Ambev inaugura fábrica que produz 1,5 bilhão de latas ao ano, e sem bebida

Leia em 1min 50s

A pandemia da covid-19 mudou os hábitos dos consumidores. Para as fabricantes de bebidas alcoólicas, por exemplo, foi preciso manter o abastecimento das latas em dia uma vez que os bares foram fechados, o consumo se deu em casa e a garrafa ficou de lado.

Em meio a esse cenário, a Ambev começou a operar sua primeira fábrica de latas, localizada em Sete Lagoas, Minas Gerais – e, segundo eles, a primeira de uma indústria de bebidas no Brasil. A unidade tem capacidade de produção de 1,5 bilhão de latas de alumínio por ano e vai, nesse primeiro momento, ser chave para ajudar a atender o aumento da demanda da embalagem.

“Há um ano, quando começamos a construir essa nova unidade, queríamos aumentar nossa capacidade. Era um projeto olhando o longo prazo. Assim que vimos a alta demanda por latas, aceleramos as obras para conseguir atender a essa demanda crescente”, afirma Mauricio Soufen, vice-presidente fabril da Ambev. O investimento divulgado no início da construção foi de 700 milhões de reais.

Construída em uma área de 45 mil metros quadrados, a unidade abriga duas linhas de produção de latas, uma linha de tampas e funcionará com energia 100% renovável. Todo o alumínio usado na produção da fábrica é brasileiro, sendo que 75% é reciclado.
“A operação tem um impacto ambiental bastante positivo, afinal alumínio é amplamente reciclado no Brasil”, diz Rodrigo Figueiredo, vice-presidente de suprimentos e sustentabilidade da companhia.

Nos últimos cinco anos, a Ambev destinou cerca de 2 bilhões de reais em Sete Lagoas, Juatuba e Uberlândia, no Triângulo Mineiro, gerando quase 100 mil empregos diretos e indiretos em Minas Gerais.

Indústria

Recentemente, a fabricante de bebida Heineken priorizou o lançamento de cervejas em lata para a marca Baden Baden com a versão de 350 ml dos estilos Cristal, IPA e Witbier. Já o Grupo Petrópolis inauguro em agosto uma fábrica com quatro linhas capacitadas para o envase de 256 mil latas/hora e 140 mil garrafas/hora, priorizando neste momento a produção das latas.

“Percebemos que as pessoas não diminuíram o consumo em volume, mas deixaram as garrafas de lado e priorizaram as latas para beber em casa”, disse Marcelo de Sá, diretor de controladoria do Grupo Petrópolis à EXAME.


Fonte: Exame  


Veja também

Preço do leite acumula alta de 42% em 2020 e deve subir ainda mais

Desde o início deste ano, o preço do leite registrou uma valorização de 42,5%, na “Mé...

Veja mais
Ambev defende moderação e assume compromisso de ajudar na redução do consumo de álcool

A Ambev está em uma jornada de consumo consciente há mais de 20 anos. Nesse período, abriu discuss&...

Veja mais
Preço do leite ao consumidor tende a desacelerar com o fim da entressafra

O Índice de Preços ao Consumidor (IPCA), divulgado pelo IBGE, apresentou um aumento do preço leite ...

Veja mais
Heineken compra marca de cerveja peruana Tres Cruces

A Heineken entra para o mercado peruano e adquire a marca de cerveja Tres Cruces, do Peru. Com a aquisição...

Veja mais
Heineken cria vice-presidência digital e quer ser a cervejaria mais conectada do mundo

O grupo Heineken está acrescentando um novo ingrediente além do malte e do lúpulo na batalha das ce...

Veja mais
Preços do leite atingem recorde em agosto no Estado

O período de entressafra, o consumo elevado e a maior disputa entre os laticínios para aquisiç&atil...

Veja mais
Preço do leite no RS tem o maior valor em 14 anos

No ritmo do comportamento do consumidor na pandemia, o leite do Rio Grande do Sul engatou uma alta que chega a um moment...

Veja mais
Leite: preço deve bater recorde em agosto e continuar subindo no 2° semestre, diz Cogo

Os preços do leite pago ao produtor e dos derivados lácteos devem subir ao longo do segundo semestre de 20...

Veja mais
Aumento da demanda faz preço do leite subir

O setor de lácteos no Brasil vem obtendo resultados positivos e, apesar da pandemia de Covid-19, a demanda segue ...

Veja mais