Alta nos preços e ruptura na gôndola: como está o mercado de cervejas no país

Leia em 2min

A falta de cervejas nos supermercados brasileiros nunca foi tão alta. Essa é a conclusão de uma pesquisa divulgada nessa semana pela Neogrid. De acordo com a empresa, a principal bebida alcoólica brasileira, a cerveja, atingiu em outubro 18.92% de ruptura.

 

O estudo ainda aponta que a falta de cerveja nas festas de final de ano pode se tornar mais uma dificuldade a ser enfrentada pelos brasileiros em 2020. "Todas as cervejarias apresentam falta de produtos no varejo e o nível de ruptura da cerveja nunca foi tão alto como hoje.", alerta Robson Munhoz, CCO da Neogrid.

 

Ausência de marcas

 

A ausência de algumas marcas nas prateleiras já foi notada pelos consumidores. O índice de ruptura que em 2019 era de cerca de 10%, só subiu desde o início da quarentena em março, última vez em que a marca esteve na casa dos 10%. Nos últimos dois meses, foram registrados 17,64% em setembro e 18,92% em outubro, segundo o monitoramento da Neogrid, que acompanha dados de 40 mil varejistas no país.

 


Robson Munhoz, CCO da Neogrid

 

De acordo com Robson Munhoz, a explicação para a alta ruptura da cerveja está na cadeia produtiva, mais especificamente, no fornecimento de vidro e lata para a confecção das embalagens. "Não estamos falando em desabastecimento. Há falta de algumas marcas. Se falta embalagem não tem como produzir e vender cerveja no mercado. É importante que a indústria e o varejo estejam compartilhando informações para que os desafios não sejam ainda maiores na cadeia de abastecimento. Senão ninguém ganha o jogo", diz o executivo.

 

Preços no varejo

 

Se por um lado falta produto em gôndola, por outro, o que tem está mais caro. A Horus Inteligência de Mercado analisou a presença da categoria nos cupons de compras dos shoppers em todo o Brasil. O comparativo entre os meses de agosto, setembro e outubro de 2020 foi verificado nos canais super, hipermercado e atacarejo. Como resultado, a pesquisa mostrou que depois de apresentar queda de 6,5% na presença da cesta do shopper nos últimos três meses (sendo a mais acentuada entre agosto e setembro) esse cenário foi revertido nos meses seguintes. Entre setembro e outubro, houve aumento de 9,6% na média de itens comprados.

 

Em relação ao tíquete médio, a categoria de cervejas apresentou alta de 19,3% nos últimos três meses nos canais de compras analisados.

Já o preço também subiu: 12% entre agosto e outubro, com alta acentuada em setembro.

 

Fonte: Newtrade 

 


Veja também

Após disparada, preço do leite começa a trazer alívio para o consumidor

Um dos primeiros alimentos com alta de preços mais no início da pandemia, o leite começou a dar um ...

Veja mais
Cepea: preço do leite pago em outubro se mantém em alta

O preço do leite captado em setembro e pago ao produtor em outubro avançou por mais um mês, renovand...

Veja mais
Venda de bebidas alcóolicas no Brasil dispara na pandemia

Diante do isolamento social provocado pela disseminação do Covid-19, o setor de eventos paralisado e o fec...

Veja mais
Consumo de vinho cresce 37,2% entre janeiro e setembro

O consumo de vinhos teve aumento de 37,2% no Brasil entre janeiro e setembro de 2020 comparado ao mesmo período d...

Veja mais
Após quatro meses de alta, preço do leite deve cair em 6%

Depois de quatro meses consecutivos de alta e atingir o pico de R$ 1,95, em setembro, a projeção para outu...

Veja mais
Tetra Pak chega ao mercado de água no Brasil

Mais um material vai disputar o pujante mercado de água mineral no país: o papel cartão, que d&aacu...

Veja mais
Ambev confirma argentino Pablo Firpo como vice-presidente de bebidas não-alcoólicas

A Ambev informou ao mercado na sexta-feira (16) que está com um novo vice-presidente de bebidas não-alco&o...

Veja mais
Contagem regressiva para o Festival de Vinhos de Portugal no Brasil

É dada a largada para a estreia do primeiro Festival de Vinhos de Portugal no Brasil. Serão mais de 2.500 ...

Veja mais
Assembleia aprova lei que reduz imposto sobre cerveja produzida com mandioca plantada em Goiás

A Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) aprovou em segunda votação o projeto de lei que autoriza ...

Veja mais