BR Foods define as dez fábricas que serão vendidas

Leia em 1min 40s

Unidades terão que ser repassadas para que a união entre a Sadia e a Perdigão seja aprovada pelo Cadê
Plantas escolhidas estão espalhadas pelo país; empresa estima perda de R$ 3 bilhões no seu faturamento



A Brasil Foods anunciou ontem quais são as dez fábricas e quatro abatedouros que devem ser vendidos para atender às exigências feitas pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) para aprovar a fusão Sadia/Perdigão, que deu origem à companhia.
A empresa terá que passar adiante as unidades de São Gonçalo dos Campos (BA), Bom Retiro do Sul (RS), Lages (SC), Salto Veloso (SC); Duque de Caxias (RJ), San- ta Cruz do Sul (RS), Três Passos (RS) e Brasília (DF).
Além disso, irá vender parte das plantas de Carambeí (PR) e Várzea Grande (MT) e negociará os equipamentos industriais de Valinhos (SP).
Em quatro localidades, há tanto fábrica quanto abatedouro (São Gonçalo, Três Passos, Brasília e Carambeí).
A empresa não informou o valor dos ativos e a venda só deverá ocorrer em 2012.
A BRF também terá que se desfazer de 12 granjas, 4 fábricas de ração e 8 centros de distribuição.
Além disso, será obrigada a repassar marcas, como Rezende e Doriana, assim como suspender a venda de produtos da Perdigão e da Batavo por até cinco anos.
O Cade determinou ainda que esse conjunto de ativos terá de ser absorvido por apenas um concorrente. O objetivo é dar escala para que a empresa compradora possa competir com a BRF.
O diretor técnico da Informa Economics/FNP, José Vicente Ferraz, diz que, apesar do esforço, não há garantia de que a nova empresa consiga concorrer com a BRF.
"É uma tentativa de preservar a concorrência, mas isso vai depender da qualidade de gestão de quem assumir."

PERDAS
A BRF estima uma perda de cerca de R$ 3 bilhões no faturamento após a venda dos ativos e a suspensão das marcas --13% da receita líquida (R$ 22,6 bilhões).
Os ativos vendidos têm capacidade para produzir 730 mil toneladas de alimentos derivados de carne e 96 mil toneladas de margarinas por ano, o correspondente a 80% da capacidade produtiva da Perdigão anterior à fusão.
MARIANA SALLOWICZ
DE SÃO PAULO
Fonte: Folha.com.br (27.07.11)


Veja também

Quem reduzir consumo de energia terá bônus na conta, diz secretário

Bônus será para quem economizar 10% de energia com relação a 2020 O Brasil passa pela pi...

Veja mais
Confaz prorroga até 31 de dezembro a isenção de ICMS sobre transporte no enfrentamento à pandemia

Convênios prorrogados também amparam empresas, autorizando que os estados não exijam o imposto por d...

Veja mais
Mapa estabelece critérios de destinação do leite fora dos padrões

PORTARIA Nº 392, DE 9 DE SETEMBRO DE 2021 Estabelece os critérios de destinação do leite ...

Veja mais
Empresa não deve indenizar por oferecer descontos apenas a novos clientes

Não há vedação legal para que fornecedores de serviços ofereçam descontos apen...

Veja mais
Justiça do Trabalho é incompetente para execução das contribuições sociais destinadas a terceiros

A 9ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT/RJ), ao julgar um agravo de petiç&...

Veja mais
Corte Especial reafirma possibilidade de uso do agravo de instrumento contra decisão sobre competência

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) acolheu embargos de divergência e reafirmou o entend...

Veja mais
Partidos questionam MP sobre remoção de conteúdo das redes sociais

Seis legendas buscam no STF a suspensão dos efeitos da norma assinada pelo chefe do Executivo federal. O Sup...

Veja mais
Consumo das famílias cresce 4,84% em julho, diz ABRAS

Cebola, batata e arroz foram os produtos com maiores quedas no período O consumo das famílias brasile...

Veja mais
Lei que prorroga tributos municipais na epidemia é constitucional, diz TJ-SP

Inexiste reserva de iniciativa de projetos de lei versando sobre matéria tributária, a teor do dispos...

Veja mais