Salto de 13% nos atacarejos amortece retração nos hiper, super e vizinhança

Leia em 3min 10s

Com forte ascensão na crise, o atacarejo voltou a sustentar o setor supermercadista em 2018. Ano passado, o impulso de quase 13% nas vendas neste modelo amorteceu a queda em outros formatos e garantiu um alta de 2,07% no mercado como um todo. Para este ano, os chamados cash & carry devem manter protagonismo na perspectiva de avanço de 3%.

 

De acordo com um estudo realizado pela empresa de inteligência de mercado Nielsen, em 2018, os hipermercados apresentaram retração no volume de vendas na ordem dos 6,4%; seguido pelos supermercados (-2,7%); lojas de vizinhança (-2,0). Já os seguimentos de farmácia e atacarejo apresentaram incremento em torno de 4,6% e 12,8%, respectivamente.

 

“A tendência é que o cliente continue repetindo alguns comportamentos da crise, mas que aos poucos comece a pensar mais na conveniência, passando a frequentar lojas de vizinhança”, diz o líder de novos negócios da empresa Nielsen, Daniel Souza.

 

De acordo com ele, ao longo do ano o tíquete médio desses negócios deve apresentar alta com um consumo mais intenso de itens como cervejas, salgadinhos, chocolates, bolachas e biscoitos. “No geral, os itens de mercearia na alimentação continuam em alta nesses formatos, e essa demanda pode ser revertida na abertura de novas lojas.”

 

Para o presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), João Sanzovo Neto, as melhoras no mercado de trabalho e renda familiar elevada podem fazer com que a o consumo nos supermercados cresça neste ano. “Esperamos uma retomada no consumo de produtos premium no varejo alimentar e, consequentemente, um desenvolvimento maior dos supermercados de vizinhança a partir de 2020.”

 

Na mesma linha de raciocínio, o sócio fundador da consultoria empresarial Goakira, José Goakira afirma que por ora os preços ainda são fatores decisivos para determinar a escolha dos consumidores, mas que conforme for verificada a evolução do orçamento doméstico durante o ano, os mercados de vizinhança podem voltar a ganhar protagonismo.

 

“Tendo em vista que a localização dos cash & carry não é privilegiada geralmente, o cliente apenas realiza compras nesse modelo para abastecimento do lar. Para as compras de rotina, o consumidor deve voltar ao consumo de itens de maior valor agregado ou premium”, complementou.

 

Cenário macroeconômico

 

Na avaliação do presidente da Abras, o desempenho do setor de supermercados para 2019 dependerá, sobretudo, do andamento das reformas econômicas propostas pelo governo federal. “O discurso [do poder Executivo] está alinhado ao posicionamento dos empresários. Se houver retrocesso na força das reformas, existe a chance do nível de confiança cair. No entanto, tendo em vista o resultado nas eleições da Câmara dos Deputados e Senado, não parece que isso vai acontecer”, complementou o dirigente.

 

Nesse sentido, o Índice de Confiança do Supermercadista de dezembro de 2018 registrou o segundo maior patamar dentro do período analisado pela empresa de pesquisa de mercado GfK – atingindo 61,5 pontos em uma escala de 0 a 100. Além disso, 73% dos empresários entrevistados acreditam em um cenário mais favorável para os negócios.

 

De acordo com Neto, esse otimismo é “fundamental” para uma geração de empregos maior e uma retomada de market share dos supermercados, os quais durante o período de crise tiveram retração no volume de vendas. “Pelo menos esse ano, o modelo de cash & carry ainda pode continuar crescendo, mas também vemos o ‘peso’ crescente do fator comodidade na hora do consumidor ir às compras”, complementou Neto.

 

Segundo uma pesquisa feita pela GfK e também divulgada ontem, a cesta de produtos denominada como Abrasmercado teve alta de 2,31% na Região Centro-Oeste, chegando a R$ 432,25 – resultado impulsionado sobretudo por Campo Grande. Já a Região Norte apresentou deflação de 0,95% na cesta de itens. “Acreditamos que com a estabilidade do dólar e o controle da inflação o preço da cesta não deve oscilar”, explicou a gerente da GfK, Priscilla Thomé.

 

Fonte: DCI


Veja também

Supermercados têm alta real de 2,07% em vendas

O setor de supermercados e hipermercados cresceu 2,07% nas vendas de 2018 em relação ao ano anterior. O re...

Veja mais
Alta das vendas em supermercados fica aquém das previsões

O desempenho do ano ficou aquém da expectativa do setor, que era de crescimento real de 2,53%. Essa projeç...

Veja mais
Confiança de empresários sobe em dezembro para maior nível desde 2014, diz Abras

Empresários do setor de supermercados estão mais confiantes com as perspectivas para os negócios, s...

Veja mais
Só atacarejo avança na venda de alimentos

Apesar da gradual recuperação da economia, as vendas dos supermercados e hipermercados encolheram no ano p...

Veja mais
Abras vê crescimento de 3% em vendas de supermercados do Brasil em 2019

As vendas de supermercados no Brasil devem aumentar 3 por cento em 2019, após alta de 2,07 por cento no ano passa...

Veja mais
Vendas nos supermercados têm alta real de 2,07% em 2018

O setor de varejo alimentar (supermercados e hipermercados) cresceu 2,07%, descontada a inflação, em 2018 ...

Veja mais
Vendas reais em supermercados crescem 2,07% em 2018, revela Abras

O setor de supermercados registrou crescimento de 2,07% nas vendas em 2018, conforme divulgou a Associação...

Veja mais
Confiança de empresários sobe em dezembro para maior nível desde 2014, diz Abras

Empresários do setor de supermercados estão mais confiantes com as perspectivas para os negócios, s...

Veja mais
Atacarejo cresce 12,8% em 2018, diz Nielsen; hipermercado cai 6,4%

O setor de varejo de alimentos viu diminuir em 6,4% a quantidade de mercadorias vendidas em lojas no formato hipermercad...

Veja mais