Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 







Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Geral

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Geral

05/11/2020 15:43 - Tendências de compras para os bens de consumo massivo

Sem dúvida é unânime a percepção entre os varejistas de que a pandemia acelerou tendências e fez transformações, que levariam cinco anos, serem colocadas em prática em cinco meses. E o levantamento da Kantar, líder global em dados, insights e consultoria, comprova isso. Entre os meses de março e agosto deste ano, 21% dos brasileiros fizeram uma compra online de comida ou bebida, pela primeira vez na vida, enquanto 12% dos lares também passaram a comprar bens de consumo massivo pelo telefone.

De acordo com o cenário atual, tudo indica que quando a crise sanitária acabar esses novos hábitos devam continuar, pelo menos para 53% da população. Sendo assim, 40% dela pretende continuar comprando online, enquanto 18% sinaliza que deve reduzir ou até parar de usar o e-commerce.

Essa insatisfação do shopper com o canal pode ser um sinal de alerta, ao mesmo tempo que uma oportunidade de melhoria para os varejistas, já que 29% dos clientes dizem não conseguir encontrar nas lojas online todo o sortimento que precisam, além de se queixarem dos atrasos na entrega e dos preços mais altos do que na loja física.

De qualquer forma, apesar de o e-commerce ser a pior modalidade avaliada, no quesito velocidade, mais da metade dos consumidores brasileiros pretendem continuar usando alternativas que se popularizam no abastecimento dos bens de consumo massivo, dos últimos meses, como o WhatsApp, o telefone e os aplicativos.

Mix no varejo de bens de consumo massivo

Outras mudanças no comportamento do consumidor também se mostram persistentes a longo prazo. A primeira delas é entender o bolso do brasileiro e como a pandemia não afeta a todos da mesma forma: 51% declararam ter sofrido impacto negativo na renda e temos visto taxas de desemprego que não param de crescer.

Diante desse cenário, 42% dos brasileiros declararam ter recebido ajuda em dinheiro, por parte do Governo, e que utilizaram esse aporte principalmente para as compras de alimentos, bebidas e limpeza dentro dos lares, ou mesmo para o pagamento das contas essenciais, como água, luz, telefone e internet.

Já em termos de quem sustentou o consumo dentro dos lares, a Kantar verificou um destaque para a classe DE (+7% em unidades compradas), que incrementou novas ocasiões de consumo, com mais cafés da manhã e jantares sendo preparados em casa. E para a classe AB, que aumentou em 38% o uso do delivery, no último trimestre.

Como a população tem passado a maior parte do tempo em casa, as ocasiões de consumo in home cresceram 10%, principalmente no café da manhã (+14%) e almoço (+12%). E ao pensar nas compras e no preparo das refeições, o prazer, a conveniência e a saudabilidade, que já eram uma tendência presente antes da Covid-19, são as principais razões de escolha e preparo nos pratos.

Nas classes AB, a busca por uma alimentação saudável inclui o consumo de frutas, saladas, legumes, castanhas e iogurte, enquanto entre as classes CDE, a categoria saudabilidade abrange arroz, feijão, cereais infantis, leite em pó, sucos e vitaminas caseiras.

No geral, os brasileiros têm consciência sobre a importância e os benefícios dos produtos considerados mais saudáveis. 57% declaram preferir alimentos orgânicos, 32% buscam produtos sem lactose e 40% sem glúten. Porém, 35% consideram o preço uma barreira para o consumo desse segmento.

Quanto a cesta de produtos, durante a pandemia, todas as classes incluíram novas categorias nos carrinhos e o desinfetante foi uma unanimidade. Além deste item, a classe DE passou a comprar mais pães industrializados, maionese e farinha de trigo. A classe C adotou a presuntaria e, a classe AB, a cerveja e o requeijão.

Proximidade e preço também foram os critérios mais usados na hora de escolher o ponto de venda adequado. Por conta disso, o pequeno varejo ganhou 3 milhões de novos lares compradores e o varejo tradicional mais de 2 milhões, no último trimestre, ao mesmo tempo em que as marcas próprias, que têm preço até 10% mais baixo que a média do mercado, passaram a ser consumidas, pela primeira vez, por 2 milhões de brasileiros, enquanto o Atacarejo segue mantendo a tendência de crescimento, atraindo 4 milhões de brasileiros, com uma média de preços até 15% mais baixos.


Fonte: Super Varejo 

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

15/01/2021 12:50 - Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões
13/01/2021 15:31 - Nestlé lança mercado online em parceria com a Packk
13/01/2021 12:48 - IBGE: safra de 2021 deve superar recorde de 2020
12/01/2021 15:44 - Cresce a venda de produtos de oral care no Brasil
11/01/2021 13:15 - Mercado de ovos continua em trajetória de baixa no decorrer da semana
08/01/2021 17:25 - Mais de 90% dos brasileiros compraram chocolate em 2020
04/01/2021 16:35 - Nova onda do atacarejo afeta supermercados
11/12/2020 21:42 - Produção de ovos de galinha bate recorde no 3º trimestre, diz IBGE
10/12/2020 18:08 - Conab: Brasil produzirá 265,9 milhões de toneladas de grãos
09/12/2020 16:09 - Produção nacional de chocolate cresce 1,97% no terceiro trimestre
08/12/2020 15:28 - Classes D e E seguram índices de consumo dentro do lar
07/12/2020 15:53 - Atacado distribuidor acumula crescimento de 4,43% até outubro
07/12/2020 15:44 - Venda de panetones deve crescer e movimentar R$ 848 milhões em 2020
04/12/2020 16:04 - Pandemia abre mais espaço para as marcas próprias
04/12/2020 15:25 - Por que campanhas de fidelidade devem ser o foco do varejo alimentar

Veja mais >>>