Produtores de leite e arroz fazem romaria em Brasília

Leia em 3min 10s

Representantes de produtores de arroz e de leite, além de políticos do Rio Grande do Sul ligados ao agronegócio, ocuparam boa parte da agenda da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, na tarde de ontem. A romaria levou ao gabinete da ministra antigos e novos pedidos de soluções para diferentes problemas que estão deixando orizicultores e pecuaristas com as finanças combalidas. Apesar de não terem saído dos dois encontros com medidas já definidas de apoio, representantes dos dois segmentos retornaram a Porto Alegre animados com as perspectivas a seus pleitos.

 

O primeiro encontro, com arrozeiros, teve pauta extensa: dos problemas com o grão mais barato vindo do Mercosul a disparidades estaduais no ICMS e apoio para regularização de crédito ao setor, que acumula endividamento de mais R$ 2,5 bilhões. Henrique Dornelles, presidente da Federarroz, destacou a "sensibilidade" demonstrada pela responsável pela Agricultura ao momento de crise vivido pelos arrozeiros gaúchos, e não apenas aos afetados duramente pelas enxurradas na Fronteira-Oeste. "Agendamos encontros para 12 e 20 de março para tratar de questões importantes que ficaram de ter andamento até lá, parte delas pelo Ministério da Economia, como o endividamento dos produtores", diz Dornelles.

 

De acordo com a assessoria do ministério, Tereza Cristina tem como prioridade ajudar a resolver os problemas estruturais que prejudica a atividade como um todo. No encontro, a ministra destacou que está para ser concluído o acordo com o governo do México para exportação de arroz beneficiado. Além da importância da abertura desse mercado, que o economista Antônio da Luz, da Farsul, também espera ver aberto em breve, ele destacou a presença da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) no encontro. "Os supermercados se comprometeram e ajudar o setor diferentes questões, inclusive promovendo campanhas junto aos clientes para estimular o consumo de arroz", sinalizou Luz.

 

Dornelles lembrou, ainda, que o encontrou serviu também para tratar da venda irregular de arroz Tipo 1 que chega ao varejo misturado aos tipos 2 e 3, de menor qualidade, lesando produtores e consumidores. O caso, tema de reportagem recente publicada pelo Jornal do Comércio, está sendo investigado inclusive pelo Ministério Público Federal. Para o setor leiteiro, que teve agendamento marcado pelo deputado federal Heitor Schuch (PSB/RS), houve a sinalização de que alguns temas colocados em pauta terão andamento monitorado de perto. Entres os tópicos urgentes está o adiamento da entrada em vigor de normativas que dificultarão ainda mais as já enfraquecidas finanças do setor, segundo o presidente do Sindilat, Alexandre Guerra. As Instruções Normativas (INs) 76 e 77 entram em vigor entre maio e junho, e vão exigir, por exemplo, melhor resfriamento entre a coleta e a entrega para beneficiamento.

 

"Precisamos de mais tempo para adaptação e linhas de crédito para que todos possam atender a exigências e aquisição de equipamentos. Sem falar dos altos custos de energia, cujos incentivos para o setor rural ainda estão por ser retirados", lembra Guerra.

 

Para um tema pendente há quase um mês, a anunciada taxação extra sobre o leite europeu, que ainda não foi publicada, Tereza Cristina também afirmou que o caso não foi deixado de lado, disse o presidente da Frente Parlamentar da Agricultura (FPA), o deputado federal Alceu Moreira (MDB/RS). O encontro, porém, não deixou claro qual será a solução, que de acordo com Moreira não poderá ser uma taxação que implique violação ao livre comércio com tradicionais parceiros internacionais do Brasil. E garantiu que o problema está sendo estudado pelo Ministério da Economia para encontrar medidas compensatórias. "O que importa é que nos foi garantido que o ingresso desse leite importando está sendo monitorado dia a dia pelo ministério e que a equipe econômica estuda formas de garantir que não haverá uma invasão ou prejuízos ao setor no Brasil, resume Moreira.

 

Fonte: Jornal do Comércio - Porto Alegre

 


Veja também

Convenção ABRAS 2019: O futuro dos supermercados será tema de painel no dia 19 de março

...

Veja mais
Com esperança e sem solução, arrozeiros veem preços em queda

Com um monte de promessas renovadas e a frustração da expectativa de que a abertura da colheita, na semana...

Veja mais
México deve abrir mercado para arroz brasileiro em breve

O setor produtivo de arroz se reuniu por quase duas horas com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, na tarde desta...

Veja mais
Tereza Cristina se reúne com produtores de arroz

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) se reuniu nesta terça-feira (26) com os...

Veja mais
Presidente da ABRAS participa de encontro com parlamentares da Frente CSE

     O presidente da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), João ...

Veja mais
Painel da 53ª Convenção Abras debaterá governança corporativa

...

Veja mais
Empresários da Unecs discutem apoio a reformas e ao imposto único

Reunião da UNECS, realizada na Associação Comércial, em São Paulo No mesmo dia e...

Veja mais
Abras / Superhiper premia marcas líderes de vendas e lançamento do ano

  João Sanzovo Neto, presidente da ABRASDaniel Asp de Souza, gerente de Contas Nacionais da Nielsen&nbs...

Veja mais
Bolsonaro entrega a deputados proposta da reforma da Previdência

  O presidente Jair Bolsonaro entregou hoje (20), pela manhã, a proposta da reforma da Previdênci...

Veja mais