(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

Consumidor 'pechincheiro' ganha mais espaço em ano de recessão 03/11/2015 às 12h

 

Os brasileiros mudaram hábitos de consumo e começaram a explorar novas formas de acesso a produtos, em um cenário de recessão. Companhias como O Boticário, Red Bull, Mondelez e Unilever fazem adaptações para atender a essas novas demandas. As informações fazem parte de um estudo que a consultoria Mintel divulga hoje.

 

A equipe de analistas globais da Mintel identificou quatro tendências de consumidores brasileiros, que tendem a ganhar força no próximo ano: os "pechincheiros", os consumidores engajados em grandes causas, os consumidores ecológicos e as famílias alternativas.

 

Graciana Méndez, analista de tendências da Mintel para a região América Latina, disse que em um ano de recessão econômica, a categoria de "pechincheiros" é a que ganhará mais espaço. Esse grupo inclui consumidores que substituíram a compra de produtos pelo aluguel ou troca. "Em um cenário complicado, o consumo compartilhado é uma forma de consumidores manterem o estilo de vida gastando menos", afirmou Graciana.

 

A analista cita como exemplo de empresa que já se adaptou a essa tendência o site de comércio eletrônico Dress & Go, que aluga vestidos de estilistas badalados por cerca de 20% do valor de venda da peça. Ela também cita a expansão de estabelecimentos que operam no modelo "pague o quanto quiser", como o Curto Café, no Rio de Janeiro, o Preto Café, em São Paulo, e o restaurante Ecozinha, de Curitiba, onde os clientes têm até a opção pagar a conta lavando a louça.

 

A Mintel também estima que o consumo de produtos recicláveis, biodegradáveis e energeticamente eficientes ganhará força no país em 2016. "As pessoas estão descobrindo que as práticas ecológicas vão ajuda­las a economizar dinheiro", disse Graciana. Ela cita uma campanha do Omo, da Unilever, que estimula brasileiros a enxaguar roupas apenas uma vez, reduzindo o consumo de água.

A analista considera que empresas engajadas em ações sociais podem atrair mais consumidores. Ela cita a marca de sucos Tang, da Mondelez, que lançou uma campanha incentivando crianças a realizar trabalhos voluntários.

 

Outra tendência crescente é a mudança no perfil das famílias. "Animais de estimação são considerados família, por exemplo, e empresas que aceitam animais na loja têm um diferencial", diz Graciana. Para ela, empresas que realizam campanhas publicitárias incluindo novos formatos de família podem ter melhores resultados. O Boticário, que apresentou meias ­irmãs passando o primeiro Natal juntas, é um exemplo.

 

Por Cibelle Bouças

De São Paulo

 

 

 

Fonte: Valor Econômico (03.11.2015)




Clipping Portal ABRAS


Últimas

» NÃO HÁ CONDENAÇÃO PATRONAL POR FALTA DE PAGAMENTO DURANTE PERÍODO DE ANÁLISE DA CONCESSÃO DE BENEFÍCIO EMERGENCIAL PELO GOVERNO 24 de Fevereiro 2021, às 14h
» Câmara aprova MP que facilita compra de vacinas contra Covid-19 24 de Fevereiro 2021, às 14h
» Maioria do STF autoriza importação de vacinas sem registro na Anvisa 24 de Fevereiro 2021, às 14h
» Justiça pede esclarecimentos sobre apps de desconto em combustível 24 de Fevereiro 2021, às 14h
» TJ/SP autoriza pesquisa de bens para penhora de conta salário 24 de Fevereiro 2021, às 14h
» Códigos de embalagens são alterados na Tabela de Imposto sobre Produtos Industrializados 24 de Fevereiro 2021, às 14h
» Empresas do Simples Nacional já declararam mais de R$ 1,8 bilhão em resposta às notificações enviadas pela Receita Federal 24 de Fevereiro 2021, às 14h
» INSS amplia prova de vida por meio digital 24 de Fevereiro 2021, às 14h
» Mapa cria conselho para minimizar impactos da pandemia na agropecuária 23 de Fevereiro 2021, às 12h
» Posto será obrigado a informar composição do preço de combustível 23 de Fevereiro 2021, às 12h

Ver mais »