Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Economia

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Economia

10/02/2020 15:45 - Número de pessoas que ganham até três salários aumenta

No período de dez anos, o Grande ABC registrou aumento no número de trabalhadores com carteira assinada que recebem até três salários mínimos (R$ 3.135). Entre 2008 e 2018, o grupo aumentou de 429,8 mil pessoas para para 501,7 mil, ou seja, acréscimo de 71,9 mil colaboradores. Se em 2008 este bloco representava 59% do total do mercado formal, em 2018 a proporção atingiu a marca de 69%.


O levantamento foi feito com base nos números da Rais (Relação Anual de Informações Sociais) do Ministério da Economia pelo coordenador de estudos do observatório econômico da Universidade Metodista de São Paulo, professor Sandro Maskio, a pedido do Diário. Nos números consolidados da Rais, 2018 é o ano mais recente disponível.


O saldo mostra que, no período desta década, o mercado formal da região ganhou 4.217 postos de trabalho com carteira assinada. Somente o saldo - admissões menos demissões - relativo à faixa de remuneração até três salários mínimos ficou positiva em 71,8 mil pessoas. Acima desse índice de remuneração, todas as faixas ficaram no negativo (veja mais na arte abaixo).


Ou seja, os dados mostram que o emprego com menor faixa salarial foi o único indicador que cresceu no período. De acordo com Maskio, ainda efeito da retração econômica que teve início em meados de 2014 em todo o País, sem recuperação consolidada.


"Ainda há um efeito forte da retração do mercado de trabalho. A redução no número de pessoas empregadas, por causa da crise, vai gerar um movimento onde há muitos desempregados. Ou seja, a oferta é muito grande, isso amplia a rotatividade no mercado de trabalho, porque no momento de substituir, o empregador vai trocar a mão de obra com valor maior por aquela de salário menor e há muitos mais pessoas disponíveis para essa vaga", analisou o docente.


Economista e coordenador do curso de administração do Instituto Mauá de Tecnologia, Ricardo Balistiero também cita que a crise eliminou funções de trabalho, que, inclusive, estavam no topo do organograma das empresas. "O corte aconteceu desde postos de trabalho na produção, mas foi até cargos de chefia. Há muitos executivos que perderam o emprego nesse período e estão procurando colocação até hoje ou aceitaram um emprego que paga menos", disse.


Para Maskio, isso ilustra uma situação alarmante no mercado de trabalho regional: há diminuição no emprego mais qualificado, que, na teoria, é o que tem maiores salários, o que pode gerar consequência até na entrada de jovens nas universidades.


"É muito preocupante, porque esses trabalhadores que ganham menos são pessoas que tiveram que reajustar o padrão de vida. Com isso, há diminuição na capacidade de consumo das famílias, porque o salário é achatado (leia mais ao lado). Isso impacta em diversos setores da economia como comércio e serviços. Além disso, também pode gerar um efeito muito ruim de desestímulo à qualificação das pessoas, o que traz consequências a longo prazo. Temos uma situação onde pessoas qualificadas ficam longe do mercado, acontece a depreciação desses profissionais e gerações mais novas têm pouco estímulo para estudar. Isso porque a sociedade observa que a qualificação e educação não dão essa resposta de um bom emprego", analisou Maskio.


Parte deste cenário também foi retratada em reportagem do Diário na última semana, em que foi mostrado que a região possui mais empregos, porém a remuneração caiu. Além disso, em 2019, o salário médio dos demitidos (R$ 2.077,02) na região superou a remuneração média dos contratados (R$ 1.724,92).
Para Maskio, a situação deve demorar mais de uma década para mudar, caso o crescimento continue nesse ritmo. "A economia precisa crescer e precisamos voltar a gerar emprego, que é sempre o último indicador a se recuperar."


Fonte: Diário do Grande ABC

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

17/02/2020 12:28 - Analistas do mercado baixam estimativa de inflação para 2020 e veem alta menor do PIB
17/02/2020 12:26 - Prévia do PIB mostra que otimismo ainda não resultou em crescimento
17/02/2020 12:23 - Revisão de aposentadorias pode gerar custo de R$ 46,4 bi
17/02/2020 12:20 - Prévia do PIB registra crescimento de 0,89% em 2019, diz Banco Central
17/02/2020 12:18 - Fux adia julgamento contra tabela do frete
17/02/2020 12:16 - Alta já pesa no bolso
17/02/2020 11:47 - Boa Vista: índice que mede movimento do comércio no País cresce 1% em janeiro
17/02/2020 11:31 - Preço da ceta básica varia até 100% em supermercados
14/02/2020 12:36 - ’Prévia’ do PIB do Banco Central indica que economia brasileira cresceu 0,89% em 2019
14/02/2020 12:13 - IBGE: abate de bovinos cai e de suínos e frangos sobe no trimestre

Veja mais >>>