Contratações temporárias registram aumento de 20,6% em 2021

Leia em 2min 40s

Apesar dos desafios e incertezas com relação à economia, gerados pela pandemia da Covid-19, o Trabalho Temporário – previsto nos termos da Lei Federal 6.019/74 e do Decreto nº 10.854/2021 — alcançou números expressivos com relação às contratações.

 

Segundo a Associação Brasileira do Trabalho Temporário (ASSERTTEM), a modalidade foi responsável por gerar 2.415.419 vagas temporárias no Brasil em 2021, um crescimento de 20,6% com relação ao ano anterior, quando foram geradas 2.002.920 vagas.

 

“O ano de 2021 foi muito bom para o Trabalho Temporário. Celebramos o Decreto nº 10.854/2021, o crescimento nas contratações temporárias por todos os setores da economia, a parceria com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e a valorização da modalidade pelas empresas que a utilizaram e conquistaram resultados satisfatórios”, afirma o presidente da associação, Marcos de Abreu.

 

A geração de mais de 2,4 milhões de vagas temporárias em 2021 é o maior patamar já registrado desde o início da série histórica, em 2014. O que reforça o importante papel que o Trabalho Temporário vem desempenhando no Brasil – e durante a pandemia – em ser solução para as empresas e no combate ao desemprego.

 

“Tanto que vimos a efetivação dos temporários subir de 15% em 2019 para 22% em 2021. Com isso, são mais de 531 mil profissionais que se recolocaram no mercado de trabalho neste ano por meio da modalidade”, frisa Abreu.

 

Regime jurídico atípico

 

O presidente da ASSERTTEM explica que o Trabalho Temporário é um regime jurídico atípico, permitindo uma contratação e demissão sem grandes entraves. “Por isso, as empresas que conhecem a modalidade se arriscam mais, porque as ações são rápidas, flexíveis e seguras juridicamente”, frisa. “Com a pandemia e a insegurança geral das empresas com relação às contratações, a modalidade ganhou destaque no Brasil e no mundo por sua eficiência”, reforça.

 

De acordo com ele, com a Covid-19, boa parte das empresas demitiu profissionais permanentes, o que resultou em um aumento das vagas temporárias para atender a demanda aquecida a partir do segundo semestre de 2020.

 

“O quadro de insegurança levou a uma situação em que o empresariado prefere preencher os postos com temporários, pois se precisar efetivá-los, esse processo é muito mais ágil do que a abertura de um processo seletivo que exigirá entrevistas, escolha e treinamento”, afirma.

 

Expectativas para 2022

 

As contratações por meio do Trabalho Temporário – que visa atender à necessidade de substituição transitória de pessoal permanente ou à demanda complementar de trabalho – devem seguir em alta em 2022, segundo a ASSERTTEM.

 

“Mas, continuamos com um olhar cauteloso com relação às contratações, principalmente no primeiro trimestre do ano, devido a fatores como as incertezas do mercado, o clima e a nova variante ômicron, um cenário em que as empresas estão receosas com o futuro e seguram a abertura de novas vagas”, ressalta Abreu.

 

Para ele, o setor da Indústria deve reduzir o alto ritmo de contratações que foi verificado nos anos de 2020 e 2021, mas ainda se apoiará no Trabalho Temporário para atender suas demandas. “Já o Comércio deve retomar as contratações, principalmente nas datas sazonais; e o setor de Serviços, que estava contido, vem aos poucos repondo suas vagas e utilizando a modalidade para isso”, conclui.

 

Fonte: Newtrade 


Veja também

IBGE: indústria tem queda em oito dos 15 locais pesquisados

Entre as 15 regiões que tiveram a produção industrial pesquisada pelo IBGE, oito apresentaram queda...

Veja mais
Setor de serviços cresce 2,4% em novembro, após dois meses de queda

O setor de serviços cresceu 2,4% na passagem de outubro para novembro, após dois meses de taxas negativas,...

Veja mais
Vendas do varejo físico em 2021 crescem 10%, diz pesquisa

A reabertura gradual do comércio no país ajudou a dar fôlego ao varejo físico em 2021, c...

Veja mais
Gasolina sobe 47,49% e gás de botijão, 36,99% em 2021, diz IBGE

A alta de 10,06% em 2021 na inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consu...

Veja mais
Inflação sobe 0,73% em dezembro e fecha o ano em 10,16%, diz IBGE

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) teve alta de 0,73% em dezembro, mesma variaç&atild...

Veja mais
IBGE: inflação oficial fecha 2021 com alta de 10,06%

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do pa...

Veja mais
Barômetros Globais sinalizam melhora no início de 2022

Após caírem na maior parte do segundo semestre de 2021, os Barômetros Econômicos Globais, indi...

Veja mais
Mercado diminui novamente previsão de crescimento da economia

O mercado financeiro diminuiu mais uma vez a previsão para o crescimento da economia brasileira neste ano. As pro...

Veja mais
Varejo paulistano cresce 2% em dezembro e atinge patamar pré pandemia

A movimentação no varejo paulistano em dezembro foi 1,8% maior, se comparada com o mesmo mês de 2019...

Veja mais