Mercado financeiro diz que inflação deve fechar o ano em 8,59%

Leia em 2min

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação das famílias, deve fechar o ano com alta acumulada de 8,59%. É o que aponta o Boletim Focus, pesquisa feita junto a instituições financeiras. Ela foi divulgada hoje (11), em Brasília, pelo Banco Central (BC).

 

É a 27ª elevação consecutiva da projeção. A inflação prevista é 0,08 ponto percentual maior do que a da última semana, quando o índice ficou em 8,51%.

 

A meta de inflação de 2021, perseguida pelo BC, é de 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Para 2022, a estimativa de inflação subiu para 4,17%, ante os 4,14% registrados na semana passada. É a 12ª alta seguida na projeção, que está ligeiramente acima da meta para o próximo ano.

 

Para 2023 e 2024, as previsões são de 3,25% e 3%, respectivamente, as mesmas da semana passada. O Boletim Focus registrou aumento na projeção do câmbio para este ano. Agora, o dólar deve fechar 2021 em R$ 5,25, ante R$ 5,20 do boletim da semana passada.

Para 2022, a projeção é de que o câmbio também fique em R$ 5,25. Para 2023, R$ 5,10, e para 2024, R$ 5,08.

 

PIB
No boletim Focus desta semana, a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2021 foi mantida em 5,04%, a mesma pela quarta semana consecutiva. O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia.

Para o próximo ano, o mercado diminuiu a expectativa de crescimento do PIB de 1,57% para 1,54%. Já para 2023, a previsão é de 2,50%.

 

Taxa Selic
Quanto à taxa básica de juros da economia (Selic), a estimativa do mercado permanece a mesma há três semanas. Com isso, o boletim manteve a projeção de terminar o ano em 8,25%. Para 2022, o Focus prevê uma taxa de juros de 8,75% ao final do ano.

 

A taxa Selic é a principal ferramenta usada na política monetária do BC para conter a inflação. Este setembro, Comitê de Política Monetária (Copom) aumentou a Selic de 5,25% ao ano para 6,25% ao ano. Ao anunciar a decisão, o Copom já sinalizou que deve elevar a Selic em mais um ponto percentual na próxima reunião, marcada para o fim de outubro.

 

Fonte: Agência Brasil 


Veja também

Índices globais de economia caem em outubro, refletindo desaceleração

Os Barômetros Econômicos Globais, divulgados hoje (8) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundaç...

Veja mais
Produção industrial recuou em 7 de 15 locais pesquisados em agosto

A queda de 0,7% na produção industrial em agosto foi resultado do recuo do setor em 7 dos 15 locais pesqui...

Veja mais
IPCA: inflação oficial fica em 1,16% em setembro e atinge 10,25% em 12 meses

A inflação calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerada ...

Veja mais
Mais de dois terços das famílias paulistanas estão endividadas

Mais de dois terços (69,2%) das famílias na capital paulista estavam endividadas em setembro, mostra pesqu...

Veja mais
Varejo e indústria sinalizam otimismo com o Natal

Com vacinação em curso, supermercados e fornecedores apostam em vendas aquecidas para as festas de fim de ...

Veja mais
Cesta básica tem alta em 11 capitais, diz Dieese

O custo da cesta básica registrou aumento em setembro na comparação com agosto em 11 das 17 capitai...

Veja mais
CNC estima faturamento recorde do varejo para o Dia das Crianças

Pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), divulgada o...

Veja mais
Indústria acelera lançamentos em setembro

No período, fabricantes de alimentos se destacaram na intenção de levar novos itens ao mercado, seg...

Veja mais
Indicador da FGV recua em setembro e levanta alerta sobre desemprego

O Indicador Antecedente de Emprego do Brasil caiu em setembro para o nível mais baixo em quatro meses depois de c...

Veja mais