Vendas por e-commerce mais que dobram na pandemia

Leia em 3min 50s

Levantamento da FGV aponta a participação dos supermercados nas vendas on-line

 

As vendas feitas pela internet da maioria do varejo brasileiro já representam, em média, um quinto do total das transações do setor após quase um ano e meio de pandemia. É o que indica estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV) sobre o tema, divulgado para o Valor.

 

O levantamento, que abrange 745 empresas do setor pesquisadas até junho desse ano foi feito a partir de recorte especial da Sondagem do Comércio da FGV.

Na pesquisa, o percentual médio de vendas on-line, no total das transações de empresas do varejo ampliado ficou, em média, em 21,2% em junho de 2021 – sendo que esse percentual era de 9,2% antes da pandemia, de acordo com pesquisas anteriores da fundação sobre o mesmo tema.

 

As vendas pela internet contempladas no estudo incluem tanto canais on-line quanto o fechamento de negócios via WhatsApp e mostram que a crise causada pela covid-19 acelerou a entrada de varejistas no comércio digital no país, segundo Rodolpho Tobler, economista da fundação responsável pela pesquisa.

 

Ele não descartou possibilidade de essa fatia, de cerca de um quinto de vendas do varejo agora realizadas em modo virtual, permaneça nessa magnitude, mesmo em cenário pós-pandemia.

Para calcular a média, o estudo da FGV usa conceito de varejo ampliado, que inclui veículos motos e peças; material para construção; hiper e supermercados; tecidos vestuário e calçados; móveis e eletrodomésticos e o utros varejistas (como farmácias e livrarias).

 

Ao detalhar levantamento, Tobler comentou que, antes da pandemia, o varejo no país já mostrava tendência crescente de direcionar vendas para canais on-line. Porém esse processo era feito de forma mais lenta, ponderou o economista.

Um aspecto citado por ele e demonstrado no estudo é a diversidade nos resultados de fatias de vendas realizadas via internet, a depender do segmento.

 

O especialista comentou que a média, encontrada na ótica do levantamento, é resultado de combinação de parcelas altas e baixas, e também englobam características de demanda dos respectivos segmentos, em meio à pandemia.

Como exemplo, citou material de construção. No estudo, a parcela média de vendas on-line para esse segmento, até junho de 2021, ficou em 26,6%, ou seja, acima da média para varejo ampliado, delimitada na pesquisa.

 

Tobler lembrou alta de demanda por materiais de construção na pandemia. Com aumento de restrições de circulação social – estratégia para inibir contaminação pela doença -, muitas pe ssoas ficaram mais em casa e realizaram obras.

Ao mesmo tempo, esse segmento, além de grandes redes conta também com lojas de pequeno porte, que vendem por intermédio do WhatsApp.

 

Em contrapartida, citou hipermercados e supermercados, cuja parcela ficou abaixo da média, em torno de 15,9% na pesquisa. “É importante lembrar que os supermercados nun ca fecharam durante a pandemia”, comentou.

O técnico disse ainda que, no caso desse segmento específico, mesmo com opção de entregas nas compras via internet hoje, a frequência de clientes nas lojas físicas não diminuiu tanto quando em shoppings, por exemplo.

 

O impacto das vendas on-line nos negócios do comércio, em meio à covid-19, foi tão forte que acabou por afetar humor do varejista, no periodo, acrescentou o especialista. No mesmo estudo, o pesquisador calculou o Índice de Confiança do Comercio (Icom) para empresas do varejo ampliado, com vendas on-line acima da média para o setor. Esse indicador s e posicionou 4,8 pontos acima do Icom observado entre empresas do varejo ampliado com vendas pela internet abaixo da média, entre janeiro de 2020 e junho de 2021. O Icom é o indicador-síntese de resultados da Sondagem do Comércio.

 

“Em agosto do ano passado, as empresas com vendas on-line acima da média chegaram a ter Icom de 15,9 pontos acima [da média do indicador de confiança para varejistas com transações on-line abaixo da média]”, declarou.

 

Entretanto comentou que, ao se observar agora, na margem, diminuiu diferença de pontuação entre essas duas séries, de Icom para empresas com vendas acima da média; e abaixo da média, pela internet. Em junho de 2021, a confiança de empresas com vend as on-line abaixo da média ficou em 119,8 pontos, ante 109,8 pontos entre comerciantes com transações pela internet acima da média.

 

Para Tobler, isso indica que o comércio varejista que não conseguiu se adaptar, para vender de forma virtual, prevê em breve retorno à “quase normalidade” dos negócios.

O pesquisador lembrou recente avanço da vacinaç ão no país, com recuos nos números de óbitos e de casos da doença, ante começo do ano. Com melhora de cenário sanitário, por consequência, o comércio com presença física pode ter maior reação até término de 2021, ponderou.

 

Fonte: Valor Econômico 


Veja também

Na América Latina, brasileiro é o que mais aderiu ao e-commerce

Na pandemia, os latinos são os mais conectados quando comparados ao resto do mundo, diz Kantar Que a pandemi...

Veja mais
Vendas pela internet crescem 13% no primeiro semestre

Faturamento do comércio eletrônico no Brasil subiu 24% no mesmo período, revela o índice MCC-...

Veja mais
Boom do e-commerce: um ano de crescimento e aprendizado

A pandemia obrigou os supermercadistas a se reinventarem e muito mais consumidores conheceram, na prática, o conc...

Veja mais
Investimentos em startups de supermercados batem recorde

Fundos levantaram mais de US$ 10 bilhões no primeiro semestre do ano, mais que todo o volume movimentado em 2020&...

Veja mais
Quatro benefícios de contar com um BI em seu e-commerce

Analisar o comportamento do seu consumidor, criar ações mais assertivas de marketing digital, melhorar a g...

Veja mais
Cashback 2.0 promete um giro contínuo de clientes nas lojas

Solução da GS Ciência do Consumo oferece um mecanismo mais simples de recompensa para o shopper, com...

Veja mais
Rappi e Visa lançam cartão de crédito com cashback bem atraente

Cartão é direcionado a usuários do Rappi Prime e disponibiliza benefícios premium do Visa In...

Veja mais
Varejista americana usa esqueleto robótico na logística

Nos Estados Unidos, a Rede Ahold Delhaize adota mais de 250 equipamentos que reduzem esforço físico dos ti...

Veja mais
Metade dos brasileiros usam celular durante a jornada de compra

Desde o início da pandemia, houve um incremento de 36% nas compras online através do smartphone, ferrament...

Veja mais