Pobreza no mundo deve cair em 2021, mas segue muito acima do projetado antes da pandemia, diz FMI

Leia em 4min

A crise provocada pela pandemia de covid-19 vai deixar uma "marca duradoura" nas finanças dos governos, na desigualdade, na pobreza e no PIB de muitos países, diz o FMI (Fundo Monetário Internacional) em relatório divulgado nesta quarta-feira (13/10), em Washington.

 

Segundo o Monitor Fiscal, documento que revisa o estado das finanças públicas ao redor do mundo, apesar de projeções de declínio na pobreza e na dívida pública neste ano em comparação a 2020, os níveis ainda permanecerão bem acima do que era esperado antes da crise.

 

O FMI diz que a pobreza deve cair em 2021, "parcialmente compensando o grande aumento em 2020". "Mas o número de pessoas na pobreza ainda é projetado para ser entre 65 milhões e 75 milhões mais alto do que (o projetado) antes da pandemia", diz o relatório.

 

O Fundo observa que essa estimativa tem um "alto grau de incerteza e vai depender, entre outros fatores, da força da recuperação e da eficiência de redes de proteção"

 

No caso da dívida pública global, a projeção é de que fique em 97,8% do PIB (Produto Interno Bruto) neste ano. Isso representa uma redução de menos de um ponto percentual em relação ao recorde de 98,6% registrado em 2020, quando os países recorreram a ações fiscais "sem precedentes" para combater a pandemia, muitas vezes envolvendo aumento de gastos ou redução de receita.

 

Segundo o FMI, a expectativa é de que nos próximos anos a dívida global se estabilize em torno de 97% do PIB, nível bem acima do projetado antes da pandemia. Só a partir de 2026 esse percentual deve começar a ser reduzido.

 

Mas o economista alertou que "níveis altos e crescentes de dívida pública e privada estão associados a riscos à estabilidade financeira e às finanças públicas".

Gaspar ressaltou que a dívida global de governos, lares e corporações não-financeiras somou 226 trilhões de dólares em 2020, um salto de 27 trilhões de dólares em comparação ao ano anterior, o que representa o maior aumento já registrado.

 

Brasil
Os economistas do Fundo ressaltam que, por trás dos números globais, "há significativa variação em desenvolvimentos fiscais e econômicos entre os países, tanto em meses recentes quanto em termos do que esperar nos próximos anos".

 

Em suas projeções para o Brasil, o FMI calcula que a dívida pública bruta deve passar de 98,9% do PIB em 2020 para 90,6% neste ano. O Fundo esclarece que, "pela definição nacional (do Brasil), a dívida bruta chegou a 88,8% no final de 2020". Como o FMI e o governo brasileiro usam critérios diferentes no cálculo desse indicador, não é possível fazer comparações.

 

A projeção do FMI para a dívida pública líquida brasileira é de 60,7% neste ano. O déficit primário será de 1,6% do PIB neste ano, de 0,8% em 2022 e de 0,4% em 2023. A partir de 2024, o país deverá voltar a registrar superávit primário, segundo o FMI.

 

O déficit nominal do Brasil, como proporção do PIB, chegará a 6,2% neste ano e 7,4% em 2022. A partir de 2023, deve começar a cair. A trajetória desses indicadores já havia sido indicada em setembro, quando o FMI atualizou projeções específicas sobre o Brasil.

 

Desafios
O FMI observa que o crescimento mundial está sendo retomado, com projeção de que o PIB global avance 5,9% neste ano, após redução de -3,1% em 2020. Mas o Fundo adverte para incertezas diante do acesso desigual a vacinas e do surgimento de novas variantes do vírus e afirma que há "divergências perigosas" nas expectativas econômicas dos países.

 

Segundo o relatório, em mercados emergentes e países de baixa renda e em desenvolvimento a trajetória do PIB deve permanecer em níveis mais baixos que as projeções de antes da pandemia, "levando a receitas fiscais reduzidas".

 

O FMI salienta que essas divergências entre os países na recuperação da pandemia deverão ter impacto sobre a pobreza e a desigualdade, fazendo com que seja mais difícil para os países atingirem os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável estabelecidos pela ONU (entre os quais está a erradicação da pobreza).

 

Os economistas do fundo afirmam que "políticas fiscais ágeis e agressivas permanecem sendo cruciais para conter o impacto das ondas da pandemia sobre famílias e negócios e para facilitar a recuperação e transformação econômica".

 

O relatório diz que muitos países avançados já começam uma transição de medidas para combater a pandemia a medidas de apoio à recuperação e transformação de suas economias, com o objetivo de torná-las produtivas, justas e sustentáveis.

 

Esse cenário contrasta com a realidade de vários países emergentes, de baixa renda e em desenvolvimento, onde a recuperação enfrenta o obstáculo "do baixo acesso a vacinas e menor espaço para apoio fiscal".

 

Fonte:G1

 


Veja também

Serviços crescem 0,5% e atingem maior patamar desde novembro de 2015

O setor de serviços teve um crescimento de 0,5% em volume na passagem de julho para agosto deste ano. Foi a quint...

Veja mais
Mercado financeiro diz que inflação deve fechar o ano em 8,59%

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação das famíl...

Veja mais
Índices globais de economia caem em outubro, refletindo desaceleração

Os Barômetros Econômicos Globais, divulgados hoje (8) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundaç...

Veja mais
Produção industrial recuou em 7 de 15 locais pesquisados em agosto

A queda de 0,7% na produção industrial em agosto foi resultado do recuo do setor em 7 dos 15 locais pesqui...

Veja mais
IPCA: inflação oficial fica em 1,16% em setembro e atinge 10,25% em 12 meses

A inflação calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerada ...

Veja mais
Mais de dois terços das famílias paulistanas estão endividadas

Mais de dois terços (69,2%) das famílias na capital paulista estavam endividadas em setembro, mostra pesqu...

Veja mais
Varejo e indústria sinalizam otimismo com o Natal

Com vacinação em curso, supermercados e fornecedores apostam em vendas aquecidas para as festas de fim de ...

Veja mais
Cesta básica tem alta em 11 capitais, diz Dieese

O custo da cesta básica registrou aumento em setembro na comparação com agosto em 11 das 17 capitai...

Veja mais
CNC estima faturamento recorde do varejo para o Dia das Crianças

Pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), divulgada o...

Veja mais