E-commerce brasileiro deve bater os 30% em 2021

Leia em 1min 40s

Relatórios do Banco Goldman Sachs projetam alta de números similares, à médio prazo, no território nacional  

 

O Goldman Sachs calcula que o comércio eletrônico brasileiro como um todo deve crescer 31% em 2021, atingindo R$ 201 bilhões nas vendas brutas (GMV) e implicando em uma penetração de 13% no mercado de varejo total, uma alta de 1,95 ponto percentual ano a ano.

 

Em termos absolutos, a projeção é que MercadoLibre acrescente R$ 3,4 bilhões em novo GMV no Brasil no terceiro trimestre, à frente da Americanas com R$ 2,3 bilhões, Magazine Luiza com R$ 1,6 bilhão e Via com R$ 1,4 bilhão.

 

Para o período de 2021 a 2024, o banco espera que o comércio eletrônico no Brasil cresça em média de 25% ao ano, levando a participação online para 20,2% do varejo total em 2024, ante 11,1% em 2020.

“Embora isso marque uma desaceleração do pico no crescimento e mudança do on-line em 2020, esperamos um aumento no número de novos consumidores e aumento da frequência de compra dos consumidores existentes”, diz.

 

O banco americano espera que os volumes de pagamento se recuperem gradualmente com a reabertura das economias na América Latina, mas acredita que os investidores também se concentrarão cada vez mais no dimensionamento da carteira de empréstimos e na qualidade de crédito.

 

MercadoLibre

 

Após ajustar seu modelo “soma das partes” e atualizar as projeções para os próximos anos, que envolvem uma desaceleração do comércio eletrônico na América Latina, o banco cortou o preço-alvo dos papéis do MercadoLibre de US$ 2.670 para US$ 2.470.

Apesar disso, o potencial de valorização da ação é de 56%, e o banco reiterou a recomendação de compra do ativo.

 

“Continuamos otimistas em relação ao MercadoLibre. Projetamos um crescimento nas vendas brutas (GMV) de 25% nas operações do Brasil (Mercado Livre) no trimestre, implicando em um crescimento acumulado de dois anos amplamente estável que contrasta com a desaceleração mais pronunciada nas taxas de crescimento que projetamos para concorrentes como Magazine Luiza e Via Varejo”, diz o Goldman.

 

Fonte: Valor


Veja também

Será que a escassez de chips afeta os pagamentos nos supermercados?

A lâmina de semicondutores enfrenta uma crise global de produção e logística na China A ...

Veja mais
Vendas online seguem em alta em 2021

Dados da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico reforçam a expansão do segmento em um...

Veja mais
Maioria dos clientes desistem das compras do e-commerce por um único motivo

Para evitar a frustração, varejistas online têm adotado táticas para reter o consumidor e tor...

Veja mais
Friboi lança plataforma que conecta consumidores e varejistas

Solução Compre Online Friboi foi criada para direcionar o consumidor ao varejo mais próximo com a a...

Veja mais
Supermercado usa IA para enfrentar ruptura e fortalece o caixa

Rede catarinense identificou, em três meses, quase nove mil problemas de execução que afetavam as ve...

Veja mais
Rede testa carrinho de compras com self checkout

Em Nova York, a Morton Williams Supermarkets desenvolve projeto para pagamento nos próprios carrinhos de compras&...

Veja mais
Inteligência artificial e Machine learning agregam valor aos supermercados

Isso ocorre através da capacidade de previsibilidade da demanda, revela Pesquisa Global de Varejo  O us...

Veja mais
Kroger usa dados para identificar “consumidores híbridos”

Números do braço de Analytics da rede de supermercados mostram que 1 em cada 10 residências já...

Veja mais
Plataformas conectam pequenas empresas à grandes varejos

Produtores artesanais conseguem chegar aos supermercados maiores, assim como o pequeno comerciante tem acesso às ...

Veja mais