Queda das expectativas piora o clima econômico na América Latina

Leia em 2min

O Indicador de Clima Econômico da América Latina (ICE), divulgado hoje (23) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), mostra que o resultado do quarto trimestre interrompeu a recuperação que vinha sendo observada desde o segundo trimestre de 2020. O índice, que havia passado para a zona de clima econômico favorável, com 101,4 pontos na sondagem do terceiro trimestre, recuou 20,8 pontos no quarto trimestre.


"O clima econômico da América Latina piorou e passou para a zona de avaliação desfavorável liderado pela piora das expectativas que se aproximaram da zona limite entre avaliações favoráveis e desfavoráveis", informou o Ibre/FGV.


O ICE é medido pela média geométrica entre o Indicador da Situação Atual (ISA) e o Indicador de Expectativas (IE). O ISA registrou uma pequena queda de 1,1 ponto, ao passar de 59,1 pontos para 58 pontos e continua na zona desfavorável. Mas o que influenciou a queda desse trimestre foi o resultado do IE que despencou 45,5 pontos, ao passar de 150,6 pontos no terceiro trimestre para 105,1 pontos no quarto trimestre.


Pandemia


Segundo o Ibre/FGV, essa é a segunda maior queda entre duas sondagens consecutivas desde o início da série histórica, em janeiro de 1989. Antes, a maior queda no valor de 58,8 pontos foi entre o primeiro e o segundo trimestre de 2020 associada às expectativas pessimistas e incertezas trazidas pela pandemia da covid-19.


De acordo com a análise, nesse último trimestre do ano de 2021, a questão da pandemia, embora ainda causadora de incertezas e com resultados distintos em termos de imunização entre os países da região, não pode ser destacada como a principal razão para a reversão das expectativas.


Para a América Latina, falta de confiança na política do governo, seguido de instabilidade política e corrupção, são os três principais problemas da região. Observou-se o elevado percentual de 67,4% da falta de confiança na política do governo. "No Brasil, falta de confiança na política econômica e instabilidade política receberam o mesmo percentual de 66,7%, seguido de infraestrutura inadequada e aumento da desigualdade de renda", informou o Ibre/FGV.


Os resultados da sondagem mostram um quadro que remete às expectativas desfavoráveis em quase todos os países. "Não confiar na política econômica do governo e a instabilidade política como principais problemas são fatores que dificultam a perspectiva de um cenário favorável para o crescimento econômico", concluiu o levantamento.

Fonte: Agência Brasil 

 


Veja também

Aumenta a retração da indústria no Brasil

O encerramento de portfólio de produtos da indústria brasileira está reduzindo mais neste fim de an...

Veja mais
Produção industrial fica estável em outubro pelo segundo mês, diz CNI

A produção industrial ficou estável em outubro, informou hoje (22) a Confederação Nacional da I...

Veja mais
CNC: intenção de consumo cai pela primeira vez desde junho

Após quatro meses consecutivos de alta e estabilidade em outubro, o índice de Intenção de Co...

Veja mais
Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 10,12%

A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), consi...

Veja mais
Atividade econômica do país recua 0,1% no terceiro trimestre

A atividade econômica no país recuou 0,1% no terceiro trimestre, em relação ao período...

Veja mais
Pnad 2020: cai rendimento do trabalho e aumenta transferência de renda

O auxílio emergencial e o aumento do desemprego, devido à pandemia de covid-9, alterou o perfil do rendime...

Veja mais
Confiança do empresário do comércio cai pelo terceiro mês

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) recuou 1,3% em novembro na compara&cc...

Veja mais
Inflação será principal problema econômico em 2022, diz ministro

A resiliência da inflação será o grande problema da economia brasileira em 2022, disse hoje (...

Veja mais
Governo reduz previsão de crescimento da economia para 5,1% este ano

A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia reduziu a projeção ...

Veja mais