Setor de luxo passa ao largo da desaceleração econômica

Leia em 2min 50s

                                    Na contramão. Comércio de produtos premium movimentou US$ 4,3 bilhões no Brasil em 2014. A expectativa é que ele cresça de 2% a 4% no ano. Ramos automotivos e de moda celebram alta



São Paulo - Enquanto o varejo em geral amarga a desaceleração das vendas em função da economia fraca, redes de produtos de luxo mantêm bons negócios. Grifes como Jaguar, Lomgchamp e Dedalo afastam o fantasma da recessão ao contar com clientes fiéis e abonados.

As marcas aproveitam os 161 mil milionários adeptos aos artigos premium no País. Em 2014, o setor movimentou US$ 4,3 bilhões e a previsão é de o ramo crescer de 2% a 4%, indicam as consultorias Euromonitor e Bain & Company.

Para o sócio diretor da agência MOT, Alfredo Castro, a alta do dólar vai pressionar as vendas. "Com a alta do câmbio prevista para ser mantida até o final do ano, a expectativa é de os clientes das empresas do setor automotivo de luxo anteciparem as compras para evitar o impacto dos preços."

Neste mercado, carros importados da Audi, BMW, Land Rover e Jaguar tiveram alta nas vendas no primeiro semestre deste ano, na contramão dos veículos nacionais. O diretor de vendas da Jaguar Land Rover para a América Latina, Ruben Barbosa, disse que o tíquete médio da rede é R$ 200 mil, são mais de 40 concessionárias no País e há oportunidade no segmento, uma vez que o índice de clientes de carros premium é 2% no Brasil, mas chega a 10% dos de automóveis vendidos em mercados já maduros. Para impulsionar as vendas, a empresa criou um plano de financiamento. Com entrada de 20% do valor, é possível levar um Range Rover Evoque ou Jaguar XF com 30% do saldo dividido em 23 prestações. Depois, o proprietário poder usar o saldo já pago como entrada para a compra de um veículo zero quilômetro ou pagar os 50% restante.

Também neste segmento, a Audi Brasil diz ter crescido 27,3% no primeiro trimestre deste ano frente ao mesmo período de 2014. O diretor de vendas da Audi do Brasil, Thiago Lemes, aponta que mesmo com desafios, o ramo surpreende. "Enquanto no Brasil o montante de automóveis de luxo não chega a 5%, na China sobe para 10% e na Europa para 20%." Com isso, a Audi projeta que o setor triplique até 2020 no Brasil e afirma ter traçado uma estratégia de crescimento de longo prazo.

Dona de três lojas no Brasil, no Estado de São Paulo, a rede de moda francesa Longchamp conta com clientes fiéis para manter o tíquete médio de R$ 700. Segundo o Brazil Country Manager da marca, Filipe Tendeiro, a bandeira tem recebido muitos clientes que compravam produtos da empresa fora do País. Com a alta do dólar, este consumidor deixa de viajar com tanta frequência e passa a comprar aqui, onde tem parcelamento em até seis vezes sem juros, destacou Tendeiro. A rede tem 287 butiques em mais de 50 países, como Paris e Suíça.

Especializada em leilões de itens de luxo como vinhos, relógios, joias, bolsas e artigos de couro, a Dedalo diz também não ter sofrido queda no faturamento - não revelado. Porém, notou mudança de comportamento em alguns clientes. "Alguns clientes que compravam vinhos de R$ 10 mil começaram a migrar para produtos de R$ 2 mil a R$ 3 mil", informa o diretor Pedro Aguiar.



Veículo: Jornal DCI


Veja também

Linha branca tem queda de preços em lojas virtuais

- Levantamento do Zoom, site comparador de preços, revela que, apesar da alta de inflação que ating...

Veja mais
Lojas Retes repensa plano de negócios

O desenvolvimento de novas tecnologias sempre é saudado como possibilidade de novos produtos e negócios. D...

Veja mais
Agrotóxicos perigosos são maioria no Rio Grande do Sul

                    ...

Veja mais
Entrega expressa enfrenta competição mais acirrada

  Veículo: Jornal Valor Econômico...

Veja mais
Grãos menores podem limitar safra de café de Minas Gerais

  Veículo: Jornal Valor Econômico...

Veja mais
A batalha judicial de BRF e Seara

 Veículo: Jornal O Estado de S.Paulo...

Veja mais
Pestana reestrutura Máquina de Vendas e BR Pharma

                    ...

Veja mais
Barba, cabelo e bigode

                    ...

Veja mais
Sindicato aceita debater proposta, sob condições

Sindicatos e entidades que defendem os direitos dos trabalhadores dizem que é preciso modernizar as relaç&...

Veja mais