Documento assinado pelas partes, mas sem elementos essenciais, é inapto para cobrança de dívida, decide TJ

Leia em 1min 50s

Mantida decisão que julgou ação monitória improcedente.

 

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão da juíza Paula Velloso Rodrigues Ferreri, da 40ª Vara Cível Central, que julgou improcedente cobrança de suposto crédito a favor do autor da ação, pretensão fundada em documento que possui apenas cifras (memória de cálculo), com um “OK” e assinaturas dos dois ex-sócios. De acordo com o colegiado, o documento apresentado é insuficiente para lastrear a demanda monitória.

 

De acordo com os autos, as partes eram sócias de uma das maiores empresas globais de auditoria, consultoria e tributos. Com a dissolução do vínculo societário, em 2017, as sociedades foram objeto de divisão. Um mês após a formalização das alterações, foi assinado documento entre as partes em relação a um valor de R$ 5,25 milhões, a serem pagos em 36 parcelas mensais de R$ 145.833.

 

Segundo o relator da apelação, desembargador Azuma Nishi, apesar de o requerido não negar a autenticidade de sua assinatura, a prova escrita carece de elementos que permitam identificar, por exemplo, quem é o credor e o devedor. “Além disso, não é possível vincular o documento a uma obrigação determinada, vale dizer, não há como saber qual a causa subjacente”. “A ação monitória é aquela em que há a inversão do contraditório, justificada pela probabilidade do direito que deve decorrer da prova escrita, como exige a lei de regência. Assim, se o documento não é hábil para incutir no julgador a certeza do crédito exigido, de rigor o acolhimento dos embargos ao mandado monitório. Registre-se que o documento não contém dados elementares da obrigação”, afirmou o magistrado.

 

“Releva notar, ainda, que se trata de assunção de obrigação de pagamento de quantia vultosa e as partes são empresários com atuação na área contábil, de auditoria e de negócios, de modo que não é crível que tenham preterido as formalidades legais, necessárias para garantir a higidez da avença, e esperadas em negócios deste jaez”, completou o relator.

 

O julgamento teve a participação dos desembargadores Fortes Barbosa e J. B. Franco de Godoi. A votação foi unânime.

 

Apelação no 1029382-85.2018.8.26.0100

 

Comunicação Social TJSP – SB (texto)

 

Fonte: TJSP – 07/07/2021


Veja também

STJ veta compensação fiscal pelo mesmo débito após pedido não-homologado

 O contribuinte que possui débitos decorrentes de dívidas fiscais e que já pediu a compensa&cc...

Veja mais
Juízo pode determinar complementação da prova documental em exceção de pré-executividade

 A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que é possível ao ju&iac...

Veja mais
Negada nova sustentação oral após direito não ser exercido em julgamento anterior

 Colegiado de ministros entendeu que só há direito a uma sustentação. A Segunda Tu...

Veja mais
Receita Federal lança nova versão de sistema de emissão de DARF.

Com a nova versão, programa Sicalc AA foi definitivamente desativado e os documentos de arrecadação...

Veja mais
Receita Federal conclui envio dos comunicados do Pronampe

 As correspondências começaram a ser emitidas no dia 05/07. A Receita Federal  concluiu, nes...

Veja mais
Justiça decide que multa tributária superior a 20% tem efeito confiscatório

A multa tributária superior a 20% não é adequada como efeito sancionatório e tem, ...

Veja mais
Publicada MP que abre crédito a micro e pequenas empresas

Medida beneficia também produtores rurais e microempreendedores Medida provisória (MP) que cria ...

Veja mais
Loja não pode abrir para receber parcelas de carnês durante epidemia

 O artigo 222, inciso III, da Constituição de São Paulo, preconiza a integração ...

Veja mais
TRT-10 declara inconstitucionais dispositivos da CLT sobre pagamento de custas por beneficiários da justiça gratuita

 O Pleno do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT-10) reconheceu a inconstitucionalidade de ...

Veja mais