Mercado financeiro prevê PIB de 5,18% e inflação de 6,7%

Leia em 1min 40s

As instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) elevaram novamente a projeção para o crescimento da economia brasileira este ano de 5,05% para 5,18%. Para 2022, a expectativa para Produto Interno Bruto (PIB) - a soma de todos os bens e serviços produzidos no país - é de crescimento de 2,10%, percentual ligeiramente menor do que o projetado na semana passada (2,11%).

 

O mercado financeiro manteve a projeção de expansão do PIB para 2023 e 2024, em 2,5%. As estimativas estão no boletim Focus de hoje (5), pesquisa divulgada semanalmente, em Brasília, pelo BC, com a projeção para os principais indicadores econômicos.

 

Inflação


A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano subiu de 5,97% para 6,7%. O IPCA é a inflação oficial do país. A estimativa supera o limite superior da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. O centro da meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é de 2,25% e o superior de 5,25%.

 

Para 2022, a estimativa de inflação permanece em 3,77%. Já a projeção do índice relativo a 2023 e 2024 é de 3,25%.

 

Taxa de juros


A expectativa do mercado financeiro para a taxa básica de juros (Selic) é de que encerre o ano em 6,50%. Para 2022, a previsão é de uma Selic em 6,75%. Há uma semana, a previsão para o mesmo ano era de 6,5% - mesmo percentual projetado para 2023 e 2024.

 

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, fixada atualmente em 4,25% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

 

Câmbio


A expectativa para a cotação do dólar caiu para R$ 5,04 ante os R$ 5,10 projetados há uma semana. Para o fim de 2022, 2023 e 2024, a previsão do valor do dólar para o final do período permanece estável em R$ 5,20; R$ 5,05; e R$ 5,00, respectivamente.

 

Fonte: Agência Brasil 

 


Veja também

CNI aumenta previsão de crescimento da economia para 4,9%, neste ano

A economia brasileira deve registrar crescimento de 4,9% neste ano, em comparação com 2020. A previs&atild...

Veja mais
Após três meses de queda, produção industrial cresce 1,4% em maio

A produção industrial aumentou 1,4% na passagem de abril para maio, após três meses...

Veja mais
IPC-S recua em cinco das sete capitais pesquisadas pela FGV

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) recuou em cinco das se...

Veja mais
CNC: semestre fecha com maior percentual de endividados desde 2010

O primeiro semestre deste ano encerrou com um percentual de 69,7% das famílias brasileiras com alguma dívi...

Veja mais
Brasil cria 280,6 mil postos de trabalho formal em maio

O número de trabalhadores contratados com carteira assinada em maio deste ano foi maior que o total de demitidos ...

Veja mais
Inflação medida pelo IPC-S cai para 0,64% em junho, diz FGV

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) registrou uma inflação de 0,64% em junho es...

Veja mais
Confiança dos empresários atinge maior nível desde dezembro de 2013, aponta FGV

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) subiu 4,3 pontos em junho, para 98,8 pontos, o maior nível ...

Veja mais
Indicador de Incerteza da Economia brasileira volta a subir em junho

O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) subiu 2,4 pontos em junho, para 122,3 pontos. Com o resultado, o indicador...

Veja mais
Menos da metade das pessoas em idade de trabalhar estão ocupadas

O nível de ocupação no país fechou o trimestre móvel encerrado em abril em 48,5%, fic...

Veja mais