Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
SuperHiper
 





Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Geral

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Geral

04/01/2021 16:35 - Nova onda do atacarejo afeta supermercados

O setor de supermercados e hipermercados perdeu fôlego em novembro de 2020, segundo dados de consultorias e varejistas, reflexo das maiores restrições nos gastos e de uma nova onda de migração da demanda para o atacarejo. A redução do valor do auxílio emergencial e o aumento da inflação, que reduziu o poder de compra, foram alguns dos fatores que impulsionaram esse movimento.

 

Já em dezembro, houve sinais de um movimento positivo também para os supermercados. Com o novo avanço no contágio da covid-19, as pessoas tendem a evitar aglomerações no Natal e réveillon, aumentando a demanda por alimentos para consumir em casa, de forma geral.

 

Mas em 2021, sem auxílio emergencial, com índices de desemprego ainda altos e pressão inflacionária, a expectativa de analistas do setor é que, cada vez mais, consumidores migrarão as suas compras para o atacarejo.

 

“O diferencial terá a ver com a relação de custo-benefício da compra. Não é só ser barato. E um canal que tem vantagem competitiva é o atacarejo. Nas últimas semanas estamos vendo um crescimento muito expressivo, de novo, nessa categoria e, no ano que vem, ela vai ser beneficiada por isso”, afirma Roberto Butragueño, diretor de atendimento ao varejo da empresa de pesquisas Nielsen.

 

Em novembro, levantamento da Nielsen mostra aumento nominal de 8% nas vendas nos canais de autosserviço, como são classificados os supermercados e hipermercados, na comparação com o mesmo mês de 2019. No atacarejo, a expansão foi bem mais acelerada, de 32,2%. Dados obtidos pelo Valor com fontes de varejo que recebem relatórios da Nielsen mostram que, nas semanas anteriores, o crescimento dos supermercados era superior a 10%.

 

Segundo números da Cielo, em novembro houve alta de 7,9% nas vendas nominais de supermercados e hipermercados sobre igual período de 2019, a menor taxa de crescimento dos últimos 12 meses. Ao se deflacionar o índice, há recuo de quase 11%, também o pior desempenho em um ano.

 

Em relatório sobre a recuperação do varejo publicado neste mês, a agência da classificação de risco Fitch Ratings afirma que, para 2021, é esperada “uma normalização do ritmo de consumo do setor alimentar”, com o segmento de atacarejo “sendo o principal foco de expansão das grandes redes”.

 

Os balanços de grandes grupos como Carrefour e GPA já mostravam diferenças no fôlego dos segmentos na comparação entre os três primeiros trimestres do ano.

 

Entre julho e setembro, as vendas do Atacadão, controlado pelo Carrefour, cresceram 15% ante o segundo trimestre. No braço de varejo da companhia, houve queda 4,75%. No GPA, a receita bruta da rede de atacarejo Assaí subiu 12%, enquanto nas bandeiras de varejo Pão de Açúcar e Extra houve queda de 10% no terceiro trimestre em relação ao segundo.

 

Gisele Paolino, diretora da Fitch, diz que esse descompasso reflete a maior presença de pessoas físicas no atacarejo, além da retomada de atividades de pequenos e médios serviços de alimentação, como bares, restaurantes e cafeterias.

 

O presidente da Associação Paulista de supermercados (Apas), Ronaldo dos Santos, concorda que houve acomodação nas vendas após a reabertura dos serviços. “O crescimento significativo do comércio nos últimos meses demonstra que boa parte da renda familiar foi redirecionada agora para fora dos supermercados”, diz.

 

Os supermercados paulistas registraram a terceira retração mensal consecutiva nas vendas em outubro. Foi apurada queda real de 1% em relação a 2019 (descontada a inflação e comparando lojas em operação há mais de um ano). Em agosto, houve recuo real de 1,6%, e, em setembro, de 0,8%.

 

Já os relatórios da Abad, a associação de atacadistas, mostram crescimentos nas vendas mensais desde início da pandemia. Em outubro, houve expansão real de 2,76% nas vendas no país.

 

“Está havendo uma nova migração de clientes ao ‘cash&carry [atacado]’”, diz um executivo do varejo que recebeu a pesquisa da Abad semanas atrás. O movimento de migração anterior a este foi na crise de 2015 a 2017, quando a recessão reduziu renda e fez os atacarejos ganharem milhares de novos clientes. Foi neste movimento que redes como Assaí e Atacadão se tornaram os canais prioritários de expansão de GPA e Carrefour.

 

Desde então, a diferença de ritmos de expansão entre varejo e atacarejo vem sendo observada. A questão é que o “gap” entre as taxas de crescimento dos dois segmentos tinha diminuído na pandemia durante o auge das medidas de isolamento social, quando os supermercados cresceram de forma acelerada. Agora, essa diferença volta a aumentar, com a normalização das taxas de expansão.

 

Em dezembro, especialistas ouvidos afirmam que o consumo tem se concentrado especialmente em itens para a ceia caseira, voltada para pequenos grupos familiares, por conta das restrições com a covid-19. Isso pode ter efeitos positivos tanto para supermercados quanto para atacarejos.

 

“No Natal, mesmo em pequenos grupos, haverá o consumo em casa. E o réveillon também deve ser uma comemoração com grupos menores nas residências, em casas de praia, e isso pode levar a um aumento de demanda por alimentos e bebidas”, diz Antonio Salvador, professor e ex-executivo do varejo alimentar. “Mesmo nas viagens para interior ou para praia, é pouco provável que tenhamos um consumo forte em bares e restaurantes, pelo risco do contágio. Os contatos do setor [alimentar] têm me dito que dezembro tem sido positivo.”

 

O empresário Pedro Zonta, presidente da Associação Paranaense dos Supermercados, vê um cenário mais positivo para os supermercados, mesmo com a concorrência com o atacarejo. Ele entende que uma segunda onda da covid pode voltar a favorecer as vendas nos hipermercados e lojas de proximidade. “Com as novas limitações de circulação em algumas regiões, as pessoas estão voltando a comer mais em casa e isso pode ser benéfico para as vendas agora”, diz.

 

Para a rede que fundou, a Condor Super Center, com sede em Curitiba, Zonta projeta uma expansão de 12% nas vendas em dezembro – a mesma taxa de crescimento prevista para 2020.

O empresário não acredita numa desaceleração mais forte das vendas em 2021, com o fim do auxílio emergencial. “Creio que a recuperação paulatina do PIB vai acabar favorecendo a demanda.”


Fonte: Newtrade

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

06/04/2021 16:53 - Vendas na semana de Páscoa crescem 1,9%, diz Serasa Experian
23/02/2021 11:27 - Insumos derrubam margem do produtor de leite em 50%
23/02/2021 11:21 - Tomate acumula alta de preço de mais de 30% em Belém
23/02/2021 11:18 - Embalagens e alimentos têm `mínima probabilidade de espalhar` coronavírus
11/02/2021 12:46 - Safra de grãos deve ser recorde em 2021, diz IBGE
10/02/2021 12:23 - Setor de orgânicos cresce 30% no Brasil em 2020
01/02/2021 15:32 - Comércio antecipa venda de ovos de Páscoa para não repetir 2020
29/01/2021 15:46 - Faturamento do atacado distribuidor cresce 4,29% no acumulado de 2020
27/01/2021 13:17 - Preço da maçã, banana e melancia sobe forte em dezembro, aponta Conab
27/01/2021 12:40 - Mercado de beleza cresce no Brasil durante a pandemia
20/01/2021 15:19 - 76% dos brasileiros começaram a consumir em comércios locais durante a quarentena
18/01/2021 12:32 - Nova lei de rotulagem aprovada pela Anvisa impactará o mercado de alimentos e bebidas
15/01/2021 12:50 - Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões
13/01/2021 15:31 - Nestlé lança mercado online em parceria com a Packk
13/01/2021 12:48 - IBGE: safra de 2021 deve superar recorde de 2020

Veja mais >>>