(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

Estados divergem sobre unificação de ICMS de importados 11/03/2013 às 15h

Três meses após a unificação do ICMS para produtos importados, os Estados ainda não chegaram a um acordo sobre quais informações deverão ser prestadas pelas empresas que compram matéria-prima vinda do exterior. 


O prazo para o início da prestação de contas, que era 1º de janeiro, foi adiado para maio. Uma reunião, em abril, tentará pôr fim à divisão.


Instituída para desencorajar a guerra dos portos (incentivos tributários concedidos a importadores), a unificação do ICMS para bens importados exige que o fabricante brasileiro indique quanto, do seu produto final, é composto por itens estrangeiros.


Se ultrapassar 40%, o ICMS será diferenciado, com alíquota única de 4% em vendas interestaduais.


Mas as empresas têm se queixado de que, ao informar a fatia importada, elas revelam informações estratégicas às rivais. Muitas buscaram a Justiça, que, em alguns casos, decidiu a favor das empresas e suspendeu a exigência.


Diante da enxurrada de queixas --vindas até de entidades industriais que lutaram pelo fim do benefício a importadores--, os Estados estudam retirar a exigência da FCI (Ficha de Conteúdo de Importação).


No lugar, as empresas informariam apenas o valor (em reais) do que foi importado.
Segundo Estados que defendem a mudança, como São Paulo, dessa maneira não haveria quebra de sigilo e o importado continuaria "visível" para tributação.


Mas uma frente de Estados liderados por Mato Grosso do Sul passou a defender um afrouxamento maior. Só seriam obrigados a preencher a FCI os empresários que vendessem em outros Estados. Operações internas não precisariam do documento.


A discordância rachou o Confaz (conselho que reúne os secretários estaduais de Fazenda) e uma reunião está agendada para o mês que vem para decidir o tema.


Para os contrários ao afrouxamento, a medida dificulta o rastreamento dos produtos importados.


De acordo com a advogada Priscila Dalcomuni, do escritório Martinelli Advogados, a menos de dois meses do início da obrigação, Estados como Rio de Janeiro e Alagoas nem sequer criaram legislações internas para orientar as empresas.


"Nada está pronto e a exigência começa em maio. Os Estados estão apenas se reunindo e discutindo para excluir parte das obrigações", afirma a advogada.


Mesmo sem definição final, a Secretaria da Fazenda de São Paulo criou um aplicativo que pode ser usado pelos demais fiscos estaduais.


Nele, as empresas poderão enviar pela internet a Ficha de Conteúdo de Importação. O dado ficará disponível também para os Estados de destino das mercadorias.


O sistema está em fase de testes até o fim de abril no site www.fazenda.sp.gov.br.


Segundo José Clóvis Cabrera, superintendente de arrecadação do Estado de São Paulo, a ficha virtual já contempla a versão mais "light" (apenas o valor importado, sem o percentual).


"É uma exigência que tem data para terminar. A FCI tende a ser eliminada com a unificação do ICMS para todos os produtos", diz Cabrera.

 

MARIANA CARNEIRO
DE SÃO PAULO

 


Fonte: Folha de São Paulo (09.03. 13)

 




Clipping Portal ABRAS


Últimas

» Convenção ABRAS 2020 começa na próxima segunda-feira 21 de Outubro 2020, às 16h
» Suspensão de prazos de processos físicos no STF é prorrogada até 19 de dezembro 21 de Outubro 2020, às 15h
» TST adotará etapa preliminar para retorno ao trabalho presencial 21 de Outubro 2020, às 15h
» AUDIÊNCIAS PRESENCIAIS SÃO RETOMADAS PARCIALMENTE NA JUSTIÇA DO TRABALHO DE SÃO PAULO 21 de Outubro 2020, às 15h
» Juízo arbitral pode reanalisar mérito de sentença judicial em cautelar pré-arbitral, inclusive quanto a honorários 21 de Outubro 2020, às 15h
» Eleições 2020: protocolo deve ser seguido no dia da votação 21 de Outubro 2020, às 15h
» Presidente da ABRAS participa da abertura da Exposuper On-line 20 de Outubro 2020, às 18h
» Governo avança para a última regulamentação pendente da Lei de Liberdade Econômica 20 de Outubro 2020, às 15h
» NJ - Justiça do Trabalho rejeita cobrança de “cota negocial” firmada em norma coletiva para empregados não sindicalizados 20 de Outubro 2020, às 15h
» Justa causa por desídia só é ilegal se demissão ocorreu por ato já punido 20 de Outubro 2020, às 15h

Ver mais »