(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

Privatização dos Correios deve avançar no Congresso 22/01/2020 às 15h

Processo de venda irá ocorrer em 2021

 

O Secretário Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar, acredita que "o Congresso brasileiro é muito sensato e responsável" para conseguir concretizar a privatização dos Correios. "Não faz sentido mais ter uma empresa para entregar cartas se ninguém mais escreve cartas", afirmou o secretário em entrevista.

 

Mattar elencou, entre as razões pela privatização dos Correios, o aumento no número de funcionários, a perda de eficiência e o déficit com o plano de saúde dos funcionários de R$ 3,9 bilhões e no fundo de pensão Postalis de R$ 11 bilhões. "Vai chegar uma hora em que não terá mais condições de continuar funcionando."

 

Ainda segundo o secretário, sobre os critérios de desestatização, "a coisa mais estratégica em um país é educação, saúde, segurança e saneamento. Isso é que é estratégico", e citou como exemplos em que o interesse estatal é discutível, citando casos como o da Embraer e o do Banco do Brasil. "Estratégico em um país é a qualidade de vida do cidadão."

 

Entre as metas da Secretaria para 2020, o Secretário disse, também, que espera vender cerca de 300 ativos, entre controladas, subsidiárias, coligadas e participações do governo, e arrecadar em torno de R$ 150 bilhões.

 

Mattar defendeu, ainda, que o Governo deve privatizar suas empresas geradoras e transmissoras de energia. Segundo o secretário especial, há US$ 1,5 trilhão para investimentos disponíveis no mundo, sobretudo em infraestrutura, que abarca os setores de energia, nos quais seriam destinados boa parte desses recursos. "Se existe US$ 1,5 trilhão que pode construir geradoras e distribuidoras de energia, não há motivo para o Estado manter esse tipo de negócio", disse.

 

Perguntado sobre o andamento das concessões de estatais que estão no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) e no Programa Nacional de Desestatização (PND), Mattar afirmou que o governo pretende vender as subsidiárias ligadas ao Banco do Brasil, Caixa e Petrobras.

 

Segundo o secretário especial, as concessões das subsidiárias não precisam de aval do Congresso e, portanto, devem caminhar mais rapidamente.

 

Já as companhias que precisam passar pelo Congresso, como a Casa da Moeda e os Correios, "podem atrasar". A previsão do secretário é de que a Casa da Moeda seja concedida à iniciativa privada neste ano, mas ponderou que a concessão dos Correios deve ocorrer apenas em 2021, por se tratar de "uma empresa maior".

 

Fonte: Jornal do Comércio RS – 22/01/2020




Clipping Portal ABRAS


Últimas

» Saiba como está a retomada do atendimento presencial nos Tribunais de Justiça 03 de Agosto 2020, às 14h
» TJSC - Justiça suspende Decreto que limitou funcionamento de Supermercados em Orleans 03 de Agosto 2020, às 14h
» Confederação contesta lei do RJ que exige empacotadores em supermercados durante pandemia 03 de Agosto 2020, às 14h
» STF prorroga suspensão de prazos de processos físicos até 15 de agosto 03 de Agosto 2020, às 14h
» PGFN prorroga suspensão dos atos de cobrança até 31 de agosto 03 de Agosto 2020, às 14h
» Transação extraordinária e transação por adesão são prorrogadas 03 de Agosto 2020, às 14h
» Comissão da Reforma Tributária retoma trabalhos; Guedes será ouvido na quarta 03 de Agosto 2020, às 14h
» Incidência cumulativa do PIS sobre faturamento de prestadoras de serviços ainda é constitucional 31 de Julho 2020, às 14h
» Senado aprova MP que permite saque extraordinário do FGTS; texto volta à Câmara 31 de Julho 2020, às 14h
» Receita Federal consolida normas relativas ao IOF em uma única instrução normativa 31 de Julho 2020, às 14h

Ver mais »