Indústria X Consumidor: o que está em jogo na mudança de rótulos

Leia em 3min 40s

O hábito trivial de ir ao supermercado escolher os produtos que irão para a despensa sofrerá alterações sensíveis em 2019. Está previsto que até o final do ano o Brasil adote um novo sistema de rotulagem para os produtos alimentícios industrializados. O assunto, de extrema importância para a saúde das pessoas, está em discussão desde 2015 e divide opiniões. De um lado, estão os representantes dos consumidores e de outro, os da indústria de alimentos.

 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é a responsável por legislar sobre o assunto. A expectativa é que, entre julho e setembro, seja divulgada uma consulta pública com a proposta final de regulamentação. Neste momento, consumidores e entidades poderão fazer suas contribuições. De acordo com a agência, até aqui, não há um modelo fechado, existem apenas estudos a cerca de experiências desenvolvidas no Brasil e em outros países.

 

Há consenso que o atual modelo de rotulagem é confuso e pouco informativo, além de não ajudar o comprador a saber exatamente o que levará para casa. A intenção é que o novo modelo facilite o entendimento das pessoas sobre o perfil nutricional de cada alimento e estabeleça padrões homogêneos, de maneira a permitir que produtos semelhantes possam ser comparados. Ou seja, com uma análise rápida, será possível verificar qual contém mais sódio e qual contém menos sódio, por exemplo.

 

O maior embate é entre o modelo de advertência frontal, em forma de triângulos negros, e o alerta de semáforo, colorido. A adoção de alertas frontais em forma de triângulos foi inspirada no modelo chileno, aprovado em 2016, que traz informações como alto em gordura trans, rico em açúcar ou sódio. Recentemente, o Peru adotou a obrigatoriedade deste modelo para a rotulagem de alimentos industrializados.

 

As 47 entidades da sociedade civil que fazem parte da Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável, inclusive o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC), defendem um modelo semelhante a este. Eles acreditam que a proposta é capaz de auxiliar os consumidores a fazer escolhas alimentares mais saudáveis, além de estimular os fabricantes a reformular seus produtos.

 

A Organização Pan-Americana de Saúde, órgão ligado à Organização Mundial de Saúde (OMS), também apoia a adoção do modelo frontal de alertas. A OMS estima que meio milhão de pessoas morrem a cada ano por causa dos efeitos da gordura trans no organismo. O componente está presente em quase todos os produtos industrializados ou ultraprocessados e causa inflamações, agressões aos vasos sanguíneos e alterações nos níveis de colesterol.

 

Enquanto isso, a Rede Rotulagem, formada por 22 organizações empresariais, propõe o modelo do semáforo, no qual as informações nutricionais são apresentadas na parte da frente das embalagens, com destaque em cores para as quantidades de açúcares, gordura saturada e sódio. O formato é utilizado na Inglaterra, França e Dinamarca.

 

Recentemente, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, defendeu um modelo semelhante, em vigor na Itália, onde é conhecido como GDA. Na parte frontal da embalagem, estão informações nutricionais-chave, como calorias, sódio, açúcar e gorduras saturadas, mas sem alertas. Oficialmente, no entanto, o Ministério da Saúde não bate o martelo para nenhum modelo.

 

“O Ministério da Saúde reconhece a relevância do debate sobre a rotulagem nutricional no sentido de apoiar escolhas alimentares saudáveis pela população, bem como de estimular as indústrias de alimentos a melhorarem o perfil nutricional dos produtos para a redução de sódio, gorduras e açúcar, desenvolvendo opções mais saudáveis.”

 

Em relação aos possíveis prejuízos econômicos, a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia), que faz parte da Rede Rotulagem, estima em R$ 100 bilhões ao ano o impacto negativo em caso de adoção dos alertas, o que equivale a quase a metade do faturamento das empresas do setor.

 

Em paralelo, há cerca de um mês, os senadores da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) aprovaram o Projeto de Lei nº 2.313/2019, que inclui o indicativo da composição nutricional na embalagem de produtos com elevados teores de açúcar, sódio e gorduras.

 

Caso seja aprovado em votação final na Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor (CTFC), a indústria terá que se adequar e colocar mensagens claras, destacadas, legíveis e de fácil compreensão, na parte da frente das embalagens. Os produtos cujos teores de sódio, açúcar e gorduras sejam intrínsecos ao alimento ficam isentos da regulamentação.

 

Fonte: Metrópoles

 

 


Veja também

Crescer sem culpa; o agronegócio pode ser uma atividade sustentável

O Brasil tem mais de 240 milhões de hectares abertos para agricultura e pastagem — quase o equivalente ao t...

Veja mais
O visionário do varejo

Na sexta-feira 14, o empresário Michael Klein acompanhou de uma sala da corretora XP Investimentos, em São...

Veja mais
O Magazine Luiza vai lucrar com a Netshoes?

Em um enredo típico de filme de ação e suspense – com final imprevisível até o ...

Veja mais
Mappin renasce sob controle da Marabraz

Em dezembro de 2009, um leilão judicial selou o destino da icônica marca Mappin, protagonista de muitas ino...

Veja mais
Nova tecnologia nacional permite aprovação do pagamento online em segundos

Uma tecnologia que permite pagar compras online com cartões de débito e crédito e conseguir aprova&...

Veja mais
Omnichannel amplia mix entre vendas online e offline no varejo

A democratização do acesso à internet para milhões de brasileiros – de acordo com a pe...

Veja mais
Venda Sazonal em Foco

A Caramuru Alimentos projeta um incremento de 25% a 30% na venda de itens sazonais durante as festas juninas. Em entrevi...

Veja mais
Varejo regional ganha mais força com as festas juninas nas periferias

Diante da expansão das festas juninas em regiões periféricas dos grandes centros urbanos, redes var...

Veja mais
Grupo de Klein compra parte da Via Varejo

 O veterano do varejo brasileiro Michael Klein e sua família compraram o controle da Via Varejo, investindo ...

Veja mais