(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

Com vitória de Estados mais pobres, reforma do ICMS avança no Senado 25/04/2013 às 17h

Manobra mantém margem para concessão de benefício na guerra fiscal




Em derrota dos Estados mais desenvolvidos, a Comissão de Assuntos Econômicos do Senado aprovou ontem nova versão do projeto do governo para a reforma do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).


Por pressão dos governadores das regiões mais pobres, foram abertas brechas no texto que procura eliminar a guerra fiscal, na qual os Estados menos industrializados disputam a atração de empresas com a concessão de benefícios tributários.


Diante do conflito entre as unidades da Federação, ficou para a próxima semana a análise das propostas de modificação do projeto, que depois ainda terá de passar pelo plenário do Senado.
Para acabar com a guerra fiscal, pretende-se --ou pretendia-se-- unificar em 4%, até 2021, a alíquota do ICMS cobrada pelos Estados produtores sobre bens vendidos a outros Estados.


Hoje essa alíquota é bem mais alta, de 12% na maior parte das transações. Ou seja, se o ICMS sobre um produto é de 18%, o Estado de origem cobra 12%, e o do destino, 6%.
A regra atual estimula a concessão de benefícios, porque os Estados têm maior margem para oferecer descontos na tributação e manter parte da receita.


Para preservar em parte essas oportunidades, os Estados mais pobres conseguiram uma alíquota interestadual de 7% para artigos industrializados e agropecuários do Norte, do Nordeste, do Centro-Oeste e do Espírito Santo.
A alíquota foi mantida em 12% para produtos oriundos de áreas de livre comércio, como a Zona Franca de Manaus.


Contrário ao texto, o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) disse ter ouvido do governador paulista, Geraldo Alckmin (PSDB), que, se o texto for mantido, "não sobrará indústria em São Paulo".
Os Estados mais industrializados não são os únicos interessados no fim dos incentivos. Para o governo federal e especialistas, a prática prejudica a eficiência da economia e a expansão dos investimentos, ao induzir empresários a se instalar em locais inadequados.


OBSTÁCULO
Embora as alterações tenham facilitado a votação de ontem, a nova versão do projeto estabelece condições que podem dificultar, mais à frente, a reforma do ICMS.


Também atendendo a reivindicações dos governadores, ficou estabelecido que as novas regras só entrarão em vigor se uma lei complementar definir fundos de compensação aos Estados e estímulo ao desenvolvimento.
A estratégia original era criar esses fundos por medida provisória, cuja aprovação é mais simples: depende da maioria dos presentes nas votações, enquanto a lei complementar exige mais de 50% do total de deputados e senadores.


Os Estados mais ricos --São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina-- contam com apenas 22% dos senadores, mas as suas bancadas chegam a 48% da Câmara dos Deputados.


CAROLINA OMSGUSTAVO PATUDE BRASÍLIA



Fonte: Folha.com.br (25.04.13)




Clipping Portal ABRAS


Últimas

» Receita Federal atualiza normas referentes ao CNPJ 24 de Novembro 2020, às 16h
» Darf para pagamento de parcelamentos será emitido exclusivamente pela Internet 24 de Novembro 2020, às 16h
» Proposta prevê renegociação de dívidas tributárias para minimizar impacto da pandemia 24 de Novembro 2020, às 16h
» Justiça do Trabalho fará mobilização nacional para encerrar processos trabalhistas 24 de Novembro 2020, às 16h
» Pagamento em dobro de valor cobrado indevidamente pode ser pedido em embargos monitórios 24 de Novembro 2020, às 16h
» Prazos suspensos no TRT/RJ nos dias 23 e 24/11 24 de Novembro 2020, às 16h
» TRT 4ª Região – Bandeira Vermelha: Justiça do Trabalho terá atividades presenciais suspensas em 31 cidades a partir desta terça-feira 24 de Novembro 2020, às 16h
» BC modifica regulamento que disciplina funcionamento do Pix 23 de Novembro 2020, às 16h
» Receita anuncia regras para declaração do IRRF de 2020 23 de Novembro 2020, às 16h
» Empresa não é obrigada a cumprir oferta quando erro no preço for de fácil constatação 23 de Novembro 2020, às 16h

Ver mais »