Câmara aprova MP que cria linha de crédito a empresas durante pandemia

Leia em 2min

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (29) parte das emendas do Senado à medida provisória que cria linha de crédito para empresas pagarem salários ou verbas trabalhistas em meio à pandemia do novo coronavírus. O texto segue para sanção do presidente Jair Bolsonaro.

 

Por um placar de 288 a 157 votos, os deputados rejeitaram a mudança feita pelos senadores em relação ao teto máximo de faturamento das empresas beneficiadas pelo programa. Com isso, fica valendo o texto aprovado aprovado pela Câmara em junho, segundo o qual poderão ser atendidas empresas com receita bruta anual entre R$ 360 mil e R$ 50 milhões.

 

Ao analisar a MP, os senadores tinham limitado a linha de crédito a empresas com receita bruta de até R$ 10 milhões e incluído as microempresas, cuja receita bruta anual é de até R$ 360 mil.

 

Tramitação


A Câmara já havia aprovado a medida provisória no fim de junho. No entanto, quando passou no Senado, foram feitas alterações, o que obrigou a uma nova análise do texto pelos deputados.

A MP, que criou o Programa Emergencial de Suporte a Empregos (Pese), entrou em vigor em abril, assim que foi editada pelo Executivo. No entanto, para virar lei em definitivo, precisa ser aprovada pelo Congresso em até 120 dias.

 

As empresas terão prazo de até 36 meses para pagar o empréstimo, com carência de seis meses para início do pagamento, com capitalização de juros durante esse período. Os juros serão de 3,75% ao ano. Os bancos participantes podem formalizar as operações de crédito até 31 de outubro de 2020.

 

Pelo texto aprovado, a União poderá transferir até R$ 17 bilhões para o BNDES a fim de executar o Programa Emergencial de Suporte ao Emprego. Inicialmente, esse valor era de R$ 34 bilhões.

 

Micro e pequenas empresas


A Câmara aprovou uma emenda proposta pelo Senado que prevê a destinação de R$ 12 bilhões do dinheiro, antes previsto para o programa de suporte a empregos, ao Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte).


Os micro e pequenos empresários se queixam da dificuldade em acessar créditos durante a pandemia. Programas anunciados pelo governo aos pequenos não têm chegado a estas empresas. 
Em meio à pandemia que já dura mais de quatro meses, a liberação de recursos só ganhou velocidade nas últimas semanas.

 

 

Fonte: G1

 

 


Veja também

Taxas de juros para empresas e famílias recuam em junho, diz BC

As empresas e famílias pagaram taxas de juros mais baixas em junho, informou hoje (29) o Banco Central (BC), ao d...

Veja mais
Confiança da indústria cresce 12,2 pontos em julho, diz FGV

O Índice de Confiança da Indústria medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV) cresceu ...

Veja mais
Gasolina terá aumento na próxima semana; veja o que vai mudar

O padrão da gasolina automotiva consumida no Brasil terá aumento de qualidade obrigatório em 3 de a...

Veja mais
Contratações temporários crescem na crise

Em um cenário de empregos escassos, as contratações temporárias podem ser uma saída p...

Veja mais
Brasil fecha 1,19 milhão de vagas de trabalho no primeiro semestre de 2020, diz governo

A economia brasileira fechou 1,19 milhão de vagas de trabalho com carteira assinada no primeiro semestre de 2020,...

Veja mais
CNI aponta confiança de empresários em 10 setores industriais

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) teve melhora em 29 dos 30 setores industriais...

Veja mais
Endividamento aumenta entre famílias mais pobres em julho

O percentual de famílias com dívidas atingiu 67,4% em julho, o maior nível da série hist&oac...

Veja mais
Mercado financeiro reduz projeção de queda do PIB para 5,77% neste ano

A previsão do mercado financeiro para a queda da economia brasileira este ano foi ajustada de 5,95% para 5,77%. A...

Veja mais
População fora da força de trabalho cresce, aponta IBGE

O número de trabalhadores desocupados diante da pandemia teve ligeira queda na primeira semana de julho. Segundo ...

Veja mais