(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

Ser demitido e contratado pelo mesmo Grupo gera unicidade de contrato, fixa TST 04/11/2015 às 14h

 

Um funcionário demitido e logo depois contratado por empresas do mesmo grupo tem seus direitos trabalhistas violados. Com esse entendimento, a 2ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho reformou sentença para reconhecer a unicidade dos contratos firmados por um trabalhador demitido e seguidamente admitido em empresas do mesmo Grupo econômico de uma siderúrgica. Para os ministros, ficou clara a intenção das Empresas em fraudar os diretos trabalhistas do empregado.

 

Funcionário de uma das empresas de um grupo desde 1994, o trabalhador recebeu proposta para assumir o cargo de gerente em uma unidade de outra companhia nos Estados Unidos. Ao assumir o novo posto, o contrato brasileiro foi rescindido e, um dia depois, acordado na filial americana, onde permaneceu por cerca de três anos. Trinta dias após retornar ao Brasil, já em um novo contrato, o empregado foi demitido.

 

A reclamação trabalhista, acolhida pela 72ª Vara do Trabalho de São Paulo, demandava que os contratos realizados tanto pela sede norte-americana quanto o de retorno ao Brasil fossem considerados como transferência, gerando rescisão compatível com o tempo de serviço dedicado pelo funcionário também no exterior. O juiz rejeitou o pedido no entendimento de que, na mudança de cargo, foram firmados pactos laborais distintos de uma empresa para outra, e não transferência.

 

O trabalhador recorreu ao Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP), que manteve na íntegra a sentença de origem. Para o TRT-2, não houve transferência, mas a oferta de um novo emprego por empresa do mesmo grupo, onde não ficou comprovada a ocorrência de fraude, já que o contrato de trabalho foi devidamente rescindido.

 

No TST, o desembargador convocado, Cláudio Armando Couce de Menezes, relator do processo, explicou que, ao afastar a unicidade contratual, o TRT-2 violou o artigo 3º da Lei 7.064/82, que dispõe sobre a execução da lei brasileira na prestação de serviço no exterior. Para Couce de Menezes, ficou claro que o intuito da empresa era afastar a aplicação da legislação brasileira no período em que o funcionário trabalhava fora do país.

 

Por maioria, a turma deu provimento ao pedido de revista e reconheceu a unicidade dos contratos, declarando a nulidade das dispensas ocorridas. O processo agora deverá retornar à vara de origem para análise dos pedidos, ficando mantida a condenação. Na decisão, foi vencido o voto do ministro Renato de Lacerda Paiva. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

 

 

Clique aqui para ler o acórdão. 

 

 

 

Fonte: Revista Consultor Jurídico (03.11.2015)




Clipping Portal ABRAS


Últimas

» Lei complementar é obrigatória para cobrança de diferenças do ICMS 25 de Fevereiro 2021, às 14h
» ICMS compõe base de cálculo da Contribuição sobre Receita Bruta 25 de Fevereiro 2021, às 14h
» DECISÃO: Taxas de administração de cartão de crédito e débito estão inseridas no preço de produtos devendo constar da base de cálculo do PIS/Cofins 25 de Fevereiro 2021, às 14h
» Divulgadas as regras sobre a entrega da Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física 2021 25 de Fevereiro 2021, às 14h
» Senado aprova que estados, municípios e setor privado comprem vacinas contra a covid-19 25 de Fevereiro 2021, às 14h
» Senado aprova Marco Legal das Startups; texto vai à Câmara 25 de Fevereiro 2021, às 14h
» Bolsonaro sanciona projeto que dá autonomia ao Banco Central 25 de Fevereiro 2021, às 14h
» Governo edita MP que libera R$ 2,8 bilhões para combate à pandemia 25 de Fevereiro 2021, às 14h
» Bolsonaro entrega à Câmara PL que permite privatização dos Correios 25 de Fevereiro 2021, às 14h
» NÃO HÁ CONDENAÇÃO PATRONAL POR FALTA DE PAGAMENTO DURANTE PERÍODO DE ANÁLISE DA CONCESSÃO DE BENEFÍCIO EMERGENCIAL PELO GOVERNO 24 de Fevereiro 2021, às 14h

Ver mais »