(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

Mais Acordos Comerciais para a Indústria 13/09/2016 às 12h

A Indústria brasileira precisa de maior acesso a mercados externos. Ao acumular dois anos de recessão no mercado interno, as Empresas passaram a incluir a integração ao mercado internacional em seus modelos de negócio. Grandes ou pequenas, elas buscam oportunidades para vender seus produtos e serviços, importar insumos e tecnologia e prospectar parcerias e investimentos estrangeiros.

 

Os dados sobre a desconexão do Brasil são conhecidos. Hoje, as Empresas brasileiras acessam, livre de imposto de importação, apenas 8% de todo o comércio internacional. Além disso, o País é a economia do G-20 que apresenta o maior diferencial entre sua posição no ranking mundial do PIB (7.º) e naquele dos exportadores (25.º), fato que atesta o custo de oportunidade de seu isolamento.

Foi com base nesse cenário que a Indústria iniciou, em 2012, uma ampla campanha de comunicação e posicionamento junto do Governo brasileiro para convencê-lo da importância de o Brasil retomar seu programa de negociação de Acordos Comerciais. Desde o advento da Nova República, esse programa passou por três fases distintas.

 

A primeira teve início no período de transição do regime militar para a democracia e se encerrou no Governo Itamar. O objetivo central era resolver a disputa geopolítica com a Argentina e criar um espaço econômico para ampliar as exportações do País. Foi com essa tarefa em mente que o Governo brasileiro, liderado pelo Itamaraty, negociou um Acordo Comercial com o Uruguai, outro com a Argentina e um terceiro com os sócios originais (incluindo o Paraguai) do que viria a ser o Mercosul. Essa fase se encerrou com a assinatura do Protocolo de Ouro Preto, que estabeleceu a Tarifa Externa Comum do bloco.

A segunda fase vigorou durante os governos FHC e Lula. O principal objetivo foi estabelecer, de fato, uma “Área de Livre-Comércio Sul-Americana”. Novamente sob liderança do Itamaraty, a estratégia consistia em conectar os demais países do continente ao Mercosul, por meio de Acordos de Livre-Comércio. Esse modelo foi utilizado com Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela.

 

Foi após a conclusão desse período que se iniciou a terceira fase, na qual o Brasil parece ter perdido o ímpeto e o foco. De um lado, o País negociou Acordos Comerciais relevantes, com parceiros como Egito e México. De outro, buscou também acordos com forte teor político, como os de livre-comércio com Israel e Palestina, e os parciais com os parceiros do Ibas. Apesar dos avanços, o programa desorganizou-se, sobretudo em decorrência da insistência do Brasil em apostar na conclusão da Rodada Doha após sua paralisação.

A negociação de Acordos Comerciais só voltou à ordem do dia em 2015, com o lançamento do Plano Nacional de Exportações (PNE). Liderado desta vez pelo então Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), o PNE foi o primeiro documento oficial a restabelecer diretrizes claras e metas realistas para novos acordos, sobretudo por partir de um amplo esforço de consulta ao setor privado.

 

Com a nova prioridade atribuída ao comércio exterior pelo governo Temer, as condições econômicas e políticas estão dadas para uma grande arrancada negociadora. Nesse contexto, a Indústria conta com o trabalho conjunto do Itamaraty e do MDIC para deslanchar o programa brasileiro.

Na nova fase, os esforços devem ser concentrados nas prioridades do setor industrial: a negociação de Acordos de Livre-Comércio com EUA e União Europeia; a integração com a América do Norte por meio de acordos adicionais com Canadá e México; a ampliação, aprofundamento e negociação de novos acordos com os países da América Latina; e a exploração de oportunidades na África, Ásia e Oriente Médio.

A tarefa não é fácil, mas é possível. Toda grande economia enfrenta seus dilemas, mas nenhuma das que estão à frente do Brasil perdeu tempo na busca por novos mercados.

 

Diego Bonomo*

 

*É GERENTE EXECUTIVO DE COMÉRCIO EXTERIOR DA CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA

 

 

Fonte: Estadão (13.09.2016)




Clipping Portal ABRAS


Últimas

» MPs que garantem auxílio emergencial são prorrogadas 07 de Maio 2021, às 12h
» Estabilidade de gestante não gera alteração de contrato temporário, diz TST 07 de Maio 2021, às 12h
» Plenário do Supremo Tribunal Federal anula extensão automática de patentes 07 de Maio 2021, às 12h
» Darf avulso para pagamento de contribuições previdenciárias não pode mais ser emitido 07 de Maio 2021, às 12h
» Em manutenção, site do Supremo está fora do ar e sem previsão de volta 07 de Maio 2021, às 12h
» TRT 2ª REGIÃO – TRIBUNAL ALERTA SOBRE GOLPE QUE PROMETE PAGAMENTO DE PRECATÓRIO; SAIBA O QUE FAZER 07 de Maio 2021, às 11h
» Programa de redução de salários preserva mais de 500 mil empregos 07 de Maio 2021, às 11h
» Câmara aprova projeto que torna permanente o Pronampe 06 de Maio 2021, às 11h
» Bolsonaro veta projeto que adiava prazo de entrega da Declaração do IR 06 de Maio 2021, às 11h
» Presidente do TJRJ decide pela validade dos decretos municipais no Rio 06 de Maio 2021, às 11h

Ver mais »