Mercado de cervejas premium deve girar R$ 80 bi até 2025

Leia em 4min 30s

Dados da Euromonitor mostram que o faturamento desse produto com alto valor agregado, praticamente dobrou no Brasil nos últimos cinco anos

 

A pandemia de covid-19 obrigou as pessoas a ficarem mais em casa, mas isso não se traduziu na redução do consumo de cerveja. Pelo contrário. Segundo dados da Euromonitor, o volume de cervejas vendido no País em 2020 foi o maior desde 2014, ano em que o Brasil sediou Copa do Mundo.

 

O mercado vinha de anos difíceis, com quedas contínuas de volume entre 2015 à 2018. Além de ter um efeito na quantidade, as quarentenas forçadas também tiveram influência na qualidade, ajudando a acelerar o processo de “premiunização” do setor. As principais empresas estão de olho nesse movimento – e não param de lançar marcas para estimular o paladar da clientela.

 

Para se ter uma ideia, o faturamento das cervejas consideradas premium cresceu 85% entre 2015 e 2020, para R$ 52 bilhões. A expectativa da Euromonitor é que esse número cresça mais 53,9% até 2025 e alcance faturamento de R$ 80,2 bilhões. Um dos motivos dessa aceleração foi a estratégia de crescimento agressiva da Heineken, especialmente com a sua principal marca. A bebida mais amarga caiu no gosto dos brasileiros, que começaram a procurar cervejas mais refinadas.

 

“Foi o grande movimento das cervejas premium e o mercado se tornou menos industrial e mais artesanal. O fato de as pessoas estarem mais em casa e sem opções de lazer, além do dinheiro do auxílio emergencial que permitiu mais gastos com indulgências, ajudaram esse mercado”, diz Rodrigo Mattos, analista de bebidas e tabaco da Euromonitor International.

 

Lançamentos

Além de conquistar um consumidor com maior poder aquisitivo, o segmento premium também significa maiores margens. Por isso, não é à toa que esse crescimento também serviu para aumentar a disputa entre a Ambev e a Heineken, as duas maiores empresas do setor.

 

A Heineken é vista por especialistas do setor como uma das grandes responsáveis pela aceleração desse movimento nos últimos anos, especialmente com o crescimento de sua marca homônima. Já que a estratégia vem dando certo, ela vai continuar investindo forte nessa sofisticação do mercado.

 

Nos últimos anos, a empresa trouxe diversas marcas para o Brasil, como as americanas Blue Moon e Lagunitas, além de expandir a distribuição das marcas brasileiras Baden Baden e Eisenbahn, que passaram a fazer parte do portfólio do grupo holandês após a aquisição da rival Brasil Kirin, em 2017.

 

A aposta mais recente da Heineken é a Tiger, marca de Cingapura que é um de seus cinco maiores produtos globais. A ideia da companhia é abocanhar uma fatia dos consumidores mais jovens que começaram a ter contato com as cervejas.

 

“Existia sempre a dúvida que o paladar do brasileiro não era de cerveja amarga e provamos o contrário. Hoje, temos 46% do segmento premium e somos líderes no País”, diz Mauro Homem, diretor corporativo da Heineken no País.

 

A Heineken, de fato, passou a ser uma água no chopp da Ambev. Mesmo assim, a cervejaria controlada pelo fundo 3G Capital, do bilionário Jorge Paulo Lemann, continua tendo uma fatia acima de 60% do mercado total. A companhia, no entanto, não está parada vendo o crescimento da rival. Assim como a Heineken, a Ambev tem aumentado o número de lançamentos e criação de novos produtos.

 

Nos últimos anos, a companhia trouxe e aumentou a distribuição de marcas consagradas no exterior, como a mexicana Corona, as alemãs Becks e Spaten e a americana Goose Island. Neste ano, está apostando na cerveja de baixa caloria Michelob Ultra. A ideia, segundo Felipe Cerchiari, diretor de inovação da Ambev, é ter bebidas diferentes para ocasiões diferentes.

 

“Fizemos estudos que mostram que quanto mais o PIB per capita cresce, maior também o número de ocasiões em que as pessoas bebem, e queremos dar opções diferentes para as pessoas”, afirma Cerchiari.

 

A Ambev também tem apostado no segmento entre o popular e o premium. Um exemplo é a Brahma Duplo Malte, que segundo Cerchiari, foi o maior lançamento da história da AB Inbev, pois já foram produzidos mais de 4 milhões de hectolitros. Hoje, 20% do faturamento da Ambev vem de produtos lançados nos últimos três anos. Antigamente, não passava de 8%.

 

Bares x delivery

Com a reabertura dos bares, a disputa entre as duas empresas seguirá forte. Porém, o consumo dentro de casa também deve continuar em alta. De acordo com uma pesquisa da Kantar, 68,6% das pessoas beberam cerveja em suas residências em 2020, 4 pontos porcentuais a mais do que no ano anterior. E, entre as duas empresas, quem está mais na frente é a Ambev, com o Zé Delivery.

 

O aplicativo realizou 29 milhões de entregas no primeiro semestre do ano passado – 2 milhões a mais do que todo o ano de 2020, que já havia tido um crescimento exponencial. “O consumidor brasileiro está ávido por novidades e a palavra da vez é o benefício que as empresas estão dando para ele”, afirma Cerchieri.

 

A Euromonitor aponta que as cervejas premium representam 2,5% do mercado total de cervejas no País. Parece pouco, mas a participação se multiplicou por cinco em cinco anos. Em mercados mais desenvolvidos, esse porcentual chega a 15%. Então, a disputa entre as líderes tem tudo para aumentar.

 

Fonte: O Estado de S.Paulo


Veja também

Coopetição une empresas que formam a Associação Brasileira de Bebidas Destiladas

Combate ao comércio ilegal é uma das principais bandeiras do segmento formado por multinacionais Cinc...

Veja mais
Indústria melhora qualidade do café solúvel e vendas crescem

Novos investimentos nas fábricas se traduzem em números estimulantes no consumo interno O consumo de ...

Veja mais
Como o marketing ajudou a Skol a se tornar tão relevante no Brasil?

Diretora de marketing da Ambev detalha as iniciativas para criar tendências na sociedade com a influência da...

Veja mais
Vinhos leves são tendência de mercado

Consumo da bebida disparou no Brasil, principalmente nestes dois anos de pandemia A maior oferta de vinhos mais rob...

Veja mais
Ambev muda perfil e foca na diversidade de bebidas

Profissionais de inovação trabalham a fim de atender todos os clientes, dos mais jovens aos idosos que apr...

Veja mais
Aposte nas bolhas para acelerar seus negócios

União Brasileira de Vitivinicultura contabiliza movimento substancial da bebida que combina tanto com o nosso cli...

Veja mais
Heineken incrementa logística no varejo

Operação de distribuição das próprias marcas, antes feita pela Coca-Cola Femsa, foi a...

Veja mais
Ambev lança produto inspirado em Munique

Companhia amplia portfólio no mercado de puro malte às vésperas da tradicional festa mundial da cer...

Veja mais
Consumo de vinhos segue aquecendo as vendas

O cenário de vinhos no Brasil não só permanece em constante crescimento nesta pandemia como tamb&ea...

Veja mais