Preço da cesta básica da região Norte cai em 2018

Leia em 3min 50s

O preço da cesta básica na região Norte caiu 0,60% ao longo de 2018 e alcançou no último mês de dezembro o valor de R$ 493,88. No mesmo período do ano anterior, a cesta de produtos básicos das famílias nortistas era R$ 2,98 mais cara, com preço de R$ 496,86. Foi o segundo ano seguido de queda de preço no valor da cesta básica nortista, depois das altas acentuadas de 2015, 2016 e 2017, em razão da recessão da economia nacional. No fim de 2017, por exemplo, o preço da cesta na região chegou a R$ 537,87 (8,18% a mais que o valor atual).

 

Já na passagem de novembro para dezembro últimos, a cesta da região registrou nova redução, de 0,95%, que em valores representa um decréscimo de R$ 4,73. Em novembro passado, a cesta básica nortista chegou a custar R$ 498,61. Os dados são da pesquisa realizada pela consultoria GfK e analisada pelo Departamento de Economia e Pesquisa da Associação Brasileira de Supermercados (Abras).

 

A região Norte foi a única que variou negativamente no preço mensal dos produtos básicos. Com a redução, os nortistas deixaram de pagar a cesta mais cara do País. Em primeiro agora está a cesta consumida pela população dos Estados sulistas, no valor de R$ 514,40, que teve aumento de 0,98% em dezembro.  As regiões Sudeste e Centro-Oeste também registraram altas nos preços da cesta básica e fecharam o último mês com valores de R$ 449,63 (1,36%) e R$ 442,25 (2,31%), respectivamente. Já a região Nordeste paga o valor médio mais barato do País: R$ 418,64 (+1,17%).

 

Em todo o País, a cesta básica registrou alta de 0,92%, passando de R$ 461,48 para R$ 465,71. No acumulado do ano, de janeiro a dezembro, a cesta apresentou crescimento de 3,72%. As maiores quedas de preço no mês de dezembro foram registradas em produtos como: farinha de mandioca (-7,18%), massa sêmola espaguete (-5,93%), desinfetante (-4,42%) e xampu (-4,20%). Já as maiores altas foram verificados nos preços da cebola (24,41%), batata (14,30%), feijão (8,54%) e carne traseiro (3,55%).

 

Na região Norte, as principais reduções foram nos valores da farinha de mandioca (-10,58%), leite longa vida (-8,12%), massa sêmola espaguete (-6,22%), água sanitária (-5,74%), desinfetante (-4,68%) e pernil (-4,47%). Os aumentos mais acentuados, por sua vez, foram nos preços do tomate (14,56%), da batata (10,72%), da cebola (10,38%), do feijão (10,15%) e do biscoito cream cracker (7,93%). A cesta Abrasmercado é composta por 35 produtos mais consumidos nos supermercados: alimentos, incluindo cerveja e refrigerante, higiene, beleza e limpeza doméstica.

 

Vendas

 

O ano de 2018 fechou com resultado positivo para o setor supermercadista, que registrou 2,07% de crescimento real na comparação com 2017, de acordo com o Índice Nacional de Vendas Abras. Em dezembro, as vendas do setor supermercadista em valores reais - deflacionadas pelo IPCA/IBGE - apresentaram alta de 21,13% na comparação com novembro e alta de 3,93% em relação ao mesmo mês do ano de 2017.

 

O resultado acumulado de 2018 é um pouco abaixo da previsão divulgada pela Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS). No começo do ano passado, a entidade projetou 3,00% de crescimento nas vendas, e em julho revisou esta perspectiva para 2,53%.

 

"Após umas das maiores recessões vividas pelo País, a economia brasileira teve muita dificuldade para se recuperar. O ano de 2018 não teve o fôlego que esperávamos para um crescimento mais expressivo. Começamos bem, mas, infelizmente, fomos surpreendidos com a paralisação dos caminhoneiros no final de maio, impactando no preço dos combustíveis e dos alimentos por causa do desabastecimento. Sem esses fatores, provavelmente, teríamos alcançado melhores resultados. Aliado a isso, o consumidor pós-crise que já estava desconfiado e ponderando seus gastos, também teve influência das incertezas do cenário político, causadas pelo ano de eleições. Mesmo assim, crescer 2,00% nesse cenário é muito positivo, e foi nosso melhor resultado desde 2015", declara o presidente da Abras, João Sanzovo Neto.

 

Sanzovo destaca que, para 2019, as expectativas estão melhores, principalmente após a definição do novo governo, que assumiu em janeiro, e as medidas econômicas já anunciadas pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, de controle de gastos, simplificação de impostos, desestatização do mercado de crédito, entre outros. "Estamos otimistas e esperançosos de que 2019 será melhor que o ano de 2018. As projeções do mercado financeiro estão positivas, com juros e inflação controlados. A confiança dos empresários segue em alta, como vimos na nossa última pesquisa, e diante deste cenário, projetamos um crescimento em torno de 3,00% nas vendas deste ano", afirma.

 

Fonte: O Liberal


Veja também

Supermercados crescem menos do que o esperado em 2018

O ano de 2018 fechou com resultado positivo para o setor supermercadista. Houve o crescimento real em comparaç&at...

Veja mais
Supermercados têm alta real de 2,07% em vendas

O setor de supermercados e hipermercados cresceu 2,07% nas vendas de 2018 em relação ao ano anterior. O re...

Veja mais
Alta das vendas em supermercados fica aquém das previsões

O desempenho do ano ficou aquém da expectativa do setor, que era de crescimento real de 2,53%. Essa projeç...

Veja mais
Confiança de empresários sobe em dezembro para maior nível desde 2014, diz Abras

Empresários do setor de supermercados estão mais confiantes com as perspectivas para os negócios, s...

Veja mais
Salto de 13% nos atacarejos amortece retração nos hiper, super e vizinhança

Com forte ascensão na crise, o atacarejo voltou a sustentar o setor supermercadista em 2018. Ano passado, o impul...

Veja mais
Só atacarejo avança na venda de alimentos

Apesar da gradual recuperação da economia, as vendas dos supermercados e hipermercados encolheram no ano p...

Veja mais
Abras vê crescimento de 3% em vendas de supermercados do Brasil em 2019

As vendas de supermercados no Brasil devem aumentar 3 por cento em 2019, após alta de 2,07 por cento no ano passa...

Veja mais
Vendas nos supermercados têm alta real de 2,07% em 2018

O setor de varejo alimentar (supermercados e hipermercados) cresceu 2,07%, descontada a inflação, em 2018 ...

Veja mais
Vendas reais em supermercados crescem 2,07% em 2018, revela Abras

O setor de supermercados registrou crescimento de 2,07% nas vendas em 2018, conforme divulgou a Associação...

Veja mais