Atividade industrial cai em maio, mas está acima de antes da pandemia

Leia em 2min

A atividade industrial encolheu em maio, com queda nas horas trabalhadas e na utilização da capacidade instalada, informou a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Segundo a pesquisa Indicadores Industriais, apesar da queda na produção, o nível de atividade continua superior ao de fevereiro de 2020, antes do início da pandemia de covid-19.

 

Em maio o número de horas trabalhadas na produção caiu 1,8% em relação a abril. Essa estatística desconsidera efeitos sazonais (oscilações típicas de determinadas épocas do ano). Como a CNI revisou os números de meses anteriores, esse representa o segundo mês seguido de encolhimento no indicador.

 

Os dados de março e de abril foram revisados para baixo. Em vez de crescimento de 1,1%, o número de horas trabalhadas ficou estável em março. Em abril, o indicador passou a registrar queda de 1,3%, em vez de crescimento de 0,7%. Dessa forma, a CNI passou a considerar que as horas trabalhadas mostram tendência de queda em 2021. Apesar disso, o indicador continua um pouco acima do registrado em fevereiro do ano passado.

 

Em relação à utilização da capacidade instalada (UCI), o indicador caiu de 81,9% em abril para 81,6% em maio, também na comparação livre de efeitos sazonais. Apesar do recuo, o indicador permanece acima do registrado em fevereiro de 2020, quando estava em 78,1%. Esse é o terceiro mês consecutivo com UCI acima de 80%, o que não ocorria desde o período entre novembro de 2014 e janeiro de 2015.

 

O faturamento real da indústria de transformação aumentou 0,7% entre abril e maio de 2021, na série livre de efeitos sazonais. Desde o início do ano, o indicador vem oscilando entre altas e quedas, mas a CNI considera que o indicador começa a assumir uma tendência de queda porque as altas não têm compensado as retrações dos meses anteriores, com o faturamento estando 3,3% menor que em janeiro.

 

Emprego


Mesmo com a queda na atividade, o emprego industrial continuou a crescer em maio, subindo 0,5% na comparação com abril, livre dos efeitos sazonais. Segundo a CNI, esse é o décimo mês consecutivo de crescimento no mercado de trabalho. O nível de emprego acumula alta de 1,9% em 2021 e está 6% maior que o registrado em maio de 2020.

 

Depois de dois meses de crescimento, a massa salarial real encolheu 0,8% em maio, em relação a abril. Apesar da retração em maio a massa salarial ainda apresenta crescimento acumulado de 1,7% em 2021.

 

Fonte: Agência Brasil 

 


Veja também

Indicador de mercado de trabalho apresenta melhora em junho

O Indicador Antecedente de Emprego (Iaemp), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), cresceu 4,2 pontos ...

Veja mais
Mercado financeiro prevê PIB de 5,18% e inflação de 6,7%

As instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) elevaram novamente a projeçã...

Veja mais
CNI aumenta previsão de crescimento da economia para 4,9%, neste ano

A economia brasileira deve registrar crescimento de 4,9% neste ano, em comparação com 2020. A previs&atild...

Veja mais
Após três meses de queda, produção industrial cresce 1,4% em maio

A produção industrial aumentou 1,4% na passagem de abril para maio, após três meses...

Veja mais
IPC-S recua em cinco das sete capitais pesquisadas pela FGV

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) recuou em cinco das se...

Veja mais
CNC: semestre fecha com maior percentual de endividados desde 2010

O primeiro semestre deste ano encerrou com um percentual de 69,7% das famílias brasileiras com alguma dívi...

Veja mais
Brasil cria 280,6 mil postos de trabalho formal em maio

O número de trabalhadores contratados com carteira assinada em maio deste ano foi maior que o total de demitidos ...

Veja mais
Inflação medida pelo IPC-S cai para 0,64% em junho, diz FGV

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) registrou uma inflação de 0,64% em junho es...

Veja mais
Confiança dos empresários atinge maior nível desde dezembro de 2013, aponta FGV

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) subiu 4,3 pontos em junho, para 98,8 pontos, o maior nível ...

Veja mais