental – a taxa mais alta entre todas as áreas analisadas pela Kantar -, e nos 46% que o receberam 74% dos gastos foram com alimentação, habitação e serviços públicos. O consumo de carnes, aves, ovos e peixes representou 32%, seguido pelo de frutas, legumes e verduras, com 16%, salgadinhos e doces (8%) e pratos congelados prontos (5%).

 

Considerando o Brasil todo, o estudo indica que 67% dos lares brasileiros estão endividados, e esse número sobe para 69% se considerarmos somente as classes C e DE.

 

O consumo de alimentos e bebidas dentro do lar, higiene e limpeza caseira representaram quase 60% dos gastos nas classes DE em 2020, enquanto despesas em lazer, habitação e bebidas dentro de casa ficaram concentradas nas classes AB.

 

As classes DE foram mais impactadas com gastos com habitação, passando de 18% em 2019 para 22% em 2020, e no setor de alimentação aumentaram o consumo de frutas, legumes e verduras, igualando esses gastos aos das classes AB.

 

Ainda no setor de habitação, o estudo aponta um importante movimento da classe DE migrando do aluguel para o financiamento, passando de 5% dos gastos em 2019 para 12% em 2020, reflexo de juros baixos e taxas atrativas para aquisição de moradia própria ou para investimento, que levaram a um aumento do mercado de financiamento imobiliário em 2020. Enquanto isso, as classes AB diminuíram gastos com trabalhadores domésticos (-3 p.p. em relação a 2019) e com manutenção/reforma (-8 p.p.).

 

O aluguel de imóveis representou ¼ dos gastos de quase 17% das famílias no ano passado, principalmente das classes CDE. Os lares das classes AB e DE que pagam aluguel diminuíram gastos com alimentação e priorizaram outras cestas de consumo, como bebida alcoólica e artigos de limpeza nas classes AB, e higiene pessoal e FLV (frutas, legumes e verduras) nas classes DE. A classe C foi a única que manteve os gastos com alimentação, mesmo pagando aluguel, com destaque para doces, salgadinhos e pratos prontos congelados.

 

Entre os gastos com serviços públicos, energia elétrica foi o que mais pesou no bolso do brasileiro durante 2020. As classes mais baixas foram as mais afetadas, chegando a uma variação de 30% em relação a 2019.

O estudo Kantar Domestic View entrevistou de maneira online 5.779 lares no final de 2020. A amostra representa 57 milhões de lares brasileiros.


Redação SuperHiper


Veja também

Aja rápido e recupere a venda do carrinho abandonado

Índice de abandono do carrinho no Brasil de 85% é maior que a média internacional de ecommerce que ...

Veja mais
Cresce a procura por programas de fidelidade

O volume de novos cadastros subiu onze por cento no primeiro trimestre deste ano em comparação ao mesmo pe...

Veja mais
Clientes trocaram mais pontos de fidelidade durante lockdown

Neste primeiro trimestre, houve aumento de dez pontos percentuais no resgate de artigos de varejo em comparaç&ati...

Veja mais
Indústria vê demanda aquecida, mas com um pé atrás

A resistente pressão sobre os custos de produção e o ambiente econômico desfavorável a...

Veja mais
Demanda por detergente para lavar louça cresce 12% em 2020

Por conta da pandemia, o consumo de detergente para pia e máquina de lavar louça subiu em toda a Amé...

Veja mais
Ipea aumenta previsão de alta do PIB do setor agropecuário

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revisou de 2,2% para 2,6% a previsão de crescimento do Pr...

Veja mais
Busca por alimentos saudáveis cresce na pandemia

Estudo da Nielsen detecta que artigos saudáveis alavancaram a venda da cesta de alimentos em 2020 A pandemia...

Veja mais
Poder de compra do avicultor cresce, mas ainda é menor que em 2020

O poder de compra do avicultor de postura frente aos principais insumos de alimentação (milho e farelo de ...

Veja mais
Veran implementa primeiro delivery zero carbono da América Latina

 O projeto entra em atividade no momento em que a rede registrou crescimento de 300% da operação do d...

Veja mais