Inflação medida pelo IGP-DI caiu 0,55% em setembro

Leia em 3min 30s

O Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) caiu 0,55% em setembro, após redução de 0,14% em agosto. A alta acumulada no ano está em 15,12% e em 12 meses, 23,43%. Em setembro do ano passado, o índice havia subido 3,30% e acumulava alta de 18,44% em 12 meses. Os dados foram divulgados hoje (6) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre).

 

O IGP é a média dos índices de preços ao produtor (IPA), ao consumidor (IPC) e de custo da construção civil (INCC). Segundo o instituto, o indicador revela as fontes de pressão inflacionária e a evolução dos preços de produtos e serviços mais relevantes para esses três grupos.

 

Segundo o coordenador dos Índices de Preços do FGV Ibre, André Braz, a queda no IGP-DI foi influenciada pela diminuição no preço de commodities.

 

"A queda de 22,11% registrada no preço do minério de ferro influenciou novamente o resultado da inflação ao produtor, que recuou de 0,42% em agosto para recuo de 1,17% em setembro. Afora o comportamento do minério, os preços de outras commodities importantes também apresentaram quedas, como milho (5,26% para -5,10%), bovinos (-0,24% para -2,69%) e soja (4,25% para -0,32%)".

 

Componentes
Entre os componentes do IGP-DI, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) apresentou queda mais intensa em setembro. A taxa passou de menos 0,42% em agosto para menos 1,17%. Por estágios de processamento, o grupo bens finais desacelerou de 2,19% em agosto para 1,26% em setembro, puxados pelos alimentos in natura, cuja taxa passou de 8,09% para 2,22% na passagem do mês. O índice de bens finais (ex), que exclui os alimentos in natura e combustíveis para o consumo, variou 1,15% em setembro, depois da alta de 1,64% em agosto.

 

A taxa do grupo bens intermediários passou de 1,84% para 1,91% em setembro, com o aumento no subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, cuja taxa passou de 0,53% em agosto para 1,87%. O índice de bens intermediários (ex), que exclui combustíveis e lubrificantes para a produção, desacelerou para 1,91% em setembro, depois da alta de 2,05% no mês anterior. Já o estágio das matérias-primas brutas caiu 5,75% em setembro, depois da queda de 4,17% em agosto. O grupo foi puxado pelo minério de ferro (21,39% para 22,11%), milho em grão (5,26% para 5,10%), soja em grão (4,25% para 0,32%) e bovinos (0,24% para 2,69%). Pelas altas, o FGV Ibre destaca a mandioca (4,14% para 6,71%) e a cana-de-açúcar (0,87% para 1,45%).

 

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 1,43% em setembro, depois da alta de 0,71% em agosto. Dentro do IPC, cinco das oito classes de despesa componentes tiveram acréscimo na taxas de variação: habitação (0,59% para 2,59%), educação, leitura e recreação (1,03% para 2,90%), transportes (0,69% para 1,50%), comunicação (0,05% para 0,39%) e despesas diversas (0,18% para 0,30%).

 

O instituto destaca a alta de eletricidade residencial, cuja variação passou de 0,93% em agosto para 8,52% em setembro, passagem aérea (7,25% para 22,70%), gasolina (1,14% para 3,38%), telefonia, internet e TV por assinatura (-0,19% para 1,04%) e serviços bancários (0,15% para 0,27%).

 

Tiveram queda na taxa de variação os grupos saúde e cuidados pessoais (0,49% para 0,14%), alimentação (1,25% para 1,09%) e vestuário (0,38% para 0,28%), puxados por artigos de higiene e cuidado pessoal (1,16% para -0,01%), hortaliças e legumes (4,25% para 2,51%) e acessórios do vestuário (0,82% para -0,01%).

 

Os dados do FGV Ibre apontam que o núcleo do IPC registrou taxa de 0,46% em setembro, ante 0,53% no mês anterior, e o índice de difusão mostrou que a proporção de itens com taxa de variação positiva ficou em 65,48%, 12,58 pontos percentuais abaixo do registrado em agosto, quando o índice foi de 78,06%.

 

O último componente do IGP-DI, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) variou 0,51% em setembro, depois da alta de 0,46% em agosto. Materiais e equipamentos desaceleraram de 1,01% para 0,71%; serviços foram de 0,47% para 0,35% e a mão de obra não variou em agosto e subiu 0,37% em setembro.


Fonte: Agência Brasil

 


Veja também

Indústria acelera lançamentos em setembro

No período, fabricantes de alimentos se destacaram na intenção de levar novos itens ao mercado, seg...

Veja mais
Indicador da FGV recua em setembro e levanta alerta sobre desemprego

O Indicador Antecedente de Emprego do Brasil caiu em setembro para o nível mais baixo em quatro meses depois de c...

Veja mais
Após 3 altas seguidas, vendas do comércio caem 3,1% em agosto

As vendas do comércio varejista caíram 3,1% em agosto, na comparação com julho, interrompend...

Veja mais
Recorde de endividamento no país em setembro

Sete a cada dez brasileiros estão endividados mostra levantamento da Confederação Nacional do Com&e...

Veja mais
Pagamentos por aproximação com NFC somam R$ 41 bilhões

Aumento exponencial de transações se deu pelo viés da proteção onde o cliente s&oacut...

Veja mais
Produção industrial cai pelo terceiro mês seguido

A produção industrial do Brasil caiu pelo terceiro mês seguido, registrando retração d...

Veja mais
Operações do Pix à noite terão limite de R$ 1 mil a partir de hoje

Medida vale entre as 20h e as 6h A partir de hoje (4), as transferências e pagamentos feitos por pessoas f&ia...

Veja mais
Inflação atingiu pico em setembro, diz presidente do Banco Central

A alta da inflação deve ter chegado ao seu maior nível em setembro, na avaliação do p...

Veja mais
Faturamento da indústria de transformação recua 3,4% em agosto

O faturamento real da indústria de transformação apresentou queda de 3,4% no mês de agosto em...

Veja mais