(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

STF homologa aditivo e prorroga acordo sobre perdas inflacionárias de planos econômicos 01/06/2020 às 14h

 

O acordo tinha vigência até 12/3/2020, mas o termo aditivo o prorroga por 60 meses, a partir da data de homologação, para permitir que mais poupadores possam aderir.

 

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), em sessão virtual finalizada na noite de ontem (28), homologou Termo Aditivo ao Acordo Coletivo de Planos Econômicos firmado no âmbito da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 165. A ação se refere ao pagamento de diferenças de perdas inflacionárias decorrentes dos planos econômicos Bresser, Verão, e Collor II, conforme acordo homologado em março de 2018 pelo STF.

 

O acordo tinha vigência até 12/3/2020, mas o termo aditivo o prorroga por 60 meses, a partir da data de homologação, para permitir que mais poupadores possam aderir. Além disso, as partes decidiram incluir os expurgos inflacionários de poupança referentes ao Plano Collor I.

 

Aditivo

O aditivo foi acertado entre Advocacia-Geral da União (AGU) e representantes de entidades civis de defesa do consumidor, de poupadores e de instituições financeiras. A homologação se deu por unanimidade, nos termos do voto do Relator, Ministro Ricardo Lewandowski.

 

No termo aditivo, as partes informaram ao Relator que o número de adesões ao acordo foi inferior ao inicialmente esperado, o que justifica o aprimoramento dos termos para a inclusão do Plano Collor I e para o incremento das adesões. Para essa finalidade, o aditivo incluiu poupadores com contas em instituições financeiras abrangidas pelo PROER; estendeu a data de corte estabelecida para a elegibilidade de poupadores que executam sentenças coletivas ainda não transitadas em julgado; e previu incentivos financeiros, como pagamentos em parcela única e elevação da verba honorária para 15% do valor do acordo.

 

Ao receber o aditivo, o Ministro determinou a publicação no Diário Oficial e levou-o ao Plenário para homologação, a fim de dar a maior publicidade possível às cláusulas e às condições do contrato. Segundo Ricardo Lewandowski, somente assim os interessados poderão fazer livremente a sua opção de aderir ou de rejeitar o acordo, “da maneira mais consciente possível". Dessa forma, o Ministro acredita na resolução do que avalia como "o maior caso de litigiosidade repetitiva de que se tem notícia na história do Poder Judiciário nacional”.

 

AR/CR//CF

 

Leia a íntegra do aditivo.

 

Processo relacionado: ADPF 165

 

Fonte: STF – 29/05/2020.

 

 




Clipping Portal ABRAS


 

Últimas

» Câmara aprova MP que facilita crédito a pequenas e médias empresas 10 de Julho 2020, às 14h
» Covid-19: Desembargador mantém vigência de decreto sobre retomada de atividades no DF 10 de Julho 2020, às 14h
» Rio de Janeiro amplia horário de shoppings e reabre ruas de lazer 10 de Julho 2020, às 14h
» Adiada votação de MP que altera regras trabalhistas em razão da pandemia 10 de Julho 2020, às 14h
» Câmara adia votação de projeto que susta norma sobre julgamentos do Carf 10 de Julho 2020, às 14h
» AGORA É LEI: ALERJ DEVERÁ DEBATER TERMOS DOS CONVÊNIOS DO CONFAZ 10 de Julho 2020, às 14h
» Sociedade unipessoal de advocacia deve ter tratamento tributário de pessoa jurídica 10 de Julho 2020, às 14h
» TJSP – Sistemas judiciais estarão indisponíveis no plantão do próximo final de semana 10 de Julho 2020, às 14h
» INSS em São Paulo cria alternativa para receber exigências e agilizar análise dos benefícios durante a pandemia 10 de Julho 2020, às 14h
» Bolsonaro sanciona lei que prioriza teste para profissional essencial 09 de Julho 2020, às 14h

Ver mais »