ESG direciona empreitada de gigante na produção de ovos

Leia em 2min

Ovos à base de plantas é a nova aposta do Grupo Mantiqueira

 

O Grupo Mantiqueira, de avicultura, é a prova de que a influência do ESG (sigla para critérios ambientais, sociais e de governança) está chacoalhando o agronegócio. Um dos líderes na produção de ovos na América do Sul, com produção anual acima de 2,7 bilhões de ovos, o grupo sentiu na pele a pressão crescente por práticas que levassem em conta o lado sustentável dessa indústria — da criação das galinhas ao impacto da operação. A briga veio de todos os lados: sócios, acionistas e consumidores.

 

Na esteira dos lançamentos de grandes indústrias no mercado bilionário da proteína vegetal, como JBS e BRF, o grupo criou a marca N.OVO, de ovos à base de plantas.

 

No conjunto de ações está também uma linha de ovos produzidos por galinhas livres de gaiolas. No ano passado, o grupo se comprometeu a interromper a construção de granjas convencionais, criando aves apenas nesse modelo. A meta é ter 2,5 milhões de aves criadas soltas já em 2025.

 

Um importante passo para isso acontece em Lorena, no interior paulista. Por ali, o grupo terá sua primeira granja 4.0, com um apanhado de tecnologias que incluem sistemas livres de gaiolas e recursos que permitem a neutralidade em carbono, que custará à empresa 120 milhões de reais. A busca é pelo mérito de ter “a granja mais moderna e sustentável do país”, com capacidade para 1 milhão de aves, criadas com tecnologias pioneiras, como ninhos verticais e automatizados. Além disso, a granja surge sob a premissa de ter 100% de energia renovável e abastecimento feito apenas por caminhões elétricos. “Esse será nosso laboratório inicial de inovação e que, com sorte, servirá de exemplo para que tenhamos uma atuação sustentável em todo o país e fora dele”, diz Leandro Pinto, fundador da empresa.

 

Em boa medida, toda essa movimentação em prol do ESG deve dar um fôlego a mais para uma produção que já soma 11,4 milhões de aves e 2,7 bilhões de ovos. Neste ano a produção deverá chegar a 3 bilhões de unidades. Já o faturamento da empresa deverá saltar de 1 bilhão para 1,4 bilhão de reais em 2021. “A partir de agora, todo crescimento da empresa será feito nesses moldes. Se não for assim, não vamos nem querer crescer”, diz Pinto.

 

Fonte: Exame


Veja também

Pelo bem do meio ambiente, supermercado adota nova solução de ecoponto

Bandeira da Companhia Sulamericana de Distribuição implementou coleta de esponja sintética Os ...

Veja mais
BRF e AES investem R$ 825 milhões em fonte limpa de energia

Joint-venture que une as duas empresas, reforça compromissos de sustentabilidade da BRF para os próximos 2...

Veja mais
PepsiCo anuncia rígido plano de gestão hídrica

Meta global ambiciosa visa fornecer água potável à cem milhões de pessoas até 2030 en...

Veja mais
Ambev recorre à startup para aumentar produção sustentável

Empresa argentina foi selecionada pela companhia para desenvolver projetos de embalagens que reduzem em 50% as emiss&oti...

Veja mais
Com medidas simples, Bimbo gera impacto ambiental expressivo

Como consequência de iniciativas de alto impacto para o meio ambiente, companhia obterá economia milion&aac...

Veja mais
A próxima fronteira do plant based é o mar

Categoria já aporta recursos de 70 milhões de dólares na Europa e nos Estados Unidos “Is...

Veja mais
Iogurteria Nestlé terá garrafas de iogurtes feitas de plástico reciclado pós-consumo

Até setembro, todos os pontos de vendas no País já terão as novas garrafas de iogurtes Nestl...

Veja mais
KPMG revela as metas globais de ESG em consumo e varejo

Estudo foi realizado com 500 CEOs e traz as prioridades das empresas nos campos da sustentabilidade Pesquisa da KPM...

Veja mais
Atacadão renova equipamentos e bate meta de eficiência energética

Carregadores inteligentes de baterias para empilhadeiras geram economia de 25% nos gastos com energia elétrica&nb...

Veja mais