(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

Corregedoria Nacional proíbe “divórcio impositivo” em todo país 03/06/2019 às 11h

O Corregedor Nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, determinou que o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) revogue provimento editado pela corregedoria local que instituiu o chamado “divórcio impositivo”. A corregedoria também expediu recomendação a todos os tribunais de Justiça do país para que se abstenham de editar atos normativos no mesmo sentido.

 

O Provimento nº 6/2019, da Corregedoria-Geral de Justiça de Pernambuco (CGJ/PE), regulamentou o procedimento de averbação de divórcio, nos serviços de registro de casamento, por ato de autonomia de vontade de um dos cônjuges, mesmo sem a existência de consenso.

 

De acordo com o corregedor nacional de Justiça, no entanto, o ordenamento jurídico brasileiro não permite que o divórcio seja realizado extrajudicialmente quando não há consenso entre o casal. Para Martins, o provimento de Pernambuco usurpou competência legislativa outorgada à União. 

 

“Além do vício formal, o Provimento n. 06/2019 da CGJ/PE não observa a competência privativa da União nem o princípio da isonomia, uma vez que estabelece uma forma específica de divórcio no Estado de Pernambuco, criando disparidade entre esse e os demais estados que não tenham provimento de semelhante teor”, considerou o ministro.

 

Única via

Humberto Martins reconheceu que ninguém é obrigado a permanecer casado contra a vontade, que o divórcio é um direito potestativo, mas que o único caminho possível, dentro do ordenamento jurídico brasileiro, é via Poder Judiciário.

 

“Se houver conflito de interesses, impor-se-á a apreciação pelo Poder Judiciário por expressa previsão legal. Essa é a solução escolhida pelo legislador federal. Outras há, inclusive em países estrangeiros, que podem ser melhores, mais atuais ou até mesmo mais eficazes. Nenhuma delas, porém, obteve o reconhecimento do Congresso Nacional brasileiro. Só por essa razão, de nada lhes adiantarão todos esses supostos méritos”, disse o ministro.

 

A decisão do corregedor alcança todos os tribunais do país, pois também foi expedida a Recomendação 36/2019 da Corregedoria para que todos os tribunais de Justiça do país se abstenham de editar atos normativos que regulamentem a averbação de divórcio por declaração unilateral de um dos cônjuges ou, na hipótese de já terem editado atos normativos de mesmo teor, que providenciem a sua imediata revogação.

 

Fonte: Corregedoria Nacional de Justiça – 31/05/2019.




Clipping Portal ABRAS


Últimas

» ABRAS e DOVE iniciam inscrições para o Prêmio Mulheres que Inspiram no Varejo 30 de Setembro 2020, às 17h
» CNDC cria comissões especiais para defesa do consumidor 30 de Setembro 2020, às 15h
» Deputados aprovam MP que prevê R$ 20 bilhões para socorro a empresas na pandemia 30 de Setembro 2020, às 15h
» Plataforma digital de pagamentos ao Tesouro será lançada em novembro 30 de Setembro 2020, às 15h
» Prazo de entrega da declaração do ITR acaba hoje 30 de Setembro 2020, às 15h
» Eleitor poderá justificar falta pelo celular 30 de Setembro 2020, às 15h
» Pessoa que teve assinatura falsificada em contrato social de empresa será indenizada 30 de Setembro 2020, às 15h
» A União liberou hoje R$ 5 bilhões para financiar MEI e micro e pequena empresas 29 de Setembro 2020, às 15h
» Governo anuncia Renda Cidadã, com recursos de precatórios e do Fundeb 29 de Setembro 2020, às 15h
» Seção Especializada em Execução do TRT-RS edita oito novas Orientações Jurisprudenciais 29 de Setembro 2020, às 15h

Ver mais »