IPCA-15: prévia da inflação oficial fica em 0,44% em maio, a maior para o mês desde 2016

Leia em 3min 30s

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação oficial do país, ficou em 0,44% em maio, 0,16 ponto percentual abaixo da taxa de abril (0,60%), conforme divulgou nesta terça-feira (25) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Apesar da desaceleração, foi o maior resultado para um mês de maio desde 2016 (0,86%), pressionado principalmente pela alta na energia elétrica (2,31%).

No ano, o indicador acumula alta de 3,27%. Em 12 meses, atingiu 7,27%, se mantendo acima do teto da meta do governo para a inflação no ano, que é de 5,25%. Em abril, o indicador acumulado em 12 meses estava em 6,17%.

 

Apesar das preocupações com a inflação em 2021, o resultado de maio veio abaixo do esperado. Pesquisa da Reuters com economistas estimava alta de 0,55% para o período.

 

Veja o resultado do IPCA-15 para cada um dos grupos:

 

Alimentação e bebidas: 0,48%
Habitação: 0,79%
Artigos de residência: 0,89%
Vestuário: 1,42%
Transportes: -0,23%
Saúde e cuidados pessoais: 1,23%
Despesas pessoais: 0,09%
Educação: 0,08%
Comunicação: 0,03%


Energia, botijão de gás e remédios mais caros


Oito dos 9 grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE apresentaram alta em maio, com destaque para "Saúde e cuidados pessoais" (1,23%), que acelerou em relação a abril (0,44%). Os grupos Habitação (0,79%) e Alimentação e bebidas (0,48%) também tiveram variações superiores às de abril (0,45% e 0,36%, respectivamente).

 

Entre os itens, a alta da energia elétrica (2,31%) teve o maior impacto individual, respondendo sozinha por 0,10 ponto percentual do IPCA-15. Em maio, passou a vigorar a bandeira tarifária vermelha patamar 1, que acrescenta R$ 4,169 na conta de luz a cada 100 quilowatts-hora consumidos. Além disso, houve reajustes nas contas de luz em capitais como Fortaleza, Salvador e Recife.

 

Já o gás de botijão (1,45%) subiu pelo 12º mês consecutivo, embora a alta tenha sido menor que a observada no mês de abril (2,49%).

 

O grupo "Saúde e cuidados pessoais" foi o que registrou o maior impacto sobre o indicador de maio, muito por conta do reajuste de 10,08% nos medicamentos, no início de abril. Segundo o IBGE, houve aumentos expressivos nos remédios antialérgicos e broncodilatadores (5,16%), dermatológicos (4,63%), anti-infecciosos e antibióticos (4,43%) e hormonais (4,22%).


O único grupo com deflação em maio foi "Transportes" (-0,23%), influenciado pela queda de 28,85% nos preços das passagens aéreas. Já a gasolina teve alta de 0,29%, passando a acumular avanço de 41,55% em 12 meses.

 

Carnes acumulam alta de 35,68% em 12 meses


No grupo "Alimentação e bebidas", o destaque de alta foi a alimentação no domicílio, que passou de 0,19% em abril para 0,50% em maio. O preço das carnes avançou 1,77%, acumulando aumento de 35,68% nos últimos 12 meses. Já o tomate teve alta de 7,24% no mês, após ter recuado 3,48% em abril.

 

No lado das quedas, o destaque foi o recuo nos preços das frutas (-6,45%).

Em 2020, a inflação fechou em 4,52%, acima do centro da meta do governo, que era de 4%. Foi a maior inflação anual desde 2016.

 

A meta central do governo para a inflação em 2021 é de 3,75%, e o intervalo de tolerância varia de 2,25% a 5,25%. Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic), que agora está em 3,50% ao ano.

 

A projeção do mercado se aproxima cada vez mais do teto da meta de inflação para o ano. Os economistas das instituições financeiras elevaram para 5,24% a estimativa de inflação em 2021, segundo pesquisa Focus divulgada nesta segunda-feira pelo Banco Central. Parte das estimativas, porém, já aponta para uma taxa ao redor de 6%, em meio a preocupações com a pressão da alta nos preços das matérias-primas e de preços administrados como energia elétrica.

 

O mercado manteve em 5,50% ao ano a previsão para a Selic no fim do ano, o que pressupõe que haverá novas altas nos próximos meses. Para o fim de 2022, os economistas mantiveram a expectativa para a taxa Selic em 6,50% ao ano.

 

Para 2022, o mercado financeiro estima uma inflação de 3,67%. No ano que vem, a meta central de inflação é de 3,50% e será oficialmente cumprida se o índice oscilar de 2% a 5%.

 

Fonte: G1

 


Veja também

Confiança do consumidor brasileiro sobe 3,7 pontos

O Índice de Confiança do Consumidor, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), teve alta de...

Veja mais
Projeção do mercado financeiro para alta do PIB sobe para 3,52%

As instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) elevaram a projeção para a e...

Veja mais
Estoques da indústria voltam a ficar próximos do planejado

Depois de atingir nível crítico no segundo semestre do ano passado, o estoque das indústrias recupe...

Veja mais
Economia Negociações salariais ficam abaixo da inflação em abril, mostra Fipe

A maioria das negociações salariais no mês de abril não repôs a inflação,...

Veja mais
Projeção de crescimento do PIB passa de 3,2% para 3,5%

A projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 2021 aumentou de 3,2% para 3,5%, ficando em ...

Veja mais
Mercado financeiro aumenta previsão de crescimento da economia

As instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) elevaram a projeção para o c...

Veja mais
Inflação pelo IGP-10 sobe de 1,58% em abril para 3,24% em maio

O Índice Geral de Preços–10 (IGP-10), indicador nacional calculado pela Fundação Getul...

Veja mais
Confiança na economia tem melhorado, diz Campos Neto

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nesta sexta-feira (14) que dados mais recentes têm mostr...

Veja mais
Ipea: inflação desacelera para todas as faixas de renda em abril

A inflação de abril desacelerou em relação a março para todas as faixas de renda pesq...

Veja mais