Mercado diminui novamente previsão de crescimento da economia

Leia em 2min 10s

O mercado financeiro diminuiu mais uma vez a previsão para o crescimento da economia brasileira neste ano. As projeções constam do segundo boletim Focus de 2022, que aponta um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 0,28%, ante os 0,36% projetado na primeira semana do ano.

 

O boletim, divulgado hoje (10) pelo Banco Central (BC), reúne a projeção do mercado para os principais indicadores econômicos do país. Na última semana de 2021, a previsão do mercado era de um crescimento de 0,42% e há quatro semanas, a previsão era de 0,50%.

 

O mercado também reduziu a previsão de crescimento do PIB - a soma de todos os bens e serviços produzidos no país - para 2023, de 1,8% para 1,7%. Há quatro semanas a projeção era de crescimento de 1,9%.

 

Em 2024, a projeção do mercado financeiro se manteve estável em relação à semana anterior, com expansão do PIB em 2%. No boletim divulgado hoje o mercado manteve em 4,5% a previsão do PIB para o ano de 2021. Há quatro semanas a previsão era de um crescimento de 4,71%, em 2021.

 

Para 2022, o mercado financeiro manteve a estimativa de inflação das duas últimas semanas, com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficando em 5,03%. Já para 2023, o mercado reduziu a expectativa de inflação para 3,36%, ante os 3,41% da semana passada. Em 2024, a previsão é mesma da semana passada com inflação em 3%.

 

Para 2021, a previsão para o IPCA, considerado a inflação oficial do país, também variou para baixo, de 10,01% para 9,99%. É a quinta redução depois de 35 semanas consecutivas de alta da projeção.

 

Selic e câmbio


A previsão do mercado para a taxa básica de juros, a Selic, em 2022, aumentou em relação ao projetado na semana passada, passando de 11,5% para 11,75% no boletim divulgado hoje.

 

Atualmente a Selic, definida pelo Comitê de Política Monetária (Copom), está em 9,25% ao ano. Para a próxima reunião do órgão, em fevereiro, o Copom já sinalizou que deve elevar a taxa em 1,5 ponto percentual.

 

Para o fim de 2023, a estimativa é de que a taxa básica caia para 8% ao ano, a mesma previsão da semana passada. E para 2024, a previsão é de Selic em 7% ao ano, projeção que repete a da semana anterior.

 

A expectativa do mercado para a cotação do dólar em 2022 também se manteve igual ao projetado na semana passada, ficando em R$ 5,60. Já para os próximos dois anos, a projeção do mercado é de alta no câmbio. Para 2023, a previsão da cotação do dólar subiu de R$ 5,40 para R$ 5,45. Para 2024, a projeção passou de R$ 5,30 para R$ 5,39.

 

Fonte: Agência Brasil

 


Veja também

Barômetros Globais sinalizam melhora no início de 2022

Após caírem na maior parte do segundo semestre de 2021, os Barômetros Econômicos Globais, indi...

Veja mais
Varejo paulistano cresce 2% em dezembro e atinge patamar pré pandemia

A movimentação no varejo paulistano em dezembro foi 1,8% maior, se comparada com o mesmo mês de 2019...

Veja mais
Valor da cesta básica aumenta em todas as capitais em 2021

O valor da cesta básica aumentou em 2021 nas 17 capitais onde o Departamento Intersindical de Estatística ...

Veja mais
Brasil deve levar dois anos ou mais para retomar economia aos níveis pré-pandêmicos

 Estudo da Kantar aponta que inflação é o principal impedimento para a volta do consumo na Am&...

Veja mais
FGV: indicador de emprego tem segunda queda consecutiva

O Indicador Antecedente de Emprego (Iaemp), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), teve queda de 1,2 p...

Veja mais
IGP-DI fecha 2021 com inflação acumulada de 17,74%

O Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) fechou 2021 com inflação acumula...

Veja mais
Indústria brasileira recua 0,2% de outubro para novembro

A produção industrial do país caiu 0,2% de outubro para novembro deste ano. Foi a sexta queda conse...

Veja mais
Intenção do Consumo fecha 2021 abaixo do nível de satisfação

O indicador de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) fechou o ano de 2021 em 71,6 pontos, uma qued...

Veja mais
Preços da indústria sobem 1,31% em novembro, diz IBGE

O Índice de Preços ao Produtor (IPP), que mede a variação do custo dos produtos na saí...

Veja mais