Setor de serviços cresce 2,4% em novembro, após dois meses de queda

Leia em 3min

O setor de serviços cresceu 2,4% na passagem de outubro para novembro, após dois meses de taxas negativas, recuperando a perda acumulada de 2,2%. Com o resultado de novembro, o setor ficou 4,5% acima do patamar pré-pandemia de covid-19, registrado em fevereiro de 2020, mas está 7,3% abaixo do recorde alcançado em novembro de 2014. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços, divulgada hoje (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Segundo o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo, a recuperação do mês de novembro coloca o setor no maior patamar dos últimos seis anos, igualando-se ao nível de dezembro de 2015. "Das últimas 18 informações divulgadas, na comparação mês contra mês anterior, 15 foram positivas e 3 foram negativas: março, devido à segunda onda de covid-19, e setembro e outubro, por conta de aumentos de preços em telecomunicações e passagens aéreas", disse, em nota, o pesquisador.

 

Segundo o IBGE, quatro das cinco atividades pesquisadas avançaram no mês de novembro, com destaque para serviços de informação e comunicação (5,4%), que recuperaram a perda de 2,9% verificada nos dois meses anteriores. Com isso, a atividade se coloca num patamar 13,7% acima de fevereiro de 2020.

 

"Nessa atividade, sobressai o setor de tecnologia da informação, principalmente os segmentos de portais, provedores de conteúdo e ferramentas de busca da internet; desenvolvimento e licenciamento de softwares e consultoria em tecnologia da informação", disse Rodrigo Lobo.

 

O setor de tecnologia da informação cresceu 10,7% de outubro para novembro, maior taxa desde janeiro de 2018 (11,8%), ficando 47,4% acima do patamar pré-pandemia. "Depois do período mais agudo da pandemia, a partir de junho de 2020, o setor mostrou rápida recuperação, acelerando o ritmo de crescimento das receitas. Essas informações positivas são em boa parte explicadas pelo dinamismo das empresas do setor de Tecnologia da Informação, que fornecem serviços para outras empresas", afirmou o gerente da pesquisa.

 

Transportes


De acordo com o IBGE, o segundo impacto positivo no índice do novembro veio da atividade de transportes, que cresceu 1,8% e praticamente recuperou a perda de 1,9% observada entre setembro e outubro. Com isso, a atividade está num patamar 7,2% acima de fevereiro de 2020. "Os destaques na área de transportes foram transporte aéreo de passageiros, correio e transporte rodoviário de carga", informou Lobo.

 

Com alta de 2,8%, os serviços prestados às famílias representaram o terceiro impacto positivo no mês. "Esta é a oitava taxa positiva seguida, acumulando crescimento de 60,4%, mas ainda insuficiente para voltar ao patamar pré-pandemia. O segmento está operando em nível 11,8% abaixo de fevereiro de 2020", explicou o pesquisador.

 

Por outro lado, com queda de 0,3%, os serviços profissionais, administrativos e complementares apresentam a quarta taxa negativa seguida, acumulando perda de 3,7%.

 

Regionalmente, 18 das 27 unidades da federação tiveram expansão no volume de serviços entre outubro e novembro de 2021. Entre os locais com taxas positivas, o impacto mais importante veio de São Paulo (4%), seguido por Rio de Janeiro (1,6%), Santa Catarina (3,7%) e Paraná (2,1%). Em contrapartida, o Mato Grosso do Sul (-4,0%) registrou a principal retração em termos regionais.

 

Atividades turísticas


O índice de atividades turísticas subiu 4,2% frente a outubro, sétima taxa positiva consecutiva, acumulando ganho de 57,5%. O segmento ainda se encontra 16,2% abaixo do patamar de fevereiro do ano passado.

"Esse índice de atividades turísticas tem um perfil muito semelhante ao perfil dos serviços prestados às famílias, pois muitas das atividades que compõem o indicador vêm desse segmento", disse o pesquisador.

 

Fonte: Agência Brasil 


Veja também

Contratações temporárias registram aumento de 20,6% em 2021

Apesar dos desafios e incertezas com relação à economia, gerados pela pandemia da Covid-19, o Traba...

Veja mais
Vendas do varejo físico em 2021 crescem 10%, diz pesquisa

A reabertura gradual do comércio no país ajudou a dar fôlego ao varejo físico em 2021, c...

Veja mais
Gasolina sobe 47,49% e gás de botijão, 36,99% em 2021, diz IBGE

A alta de 10,06% em 2021 na inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consu...

Veja mais
Inflação sobe 0,73% em dezembro e fecha o ano em 10,16%, diz IBGE

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) teve alta de 0,73% em dezembro, mesma variaç&atild...

Veja mais
IBGE: inflação oficial fecha 2021 com alta de 10,06%

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do pa...

Veja mais
Barômetros Globais sinalizam melhora no início de 2022

Após caírem na maior parte do segundo semestre de 2021, os Barômetros Econômicos Globais, indi...

Veja mais
Mercado diminui novamente previsão de crescimento da economia

O mercado financeiro diminuiu mais uma vez a previsão para o crescimento da economia brasileira neste ano. As pro...

Veja mais
Varejo paulistano cresce 2% em dezembro e atinge patamar pré pandemia

A movimentação no varejo paulistano em dezembro foi 1,8% maior, se comparada com o mesmo mês de 2019...

Veja mais
Valor da cesta básica aumenta em todas as capitais em 2021

O valor da cesta básica aumentou em 2021 nas 17 capitais onde o Departamento Intersindical de Estatística ...

Veja mais