(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

Conselho reduz multa da Nestlé 25/10/2012 às 15h

O Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) livrou a Nestlé de pagar uma multa de R$ 12,5 milhões para a Receita Federal. A penalidade havia sido aplicada porque a companhia não teria depositado em juízo R$ 16,8 milhões, referentes ao valor de uma autuação pelo não recolhimento do Imposto de Renda (IR) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Não cabe mais recurso.


A decisão é da 1ª Turma da Câmara Superior de Recursos Fiscais do Carf. O conselho é a última instância administrativa para discussão de autuações da Receita Federal.


Quando o Fisco examinou os livros contábeis e fiscais da Nestlé verificou que a empresa depositou R$ 15,21 milhões em juízo - valor inferior ao que era exigido. Para aplicar a multa sobre o valor total que deveria ter sido depositado em juízo, e não apenas sobre a diferença que faltava, a Receita autuou a empresa com base no Código Tributário Nacional (CTN). Um dispositivo da norma determina que somente o depósito integral suspende a exigência do crédito tributário.


Duas decisões já proferidas pelo Carf seguiam o entendimento do Fisco. No entanto, no julgamento realizado ontem, os conselheiros votaram a favor do contribuinte, no sentido de que o valor que já havia sido depositado estava lançado. Assim, sobre ele não cabia aplicar multa ou juros.


Na prática, a Nestlé conseguiu a aplicação de multa de 75% apenas sobre a diferença que não foi depositada em juízo. A 1ª Câmara do Carf já havia reduzido o valor da multa. Os conselheiros tinham decidido que a empresa deveria ter depositado R$ 15,99 milhões pelo não recolhimento dos tributos. Assim, ao invés de pagar R$ 12,5 milhões, a Nestlé vai desembolsar aproximadamente R$ 580,5 mil.


O advogado Celso Costa, do Machado Meyer, que representa a empresa no processo, afirmou que a decisão do Carf reflete uma "evolução" sobre a natureza do depósito judicial. Para ele, o julgamento abre precedente para que não haja uma duplicidade de cobrança pelo Fisco sobre valores já depositados em juízo.



Por Murilo Rodrigues Alves | De Brasília
Fonte: Valor Econômico (25.10.12)

 




Clipping Portal ABRAS


Últimas

» Relator de comissão mista propõe Imposto sobre Bens e Serviços em substituição a cinco tributos atuais 05 de Maio 2021, às 14h
» Lira susta comissão da Câmara sobre reforma tributária e defende tramitação eficiente da proposta 05 de Maio 2021, às 14h
» Novo eSocial Simplificado: como será a implantação para pessoas físicas e jurídicas 05 de Maio 2021, às 14h
» Inmetro regulamenta acondicionamento de balas, doces, chocolates e pastilhas 05 de Maio 2021, às 14h
» Códigos são alterados em Tabela de Imposto sobre Produtos Industrializados 05 de Maio 2021, às 14h
» Covid-19: estado do Rio prorroga medidas de restrição até dia 18 05 de Maio 2021, às 14h
» DIRETOR-EMPREGADO NÃO RESPONDE SUBSIDIARIAMENTE PELAS OBRIGAÇÕES DA EMPRESA RECLAMADA 05 de Maio 2021, às 14h
» Projeto proíbe precificação dinâmica de produtos e serviços 05 de Maio 2021, às 14h
» STF – prorrogada a suspensão de prazos de processos físicos em trâmite no Supremo Tribunal Federal. 05 de Maio 2021, às 14h
» TJRS – Emissão de alvarás de folha corrida e certidões estão indisponíveis 05 de Maio 2021, às 14h

Ver mais »