(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

FIEB também obtém liminar contra Portaria de Lupi sobre contribuição sindical 16/12/2010 às 15h

A Justiça Federal de Salvador deferiu liminar em favor da FIEB suspendendo os efeitos da Portaria 982/2010 do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

O Juiz Federal Salomão Viana entendeu que a citada Portaria desbordou os limites constitucionais de atuação do MTE ao modificar o sistema legal de partilha e repasse da contribuição sindical. Com a decisão, a FIEB terá garantida a participação de 15%, determinada pela lei nos recursos sindicais recolhidos pelas indústrias do Estado.

Assim, essa é a segunda liminar concedida contra a Portaria do Ministro Lupi (a primeira foi para a FIESP – leia aqui).

FIEB e FIESP (leia aqui) são duas federações de indústria que conseguiram êxito em mandados de segurança contra a Portaria 982. Outras federações da indústria, assim como federações do comércio, também apresentaram mandados de segurança e estão aguardando as decisões. Em resumo, o argumento das entidades é que, no plano legal e constitucional, os sindicatos se vinculam a entidades superiores de acordo com a atividade econômica, conforme dispõe a CLT, e não por uma vontade de filiação, como quer o MTE. Além disso, reclamam que a portaria cria possibilidades não previstas em lei para destinação de recursos da contribuição sindical para a Conta Especial Emprego e Salário, do MTE.

A Justiça Federal da Bahia concordou com os argumentos apresentados, tendo expressado que

“tudo está a indicar que, ao alterar, por meio de uma portaria (a Portaria MTE n. 982), um sistema (o sistema de partilha e de repasse da Contribuição Sindical Patronal) que está previsto na lei (a CLT, nos seus arts. 589 e seguintes), modificando, para pior, a situação jurídica de uma pessoa (a impetrante), a Administração desbordou os limites constitucionais da sua atuação.”

a “referida norma introduziu critério limitador que destoa da classificação e agrupamento prescrito na Constituição Federal e na CLT, as quais referem expressamente a categorias profissionais ou econômicas, que são mais abrangentes que o sentido de filiação sindical.”

também afirmou que

“é dotado de pujança o raciocínio segundo o qual não poderia a Administração, por ato exclusivamente seu, dar aos recursos arrecadados por meio de guias com inconsistência de informações, direção distinta daquela prevista na CLT.

Fonte: Relações do Trabalho.com.br (15.12.10)




Clipping Portal ABRAS


Últimas

» Nova lei regula depósito de benefício a quem teve salário reduzido e antecipa LGPD 18 de Setembro 2020, às 14h
» BC aperfeiçoa a regulamentação cambial 18 de Setembro 2020, às 14h
» TRT 1ª Região – Confira orientações sobre protocolo de classes processuais em segunda instância 18 de Setembro 2020, às 14h
» LEI 14.010/20 NÃO SE APLICA A PROCESSOS PRESCRITOS ANTES DE 10 DE JUNHO DE 2020 18 de Setembro 2020, às 14h
» TRT-RS alerta sobre o envio de e-mails falsos em nome da Justiça do Trabalho 18 de Setembro 2020, às 14h
» Seção de Direito Público lança publicação sobre uso da inteligência artificial nos tribunais 18 de Setembro 2020, às 14h
» 7ª edição da live Campeões do Ranking ABRAS reuniu executivos das redes Líder e CSD 17 de Setembro 2020, às 16h
» Comissão Mista da Reforma Tributária realiza debate com especialistas na sexta 17 de Setembro 2020, às 14h
» RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 422, DE 16 DE SETEMBRO DE 2020 17 de Setembro 2020, às 14h
» Receita Federal disponibiliza no e-CAC requerimento de adesão à transação tributária no contencioso administrativo de pequeno valor 17 de Setembro 2020, às 14h

Ver mais »